Cristaloterapia

Pesquisa e elaborada pela Terapeuta Wilma Antonia Nubiato Santesso
Esta disposição com os Cristais deve ser feita deitada,
relaxado com os braços ao lado do corpo.

7 Chakra Ponta de Cristal Branco –
(No chão e acima da cabeça com ponta virada para fora)

• 6 Chakra - Ametista

• 5 Chakra - Água Marinha

• 4 Chacra - Quartzo Rosa

• 3 Chakra - Citrino

• 2 Chakra - Calcita Laranja

• 1 Chakra - Granada

No chão em frente aos pés colocar uma TURMALINA NEGRA
Com as estrias virada para a vertical.
Para despolarização.*

Qual é o fundamento da terapia com Cristais?
A explicação encontra-se na Física: "Os cristais têm um arranjo molecular perfeito e eletromagnético de alta freqüência. São, por isso, capazes de alterar a energia de quem está por perto".

Os cristais amplificam as energias (tanto que são usados até na técnica das transmissões), além de conter na forma mais pura, as cores que são necessárias para nosso equilíbrio físico, biológico e espiritual.

Todos nós temos energias e todos nós podemos transmiti-las para os outros ou absorvê-las, no campo que escolhemos. Os cristais nos ajudam a isso, dimensionando-as e ampliando-as.

Os cristais são poderosas ferramentas que trazem o equilíbrio naturalmente para as partes: físicas, psicológicas e espirituais. Eles representam o poder da natureza superior. Os cristais podem ser usados em conjunto com outras terapias, tendo uma afinidade especial com a terapia de cores.

A energia que sai dos cristais, é uma composição dos elementos da natureza e dos raios vibracionais. Transmitem uma espécie de raio que é absorvido pelo corpo físico. Esses raios absorvidos pelo corpo desbloqueiam e alinham os chakras, que são os sete centros de energia que todas as pessoas tem.

Os cristais podem ser usados nas práticas de meditações e visualizações. Podemos invocar a presença de um cristal através de nossos pensamentos, apenas imaginando sua cor. Eles trazem energia vibracional de alta freqüência, amplificado e focalizado nas energias naturais do corpo e da mente.

Cada cristal tem uma função específica, de acordo com seu tamanho e coloração. Os cristais grandes, como por exemplo, a Drusa por ser um Quartzo de várias pontas, é excelente para as limpezas dos ambientes.
Os cristais funcionam como amplificadores de energia nos processos de equilíbrio e autoconhecimento e a sua força consiste na capacidade de ampliar e direcionar nossos próprios poderes e, por isso, o mais importante ao se lidar com os cristais é que conseguimos sintonizar nossas vibrações com as vibrações dessas pedras. Pode atuar na limpeza do corpo físico e dos sete corpos sutis. Espiritualmente pode limpar as energias provenientes de influencia extra-física nocivas.

Sendo um instrumento vindo da própria Mãe Terra, gerado das mesmas energias e com os mesmos componentes minerais que estão presentes em nosso organismo, os Cristais são um veículo energético capaz de atuar tanto nos campos energéticos mais sutis, como em energias densas. arte de trabalhar com os cristais, vendo neles um poderoso auxílio para a cura Os cristais trazem Luz às nossas vidas, transmitindo Paz, Harmonia, Amor, Clareza, Equilíbrio... Aumentam o nosso Bem-Estar e Alegria de Viver! Fortalecem a saúde e o sistema imunológico, no geral. Enfim, são instrumentos seguros para serem utilizados por todos os seres: seja no auxílio a uma pessoa, planta ou animal.

"Um ser vivo vibrando mais rápido que a velocidade da luz. Não é um sólido. É som, é éter concretizado. O cristal é um ser consciente de que assumiu uma forma específica para ressoar o som básico da Criação. Com o cristal, pode-se caminhar em todas as direções.”

As pedras desbloqueiam, liberam e reequilibram energias e emoções, aliviando sintomas negativos ou aflorando memórias e sensações importantes para o desenvolvimento pessoal.

Desde as mais antigas culturas do mundo, os cristais eram usados para curar e equilibrar o ser humano. Na Índia, Grécia e no Egito os cristais eram usados para energizar remédios e auxiliar na medicina, trazendo a cura para muitas pessoas. Os cristais são poderosas ferramentas que trazem o equilíbrio natural para o psicológico, físico e espiritual. Eles representam o poder da natureza superior e podem ser usados em conjunto com outras terapias, tendo uma afinidade especial com a cromoterapia.

A energia vinda dos cristais é uma composição de elementos da natureza. Transmitem uma espécie de raio vibracional que é absorvido pelo corpo físico, e assim desbloqueiam e alinham os chakras, que são os sete centros de energia que todos nós possuímos


Como os minerais podem ser formados?

O termo compreende elementos ou compostos químicos inorgânicos, com composição química definida (variável dentro de certos limites) e estrutura interna cristalina característica, formados naturalmente como resultado de processos geológicos, na Terra ou em corpos extraterrestres.

Definição de MINERAL possui algumas controvérsias: para alguns é toda substância homogênea, sólida ou líquida, de origem inorgânica e que surge, naturalmente, na crosta terrestre, normalmente com composição química definida e, que se formado em condições favoráveis, terá estrutura atômica ordenada condicionando sua forma cristalina e suas propriedades físicas; para outros, trata-se de substância com estrutura interna ordenada (cristais), de composição química definida, origem inorgânica e que ocorre naturalmente na crosta terrestre ou em outros corpos celestes. Os minerais constituem os diferentes tipos de rochas, mono ou poliminerálicas, sedimentares, metamórficas, magmáticas, hidrotermais ou pneumatolíticas. Algumas dessas rochas, devido à granulação muito fina, a exemplo de alguns tipos de  basaltos, mostram-se em um exame a olho nu, com aparência de um único mineral (massas homogêneas). Todavia, quando observado ao microscópio petrográfico e em casos extremos ao microscópio eletrônico, verifica-se que são constituídos por várias substâncias cristalinas e, às vezes, também por material amorfo (vidro).

Minerais formados a partir de soluções originam-se pela deposição devido a evaporação, variações de temperatura, pressão, porosidade, pH e/ou eH. Esse processo ocorre na superfície da terra e em diferentes profundidades. Na superfície da Terra as soluções quando não diretamente ligadas a atividades magmáticas, normalmente possuem temperaturas do ambiente, sendo consideradas frias e diluídas, enquanto que aquelas que circulam lentamente em profundidades e/ou estão associadas a atividades vulcânicas são quentes e possuem grande quantidade de cátions e ânions dissolvidos, e podem gerar importantes depósitos minerais.
Os principais processos de formação de minerais a partir de soluções estão relacionados abaixo.

Evaporação do solvente: neste processo a precipitação ocorre devido à concentração ultrapassar o coeficiente de solubilidade pelo processo de evaporação, fato que ocorre principalmente em regiões quentes e secas, formando sulfatos (anidrita, gipsita etc.), halogenetos (halita, silvita etc.) etc.

Perda de gás agindo como solvente: processo que ocorre quando uma solução contendo gases entra em contados com rochas provocando reação a exemplo do que ocorre quando solução aquosa contendo bióxido de carbono entra em contato com rochas calcárias,  caso em que o carbonato de cálcio é parcialmente dissolvido formando o bicarbonato de cálcio (CaH2(CO3)2), composto solúvel na solução. O bicarbonato de cálcio é instável e, por causa do aumento de concentração resultante de evaporação e/ou devido a desgaseificação da solução e a outros fatores, ocorre a reversão da reação de dissolução precipitando o carbonato de cálcio [CaCO3 + H2O +CO2 =>  CaH2(CO3)2]. Esse processo pode dar origem às estalactites e estalagmites, ao mármore ônix, ônix das cavernas e  mármore travertino.

  Diminuição da temperatura e/ou pressão: as soluções de origem profunda resultantes de transformações metamórficas (desidratação, descarbonatação, etc.) ou de cristalizações magmáticas normalmente contêm significativas quantidade de material dissolvido. Quando essas soluções esfriam ou a pressão diminui, formam-se minerais hidrotermais, depositados na forma de veios ou filões. As fontes termais e os géiseres possuem uma grande quantidade de minerais depositados (carbonatos, sulfetos, arsenietos, halogenetos etc.), constituindo-se em evidências da atuação desse processo.

  Interação de soluções: O encontro de soluções aquosas com solutos diferentes, ao se interagirem, pode   formar composto insolúvel ou com coeficiente de solubilidade bem mais baixo, que se precipita. Como exemplo pode ser citado o encontro de uma solução com sulfato de cálcio (CaSO4) com outra contendo carbonato de bário (BaCO3), resultando na formação de um precipitado de barita (BaSO4).

   Interação de soluções e cristais: Nesse caso uma solução com determinado composto solúvel reage com minerais originando outras fases minerais, como o que ocorre quando uma solução com sulfato de zinco entra em contato com calcita, contida em mármores ou calcários, originando  smithsonita (ZnCO3) e a anidrita (CaSO4) ou gipsita (CaSO4.2H2O).

Interação de gases com soluções: A passagem de gás por uma solução contendo íons pode gerar precipitados, a exemplo do que ocorre com a passagem de H2S (gás sulfídrico) por uma solução contendo cátions de Fe, Cu, Zn etc.,   formando sulfetos de ferro (pirita FeS2), calcopirita (CuFeS2), esfalerita (ZnS), etc..

     Ação de organismos sobre soluções: Esse processo resulta da ação dos organismos vivos, animais ou vegetais, sobre as soluções. Dessa forma um grande número de seres marinhos (corais, crinóides, moluscos etc.) extraem o carbonato de cálcio das águas salgadas para formar suas conchas e partes duras de seus corpos, resultando na formação de calcita (CaCO3) e em menor quantidade aragonita (CaCO3) e dolomita [MgCa(CO3)2]. Da mesma forma as esponjas, os radiolários e as diatomáceas provocam a precipitação da sílica amorfa. Algumas bactérias precipitam o ferro (limonita, goethita) ou promovem a deposição do enxofre, nitratos etc.

 Classificação química: Neste caso os minerais estão arranjados de acordo com as suas composições químicas, resultando nos grupos: elementos nativos, sulfetos, sulfossais, óxidos etc.
 Classificação quanto à coloração: Quanto à coloração os minerais classificam-se em: Minerais máficos ou fêmicos, aqueles que possuem cores escuras por conterem ferro, magnésio, titânio, manganês etc., a exemplo da olivina, piroxênios, anfibólios etc., e Minerais félsicos ou siálicos, os que são incolores ou brancos, compostos à base de sílica e/ou alumina, tais como quartzo, feldspato, zeólita etc.

Classificação quanto à densidade:
Leves: são aqueles que bóiam no bromofórmio por terem densidade menor que esse composto químico (2,89).
Pesados: são os que possuem densidade superior a 2,89, portanto afundam no bromofórmio
O termo naturalmente, usado na definição de mineral, indica que apenas substâncias formadas espontaneamente na natureza, por algum processo geológico, são consideradas minerais
Quando um cristal quebra ou trinca, o que se deve fazer?

Quando uma energia negativa está pairando no ar, o vidro e os cristais captam-na e se partem.

CRISTAL QUE QUEBRA: O Cristal que se parte, seja por que motivo for, absorveu grande quantidade de Energia Negativa direcionada a seu Dono. Deve, portanto, ser devolvido à Mãe Natureza. Quando um cristal se quebra é porque captou e absorveu um tipo de energia não compatível com a sua (negativa). Dependendo da incompatibilidade irá se quebrar pouco ou muito. Neste caso, deverá ser devolvido à natureza. Jogue-o no mar, rio, etc... Para que ele tenha a oportunidade de, após cumprir sua função com você, restabelecer-se e, quem sabe, proteger outra pessoa.

Cristal que cai - estará nos chamando a atenção para algo que acontecerá. Afine-se com seu cristal e entenda sua linguagem. É simples, permita-se.

CRISTAL QUE TRINCA: É aquele Cristal, que a medida que o usamos vai rachando por dentro. Sinal claro que ele está trabalhando o Equilíbrio de algum aspecto de nossa Vida

 

Quais são as formas de apresentação dos cristais e pedras;

São as lapidadas com a finalidade de extrair maior beleza,brilho e cor, como por exemplo:

O rubi

A esmeralda

O diamante

Que são facetados


E as roladas que são as pedras brutas menores e podem ser limpas e polidas num tambor rotativo até ficarem lisas e livres de imperfeições superficiais.

Brutas não recebem nenhuma alteração de sua forma PEDRA BRUTA é o ponto de partida para a grande transformação a ser feita no espírito do maçom. Desbastar esta PEDRA BRUTA significa que esse trabalho simbólico deve-se dedicar o maçom para chegar a ser o obreiro que domina a boa arte de construir. Na realização desse trabalho o iniciado é ao mesmo tempo obreiro, matéria-prima e instrumento. Ele mesmo é a PEDRA BRUTA, que representa seu atual estado de imperfeito desenvolvimento, que deve converter-se em forma de perfeição interior.

Como a perfeição é infinita e seu absoluto é inacessível, o que nos resta fazer é tão somente aproximar da perfeição ideal, por etapas de progresso, desenvolvendo-as através de sucessivos graus de perfeição relativa.
O próprio reconhecimento de nossa imperfeição por um lado e de outro um ideal desejado são as primeiras condições indispensáveis para que possa existir o trabalho de desbaste. Se o Aprendiz souber relevar, quando algum irmão o aborrecer, estará retirando uma aresta, se ele usar o exercício da tolerância contra as agressões, mais arestas caem. O construir, o participar, o contribuir e o atender são atributos que também retiram arestas.

O valor alegórico inspirado nas pedras, desde os primórdios tempos, é refletido para toda a existência, que o homem moderno precisa obter os ensinamentos que elas – as pedras proporcionam, a fim de melhorar sua própria vida, para contribuir na construção de uma sociedade centrada nos bons costumes. Desta forma, faz-se necessário buscar incessantemente o aprimoramento individual e coletivo, quer nos trabalhos das oficinas, nos encontros fraternos, na aplicação da doutrina, no ensinamento geral a que todos abrangem, nas ocupações do mundo profano, que o maçom cumpre integralmente sua finalidade na sociedade humana.

Logo, além do conhecimento que recebemos da pedra, recebemos também um conhecimento a nosso respeito, que é o conhecimento de que recebemos o conhecimento da pedra. Este segundo momento, que existe apenas para os humanos, constitui a diferença humana.

Uma pedra, por exemplo, recebe informação de fora, mas não de si própria. Há conhecimento nela, mas ela não emite informação para si própria, ou seja, ela está imune a si mesma. Ela não pode ser afetada por ela mesma, não pode fazer nada para si. Ela é inerme com relação a si. Logo, há uma limitação em seu modo de ser, que corresponde a uma limitação em seu modo de conhecer. A pedra existe deficientemente porque conhece deficientemente.

Na verdade, a pedra conhece algo de mim. Eu passo alguma informação a ela. No momento em que a vejo, passo a ela um recibo da sua visibilidade, atualizo sua potência de ser vista, respondo a uma informação que ela me transmite. Só que ela não pode repetir essa informação para si e aprofundá-la, então ela tem pouca informação a meu respeito, assim como tem pouca informação a respeito dela mesma. Ela faz mais parte do meu mundo do que eu faço parte do mundo dela, embora eu a afete. Neste sentido, ela é menos real do que eu.
Todo o universo é um imenso intercâmbio de informações, que circulam e que vão infinitamente além da própria presença espacial dos objetos. Uma pedra, por exemplo, é tudo o que ela já sofreu, é a sua história. Não uma história projetada, mas a história que está nela. Só que para ela, subjetivamente, esta história só existe como resíduo físico, como marcas, pois ela não tem reflexão sobre este passado.

 Embora traga nela a informação, para ela subjetivamente esta informação não existe, não obstante exista em seu "corpo", digamos, para ser vista por outros seres Todo o universo é um imenso intercâmbio de informações, que circulam e que vão infinitamente além da própria presença espacial dos objetos. Uma pedra, por exemplo, é tudo o que ela já sofreu, é a sua história. Não uma história projetada, mas a história que está nela. Só que para ela, subjetivamente, esta história só existe como resíduo físico, como marcas, pois ela não tem reflexão sobre este passado.

Embora traga nela a informação, para ela subjetivamente esta informação não existe, não obstante exista em seu "corpo", digamos, para ser vista por outros seres Na verdade, as próprias noções de matéria e mentes ficam subordinadas a essa noção de emitir e receber informação. Qual seria o maximamente real? Aquele que emitisse e recebesse toda informação. Este seria o universo considerado como um em-si, não apenas como um objeto - o universo que me inclui e dentro do qual eu exerço minha consciência.

Logo, esta minha consciência é um atributo deste mesmo universo, a minha e todas as outras consciências particulares, das quais o universo toma consciência em si mesmo, através dessas mesmas consciências particulares que, estando nele, são dele. Ou seja, toda consciência humana é consciência que o universo tem de si mesmo - apenas restando saber se elas são recolhidas num centro, se somos nós mesmos o centro ou se o universo é apenas coisa, com um para-si tênue ou inexistente - um caso que não precisamos resolver aqui de imediato. Nossa consciência seria a dose de consciência que existe nesta parte do universo, sem contar que podem existir outras. Logo, o universo considerado, não como presença física atual, mas como toda a massa de informação, é a máxima realidade, desde que esse universo tenha um centro capaz de tornar essa massa um para-si — ainda que esse centro sejamos nós mesmos.


Quais os tratamentos que cristais e pedras devem  receber antes de serem usadas?

Tanto os cristais quanto as pedras ajudam-nos na meditação, na ampliação do nosso campo magnético, na busca do conhecimento, nas viagens astrais... Transmitem-nos energia, muito mais do que aquela que recebem de nós. É verdade que há uma espécie de troca; digo espécie, porque recebemos em dobro, em triplo e, às vezes, até em décuplo as energias que lhes damos. Nós, os cristais e as pedras somos parte da Natureza, sendo que eles, pela pureza, são mais poderosos e mais iluminados que nós. Contudo, querem nossa integração.

Recebem a perfeição e a harmonia do Cosmos, sendo por isso, todos os chakras da Natureza. Se nos concientizarmos disso, procuraremos trabalhar com eles, pois os benefícios, deles adivindos, serão incontáveis. Para tanto, basta desenvolvermos nossa intuição, nossa sensibilidade, nossos sentimentos e nossas virtudes; e, assim, canalizaremos todo o Bem, e com eles faremos um Universo melhor.

"A gente não escolhe os cristais, eles nos escolhem!"

Podemos, através deles, entrar na atemporalidade, isto é, ver o presente, o passado e o futuro, como se fossem um só momento.

Para fazermos brilhar a nossa luz, para ficarmos em estados atemporais, é importante meditarmos com os cristais, ao menos dez minutos por dia. Podemos fazer uso também do Tarot dos Cristais, de músicas, de velas, como recursos auxiliares.

Os cristais e as pedras servem para: meditar, orar, curar; energizar ambientes, plantas, animais, pessoas; e também para banhos. Você deve ter um cristal só seu. Poderá andar diariamente com ele junto ao corpo ou na bolsa. Vez por outra, deve tocá-lo para que ele se sinta amado, lembrado.


COMO LIMPAR E ENERGIZAR PEDRAS E CRISTAIS
1. Coloque em uma vasilha água filtrada ou mineral sem gás, três a sete punhados de sal grosso em uma vasilha; a água deve ser bastante para cobrir os cristais e as pedras. Estes deverão permanecer na vasilha por 24 horas, sob a luz solar e lunar. Os cristais e as pedras deverão ser colocados na água às seis horas da manhã para serem retirados no dia seguinte no mesmo horário. Ao retirá-los, lave-os com água corrente, mentalizando sobre eles luzes douradas, brancas e azuis, para que tenham toda a energia e sabedoria universal. A seguir, deixe-os por mais 24 horas no chão, o qual deverá estar limpo.


2. Defumá-los por inteiro com incenso-faxina (alecrim, arruda, alfazema...), e depois, com incenso energético (alecrim, cedro, cravo...) ou celestial (templum, eternum...).


3. Deixá-los sob chuva bem forte, pois ela ao mesmo tempo limpa e energiza.


4. Enterrar bem fundo num vaso de barro ou de porcelana contendo areia da praia, por sete dias, mentalizando, no mesmo horário, energias positivas, luz, sabedoria, poder.


5. Tome um banho de alecrim para eliminar suas energias negativas. Depois, inspire e expire pela boca sobre os cristais ou pedras, mentalizando uma luz violeta ou branca, pedindo que sejam afastadas as energias negativas deles e que venham as positivas.


6. As drusas limpam e energizam pedras pequenas, colocadas sobre elas. Os quartzos brancos limpam e energizam todas as pedras e cristais.


Após cada limpeza, é necessário haver a reenergização

Limpeza e proteção dos Cristais
Para obter os benefícios do cristal, devemos aprender a limpá-los e cuidá-los de forma adequada Tanto se tiver sido escolhido por nós, como se nos tiver sido oferecido, as operações de limpeza devem praticar-se desde o primeiro momento e ser repetidas enquanto dure a nossa relação com ele Os Cristais têm a capacidade de absorver as vibrações negativas dos corpos e dos seres vivos com que entram em contacto para purificá-las e harmonizá-las.

Fontes de contaminação
Contaminação absorvida nas sessões terapêuticas, como emoções, sentimentos e pensamentos negativos
Poluição ambiental, como gases nocivos e sujidade orgânica.
Contaminação elétrica como, campos magnéticos gerados por aparelhos elétricos

Poluição sonora
Não obstante, existem muitos fatores contaminantes que podem diminuir o poder terapêutico e harmonizador dos cristais.

Tratam-se de energias negativas que podem encontrar-se no meio ambiente, ou provir das vibrações que geraram as pessoas que estiveram em contato com elas anteriormente.

As fontes de contaminação podem ser muito variadas: luz, som, emoções, pensamentos, desejos, carências, entre outras, e a finalidade da limpeza dos cristais não é mais do que neutralizar as energias negativas que estes captaram, para impedir a sua transmissão, e restituir-lhes o seu estado neutro.

A limpeza energética de um cristal busca um duplo objetivo, por um lado, trata-se de eliminar a negatividade do cristal; e por outro dar-lhe energia para que recupere o mais possível a sua pureza e todas as suas propriedades originais.

O contato com a água pode ser um dos fatores principais que afeta diretamente as qualidades de alguns tipos de cristais.

Cristais que se deterioram com a água
Celestina- Devemos evitar molhá-la porque é levemente solúvel na água.
Lápis-lazúli- É poroso. Há que secá-lo e nunca submergi-lo na água.
Malaquite- Só pode lavar-se com água fria, deve evitar-se água morna e quente.
Sal gema- Dissolve-se com rapidez quando submergida na água.
Selenite (gesso)- A água quente provoca a sua dissolução
Turquesa- É conveniente evitar que se molhe, e nunca se deve embeber
Marcassite- Não convém molhá-la, pois chega inclusivamente a oxidar
Ortose- A água quente altera-a facilmente
A luz e o calor, fenômenos naturais freqüentemente benéficos, podem descolorar ou modificar a cor, e alterar a configuração cristalina de alguns minerais de grande importância em gemoterapia.
Noque diz respeito a este aspecto, os cristãos mais delicados são o topázio, a rodocrosite, a crissocola, a apatite, a variscite, a ametista, o quartzo-rosa, a opala, a tirmalina, o lápis-lazíli e a turquesa.

Métodos de Purificação dos Cristais
Água Purificadora: Um dos métodos de limpeza mais efectivos consiste em submergir os cristais num recipiente mantendo-os debaixo da torneira para que a água se renove de forma constante. A água deve ser preferencialmente fria, visto que a quente dilata a estrutura do cristal tornando-o mais frágil. Alguns gemoterapeutas aconselham a manter os cristais durante dois dias em água proveniente de correntes de montanha, fontes ou poços naturais, tal como água da chuva. Na sua falta, podemos potenciar a capacidade purificadora da água da torneira se, enquanto lavamos o nosso cristal, visualizarmos uma cascata de água cristalina. Do mesmo modo, para limpar e recarregar a energia dos cristais recomenda-se submergi-los na água do mar, e se tal não fot possível, em água da torneira saturada com sal marinho numa proporção de aproximadamente 250 gramas de sal por cada litro de água.

 

O poder do Sol: Após lavar cuidadosamente o cristal com água, e antes de voltar a utilizá-lo, podemos renovar o seu campo energético deixando-o exposto durante o dia aos raios de Sol, a grande força regeneradora de vida. Nascidos nas obscuras entranhas da terra, os cristais são, contudo, seres que têm uma grande capacidade de armazenar energia, captar e refletir a luz. A fonte natural de luz e energia mais poderosa que existe são as radiações solares, pois nelas está contido todo o espectro luminoso, incluindo os raios ultravioleta e infravermelhos. Um procedimento para a ação purificadora da água e a ação energética do Sol consiste em submergir o cristal num recipiente com água e expô-lo ao mesmo tempo à ação do Sol durante cerca de duas horas. Passado este tempo, o cristal deve secar-se ao Sol, dando-lhe a volta de quinze em quinze minutos para que os raios solares iluminem de igual forma todas as suas faces

A benéfica luz da Lua: Também podemos limpar e recarregar de energia um cristal expondo-o à luz da Lua, cuja claridade é muito mais etérea, delicada e subtil, do que a do Sol. A luz da Lua é especialmente benéfica para purificar e recarregar os cristais destinados ao relaxamento, à meditação e à busca espiritual

O poder da Terra Mãe: A energia telúrica da Terra Mãe tem um grande efeito regenerador sobre os cristais já que é o berço em que nasceram. Enterrados no seu seio, e graças às importantes forças magnéticas que emanam dela, os cristais perdem a sua carga negativa e recuperam as suas propriedades primordiais. É apenas necessário enterrá-los num local seguro e deixá-los repousar durante três dias e três noites. O melhor será cobri-los com terras macia ou com areia ligeiramente umedecida.

O fumo que limpa: As tribos indígenas americanas queimavam incenso, eucalipto, salva, cedro e outras plantas, madeiras ou resinas aromáticas para eliminar as energias negativas do ambiente. Este método purificador serve também para limpar os nossos cristais, basta segurá-los entre os dedos e expô-los ao fumo aromático, fazendo-os girar enquanto nos concentramos no desejo de lhes transmitir a essência pura do fumo

O som do sino: Dada a sua posição suspensa, o sino está situado simbolicamente nesse espaço místico da comunicação entre o céu e a terra; as suas ondas sonoras têm um significado esotérico de purificação e criação. Ao expor o nosso cristal às vibrações do som de um sino, podemos descontaminar o seu campo de energia negativa e recarregá-lo positivamente. Tão eficaz como este som é o som de um diapasão, ou de uma conca ou um gongo tibetenos

A essência das flores de Bach: Este remédio floral também é muito útil na limpeza e purificação de cristais. Basta juntar umas gotas desta essência na água do recipiente onde iremos submergir as pedras. É muito aconselhável deixar o recipiente com os cristais exposto à luz da Lua durante três noites.

O poder vivificador das Geodes: As geodes não têm propriamente virtudes curativas, mas o seu uso é muito recomendável para repor a energia perdida pelos cristais que tenham sido usados numa aplicação terapêutica. Os cristais devem colocar-se dentro da cavidade da geode, onde deverão permanecer por dois ou três dias. As geodes de maior poder são as de quartzo hialino e as ametistas. Pode-se acentuar a ação regeneradora da geode expondo-a simultaneamente ao Sol e rodeando-a com quatro cristais de quartzo hialino ou de ametistas de uma dó ponta: a base de cada cristal deve estar orientada para um dos quatro pontos cardeais e todas as pontas deverão ser dirigidas para a geodo

Como conservar um Cristal
Os cristais mais pessoais e os destinados a práticas terapêuticas cujo objetivo é abrir, fortalecer e harmonizar os chakras, ou ainda criar campos de energia que nos favoreçam o relaxamento e a meditação, devem ser preservados de qualquer emissão ambiental contaminadora depois de serem limpos e recarregados.
“Para isso, é aconselhável guardá-los em caixas de materiais naturais isolantes (madeira, pedra ou cerâmica), ou em bolsas de tecido de fibras naturais (seda, algodão, linho, etc.) que não gerem correntes electrostáticas nocivas”.

Limpeza e Energização
Existem vários métodos de limpeza, aplicáveis a quase todos as pedras. veja alguns exemplos:

*Água corrente (cachoeira, mar, rio)
*Incenso
*Drusa
*Chuva
*Água & Sal grosso

São os métodos de energização:
*Exposição ao Sol, Lua, tempestades
*Incenso
*Terra
*Drusa
*Energização com as mãos
*Locais específicos para este fim
Lembrando que é muito importante fazer a limpeza e energização ao adquirir o cristal para fins terapêuticos. A limpeza, aliás, deve ser periódica.

Programação e forma
Um cristal pode ser programado para funções específicas, a fim de auxiliar em certas atividades como cristais de uso pessoal, para cura, energização de ambientes, uso com plantas, banhos, meditação, transmissão etc.

A programação é um processo mental e energético, não existindo apenas um método especifico.

Dependendo do formato, os cristais possuem funções pré-determinadas, sendo mais fácil programá-los. O formato, porém não é determinante em sua programação. São alguns exemplos de programações
*Geradores
*Biterminados
*Drusas
*Tabulares
*Arquivistas
*Arco-íris
*Canalizadores
*Transmissores
*Dow
*Janela
*Elo do tempo
*Ísis
*Celestial
*Laser
*Catedral (biblioteca)
*Templo dévico
*Gêmeos tântricos
*Guardião da terra
*Fantasma

Medição energética
Nas pessoas detecta-se problemas de saúde de ordem física, mental ou espiritual, bloqueios energéticos, desequilíbrio nos chacras ou campo áurico. Esse tipo de medição é normalmente feito na palma da mão através de um pêndulo, sendo a variação e intensidade determinantes para o conhecimento do grau da enfermidade
Determinam também quais cristais a serem usados. Cada palma da mão possui um ponto específico para medição. Obviamente, a medição realiza-se antes de cada tratamento ou energização

Campo áurico e chacras
O campo áurico é um campo eletromagnético situado ao redor do corpo humano. Na energização e aplicação dos cristais, usamos muito este campo afim de estabelecer seu reequilíbrio, ou eliminar resquícios de energias residuais resultantes das aplicações anteriores.

Os chacras são pontos energéticos situados no corpo. Normalmente é necessário que sejam "alinhados" ou reequilibrados, e que estejam "abertos" ou energizados antes de iniciar o tratamento. Demerson Venditti
ENERGIZAÇÃO E CONSAGRAÇÃO DOS CRISTAIS

Podemos consagrar e energizar um cristal com o poder de cura dos Deuses, e para isto temos o Ritual de Consagração do Cristal descrito a seguir. Adquira um cristal, duas velas brancas para o Altar, uma tigela com água fresca (de chuva), um prato de areia, terra ou sal, um incensório contendo incensos de Olíbano, Mirra, Noz Moscada, Patchuli, Rosa, Açafrão ou Sândalo. Realize este ritual numa noite de Lua cheia para limpar o cristal das influências negativas e carregá-lo somente com o poder de cura dos Deuses. Prepare seu Altar, colocando uma vela em cada lado e acenda-as. Disponha a tigela de água, o prato de terra, o incensório ao centro e acenda o incenso. Agora pegue o Cristal com sua mão direita e passe-o pela fumaça do incenso escolhido enquanto diz:

“Pelo poder da Deusa e pelo e místico elemento Ar eu consagro e dedico este Cristal como instrumento mágico de cura.”

Coloque delicadamente o cristal no prato de areia, terra ou sal e diga:

“Pelo poder do Deus Cornífero e pelo antigo e místico elemento Terra eu consagro e dedico este Cristal como instrumento mágico de cura.”

Atire algumas gotas de água sobre o Cristal e diga:

“Pelo poder do Universo e pelo antigo e místico elemento Água eu consagro e dedico este Cristal como instrumento mágico de cura.”
Mova o Cristal de leste para oeste num círculo em torno da chama de cada vela, enquanto diz:

“Pelo poder do amor e pelo antigo e místico elemento Fogo eu consagro e dedico este Cristal como instrumento mágico de cura. Que este Cristal de poder trabalhe pelo meu bem e pelo bem de todos. Assim seja. “
Após ter realizado este ritual, coloque o Cristal entre as palmas das suas mãos para que se harmonize com sua aura e consciência Espiritual. Respire gentilmente sobre ele enquanto lhe dirige seus pensamentos e intenções. O Cristal imantado então responderá à energia da sua vontade.

Para energizar os cristais, devemos colocá-los , na terra por 24h, no sol e na lua por 48h (24hs em cada), na água por mais 24h e depois acender um incenso e passá-los pela fumaça. Todo este processo só é necessário ser feito pela primeira vez após a compra, para que as energias do local onde eles estavam sejam eliminadas, restando somente as suas energias, para a limpeza, pois após algum tempo eles ficam cheios de energia, basta colocá-los em uma vasilha com água e sal grosso de um dia para o outro.

Quais são as formas de uso de cristais e pedras

COMO UTILIZAR AS PEDRAS
Os cristais dentro de casa são utilizados como protetores de ambiente. Junto ao corpo protegem contra vibrações negativas ou para o bom andamento de um problema, para isso é necessário desenvolver a sensibilidade, mentalizar sensações positivas e manter uma relação de amizade com o cristal.
A troca de energias entre o cristal e a nossa mente produzirá a neutralização das vibrações negativas e nos auxiliará em nossas necessidades.

COMO CUIDAR DE SUAS PEDRAS
Anéis, pulseira ou colar com pedras deve-se lavar semanalmente em água corrente para tirar a oleosidade do corpo e ao mesmo tempo, livrar-se das influências negativas que a pedra retém.
Após alguma discussão em sua casa lave seus cristais e suas pedras em água corrente deixando-as ao sol para secar.
Assim que você adquirir uma pedra lapidada lave-as com sal para retirar a energia da pessoa que as lapidou.
Sempre que um estranho tocar na pedra, ela deverá ser lavada com água corrente e sal e deixa-la ao sol para secar.
Quando o cristal for utilizado como jóia, nunca deixe-o virado para baixo. Isso descarrega a energia de seu usuário.

PRINCIPAIS FORMAS DE USO DE PEDRAS E CRISTAIS

Os principais usos dos cristais são:

Cristal Pessoal
Selecione um cristal de terminação única (ponta) para ser seu cristal pessoal, aquele que você carrega consigo todo o tempo, usa em meditações, coloca à noite sobre sua mesa de cabeceira ou embaixo do travesseiro e que seria como o seu amigo mais íntimo e confidente. Para carregá-lo use um saquinho de couro, algodão, seda ou veludo


Cristais para Cura e Remédios
Selecione alguns cristais especificamente para este fim. Não use o seu cristal pessoal em outras pessoas, pois ele estará carregado com sua própria energia. Use os cristais de cura para equilibrar os chakras de uma outra pessoa, para aliviar dores ou energizar. Para isto, visualize luz branca e direcione a ponta do cristal para as partes do corpo da pessoa nas quais deseja trabalhar.


Pode-se ainda fazer remédios (elixires) com os cristais e pedras preciosas, energizando a água com eles, colocando-os em vidros com óleos de massagem, cremes hidratantes, colírios, etc.

Para energizar a água com cristais, proceda da seguinte maneira:
1. Limpe e energize a pedra a ser usada, de preferência pelo método da Selenita.

2. Lave bem, em água corrente, um recipiente de vidro incolor, liso e transparente, e coloque dentro dele água pura, de preferência destilada, ou água de fonte (pode-se usar água mineral sem gás engarrafada).

3. Coloque a pedra devidamente limpa e energizada no recipiente com água e deixe no sol para energizar durante um período mínimo de três horas, pela manhã. Proteja o recipiente com uma gaze para evitar a entrada de impurezas ou insetos.

4. Terminada a energização, tampe o recipiente com um pires e deixe-o sempre na temperatura ambiente (não coloque na geladeira).

5. Tome a água energizada, em pequenas doses, três a quatro vezes por dia.

6. Durante a preparação da água energizada, não esqueça de se envolver com luz branca e projetar essa mesma energia no recipiente com água, mentalizando sua força, a intenção clara e a ajuda de seus protetores e dos elementais responsáveis pela pedra.

7. Não energize a água com pedras e cristais de diferentes tipos. Separe um recipiente para cada tipo diferente de pedra.

 

Energização de Ambientes
Para purificação constante e energização de ambientes de trabalho, repouso, refeições, etc, o ideal é usar uma drusa de Cristal de Quartzo, num tamanho proporcional ao número de pessoas que freqüentam o ambiente (para um consultório pequeno por onde passem inúmeros clientes por dia, usar uma drusa grande; para um quarto de dormir bem grande freqüentado por uma ou duas pessoas, basta uma pequenina drusa).
Outro procedimento ideal para purificação e energização de ambientes é fazer aquários com várias pedras de cores diferentes, que também servem como elemento decorativo. Neste caso, quando sentir que a água está grossa, mais escura ou carregada, troque-a e lave as pedras em água corrente, recolocando-as no aquário com a água nova.
Use sua intuição para combinar as cores, mas é essencial que sempre haja um quartzo branco, que servirá como catalisador.

Uso com Plantas ou Animais
Para energizar plantas, coloque um cristal no vaso, enterrado junto à raiz da planta. Para animais domésticos, coloque um cristal onde o animal costuma dormir. NÃO USE ESSES CRISTAIS PARA OUTROS FINS.

Banhos
Quando tomar banho de imersão ou hidromassagem, coloque diversos cristais ou diferentes tipos de pedras na água. Isso terá efeitos magníficos.


CUIDANDO DOS CRISTAIS E PEDRAS

Os cristais gostam de ambientes limpos, iluminados e apreciam a presença de flores e incenso. A música suave reforça seu trabalho e sua energia. Se sentir necessidade, você pode preparar uma espécie de altar para seu cristal preferido, com flores, copos de água, velas, incenso e imagens de elementais (duendes, fadas, nereidas, gnomos, etc).
O poder dos cristais está diante de nós e não pode ser negado. Atualmente, eles são utilizados no mundo para muitas finalidades.


Até 1980, havia pouca informação no que concerne aos aspectos esotéricos e curativos dos cristais e ao seu uso remoto nas civilizações antigas. Atualmente, a informação disponível é abundante em todos os aspectos, das mais diferentes perspectivas sobre o poder, o potencial e o uso de cristais, para as milhares de pessoas que estão se sentindo instintivamente atraídas para seu uso, quer no desenvolvimento pessoal, quer nas práticas curativas.
Os cristais possuem, além da característica beleza de suas formas e cores e do imenso uso tecnológico dos dias atuais, um mistério que remota às civilizações antigas. Muitas tradições iniciáticas contam que o continente da Atlântida desapareceu nas águas do oceano devido ao uso incorreto dos cristais.


No Egito dos faraós, costumava-se cobrir as múmias das pessoas da aristocracia com pedras preciosas. Os antigos gregos conheciam o poder de regeneração dos cristais e os utilizavam em banhos de imersão. Acreditavam que agindo dessa maneira, conservariam a pele jovem por mais tempo.

Na Índia, os cristais sempre foram usados como talismã para combater o mau olhado e atrair saúde e prosperidade. E os maias, um dos povos mais evoluí- dos da América pré-colombiana, costumavam empregar os cristais no tratamento de doenças e nos rituais religiosos.
A cura pelos cristais é uma arte progressiva, que tem o potencial de obter uma cura completa, inclusive de ordem mental, emocional, física e espiritual. Praticar a cura pelos cristais é uma oportunidade de se fundir com Deus.
Os cristais e as pedras preciosas nos centros vitais do corpo refletem e produzem energia que inunda a aura de luz. Com a aura aberta e desobstruída, os centros dos chakras são ativados, possibilitando um contato consciente com os aspectos mais profundos e puros do ser.


A ORIGEM
Dizem os místicos que estudam a cristalomancia, que as pedras possuem uma afinidade com os seres humanos. Ambos surgiram da ação das forças cósmicas. No início dos tempos, água e pedra não estavam separadas. Com a evolução, o homem ganhou vida e passou a ter órgãos dos sentidos e a Terra, pedras preciosas.

Assim, como existem pessoas que possuem clarividência (vêem espíritos com a mesma nitidez com que enxergamos pessoas do nosso mundo) e clariaudição (dom de escutar vozes de espíritos), há pedras que vêem e pedras que ouvem. É com base nessa relação que as pedras podem nos curar e nos ajudar no dia a dia..( Fonte: www.guardioesdaluz.com.br)


O que são elixires de gemas?

Nos elixires de gemas, os níveis energéticos e campos de força atingem o seu mais alto grau quando sua diluição é agitada, liberando assim força vibracional característica de seu tipo em sua totalidade e os Elixires de cristais são essências vibracionais que atuam na mesma faixa das essências florais, e são uma ótima maneira de complementar as terapias convencionais. Preparados a partir de cristais, criam vibrações de saúde em diversos níveis, trazendo paz e harmonia à nossa aura, corpo, mente e alma. Ajudam no equilíbrio e na conscientização, colaborando para que possamos encontrar mais facilmente a resposta para os problemas que nos afligem. Também são ótimos para combater energias negativas, criando ao nosso redor uma forte aura de proteção. Além disso, são ótimos complementos para a terapia de vidas passadas, ajudando a acessar as lembranças e a limpar karmas passados.

O diagnóstico e a indicação das essências são feitos pelo próprio terapeuta, com a ajuda de um instrumento, que sãos as “cartas terapêuticas”, uma espécie de tarô, feito a partir das fotos da aura dos cristais. Estas cartas, retiradas pelo cliente, com a interpretação do terapeuta, ajudam na sintonização das essências que deverão compor a fórmula a ser tomada.

Uma vez que os cristais têm vibrações poderosas, é fácil transferir estas vibrações para água. Portanto, é possível fazer remédios usando isso os cristais. Os remédios de gemas, também conhecidos por elixires ou essências, podem ser ingeridos, a menos que a pedra seja tóxica. Por isso somente pode-se utilizar pedras roladas, pois qualquer pedra tóxica, quando rolada, tem seu efeito anulado, como por exemplo a malaquitta. As pedras em estado bruto libertam poeiras tóxicas. Também podem ser utilizados na pele, e colocados na água do banho. Remédio como o da turmalina negra, pode ser colocado num burrificador e pulverizado nos cômodos da casa, para afastar energias densas.

As pedras e cristais transmitem seus efeitos na água por muito dias, até duas semanas. Há várias formas de se fazer elixires. Essas indicação é bem eficaz.

Modalidade de cura utilizada por várias civilizações antigas, o tratamento com cristais já era empregado como técnica de transmissão da energia das pedras para o organismo humano Ainda pouco conhecida essa forma de tratamento, os Elixires de Cristais são fantásticos e de resultados rápidos tanto orgânica como emocional Produzem um efeito bastante semelhante aos das Essências Florais e têm a capacidade de amplificar as energias em nossa anatomia sutil, porém não contem a mesma quantidade de força vital que existe nas essências florais. As pedras preciosas e os cristais apresentam um notável arranjo molecular geometricamente simétrico.

 Tal simetria geométrica das estruturas cristalinas também está associada a singulares propriedades vibracionais, com específicas características de freqüência, que são transmitidas para a água durante o processo de captação de energia, através do método solar Trás uma estabilidade para as células e moléculas do corpo físico. Certos cristais apresentam uma ressonância (fenômeno físico em que se registra transferência de energia de um sistema oscilante para outro) de harmonia especial com pontos específicos da anatomia física humana.

Os elixires de cristais conseguem efetuar curas quando os padrões cristalinos armazenados no elixir são transferidos de forma ressonante para as estruturas biomoleculares existentes no corpo físico doente. À medida que a energia é transferida para o corpo, a estabilização provoca um aumento da organização celular, uma aceleração do processo de regeneração dos órgãos e uma transformação na saúde física.

Também afetam nossa dinâmica mente/espírito e quando atuam nesse nível, influenciam mais as estruturas da consciência do que a química molecular do corpo físico. Podem produzir poderosos efeitos sobre os meridianos da acupuntura, quando afetam meridianos específicos, suas influências energéticas tendem a espalhar-se para outros meridianos, através dos pontos de acupuntura terminais localizados nos dedos das mãos e dos pés, que segundo Kevin Ryerson (notável médium na área das informações técnicas de natureza psíquica, com atuação semelhante à de Edgar Cayce, outro notável médium). Também sobre os centros de forças: os chacras e os corpos sutis.

Ao modificar os elementos sutis que contribuem para a percepção consciente, resulta em alterações comportamentais. Dando a pessoa uma maior concentração para resolver seus problemas internos e suas tomadas de decisões.

Atuam mais perto do corpo físico do que a maioria das essências florais, mesmo assim os Elixires de Cristais conseguem operar em diversos níveis de consciência. Há uma consciência líquida tanto nos elixiris de cristais como nas essências florais. Ao fazermos uso deles, transforma-se em força evolutiva, podendo estimular a inspiração e a conseqüente alteração da consciência O que pude perceber ao utilizar os elixiris de cristais, pois podem ser utilizados conjuntamente com as essências florais é que, eles potencializam os efeitos das últimas. Parece que agem num desbloqueio físico mais denso, dando um centramento perceptível. Provavelmente, por suas estruturas cristalinas de rocha

Cristais + Água + Sol = Elixir de Cristais

A vibração dos cristais, potencializada com a ajuda da água e da luz solar, pode auxiliar você na cura de diversos males do corpo e da psique.

Para isto utilize uma jarra de vidro contendo água mineral, coloque as pedras e deixe num local que receba diretamente a luz solar, durante duas horas no período até o meio dia.

Em seguida deixe-a resfriar naturalmente. E passe a tomar dessa água.
Várias civilizações do Oriente, no Egito, Índia e China, já utilizavam tratamentos para saúde com elixires de cristais.
O Elixir de Cristais é preparado utilizando-se um recipiente transparente de vidro e cristais selecionados de acordo com suas propriedades para que a energia do Cristal impregne-se na água.
O Elixir de Cristais não é considerado um remédio e pode ser utilizado isoladamente ou associando-o  à Alopatia, Homeopatia ou qualquer outro processo terapêutico.
Sua atuação no organismo é basicamente um restaurador da energia vital, possibilitando a auto-recuperação e agindo no restauro do desgaste físico, mental e emocional.
Não há  contra-indicação na sua utilização, mas como a variedade de cristais é imensa, convém que se analise suas propriedades para que sua atuação seja mais específica.
O Elixir de Cristal é especialmente recomendado nos casos de ser necessário um desbloqueio energético ou ainda como fator de estabilização no caso de mudanças que estão momentaneamente abalando sua vida.
Para o caso de experiências traumáticas trabalha a aceitação e o equilíbrio energético necessário, mas a principal propriedade do Elixir de Cristal tem a ver com estabilidade.
Atua com muita eficácia no campo vibracional, por isso é recomendado para a limpeza energética de ambientes através de aspersão. Colocar na água do banho quando sentir-se carregada de vibrações energéticas negativas também é recomendável.
Existem duas formas de preparar o Elixir de Cristal. A primeira é um processo no qual se produz a água energizada através do método solar, para ser consumida ao natural. No livreto “Como preparar o Elixir de Cristais” que acompanha o kit de 09 pedras disponibilizado pela Krystalos, orientamos como prepará-lo utilizando-se esta técnica, que é a recomendada por nós para o consumo próprio do adquirente.


Qual o processo para manipulação de um elixir?

Ao longo do tempo, a humanidade sempre sonhou em produzir algum tipo de substância capaz de prolongar a vida indefinidamente. Existiram diversos estudiosos que passaram a vida em exaustivas pesquisas visando a obtenção e preservação da saúde e da eterna juventude. Os alquimistas foram os mais obcecados perseguidores de uma panacéia, uma cura para todos os males, que pudesse manter o corpo e a mente sempre jovens.

As pedras, antes da preparação da "Água de Pedra", como se fora um "floral de pedra", devem ser limpas e energizadas da forma normal que optou, usando-as depois num jarro de cristal com água pura de nascente, devendo ser levadas a lugares na natureza e deixar o vaso exposto ao Sol, todo o dia, com a boca tapada com uma rede (só para evitar a contaminação por insetos ou repteis) e deve ser levada depois para casa. Aqui está a “Água-tintura” base, a qual pode ser desdobrada para frascos de vidro e colocar 1/3 da água, juntando o restante de água mineral. Colocar ao Sol 3 horas ao nascer do Sol e usar em forma interna.

O elixir de cristais e pedras, como os remédios florais, vem se tornando cada dia mais popular no campo da terapia alternativa. Essas duas modalidades de terapias tratam os aspectos mais sutis (vibracionais) do ser humano. Esses aspectos incluem a mente e seus padrões de pensamento, todo o leque de emoções humanas e nossa essência espiritual.

  Sabemos dos efeitos que os pensamentos e emoções exercem sobre o organismo físico. Com a terapia vibracional podemos curar a raiz dos problemas que se manifestam no corpo denso.

  Para fazer os elixires apropriados a cada um dos sete principais chakras, escolha com carinho seu conjunto de pedras. Limpe e programe-as antes de usar colocari uma pequena drusa de cristal de rocha no interior do pote de água. Uso a água assim vitalizada como uma medida preventiva contra a doença.
Este método é o mais simples de todos e nem por isso menos eficaz. O cristal torna a água mais pura e carregada de energia servindo não só para a cura como também para a manutenção da saúde em geral.
Tome um copo desta água pela manhã para manter limpo o corpo de toxinas. Desfrute de intensa vitalidade e bem-estar.

ELIXIR DE CRISTAL
1- Utiliza-se um jarro transparente, sem cor e sem formas nem ângulos.
2- Coloca-se neste jarro água pura, de fonte mineral.
3- Limpa-se a pedra a ser utilizada (física e energeticamente).
4- Coloca-se a pedra no jarro, de manhã cedo, num lugar onde bata bastante sol, durante três horas. Se o sol estiver fraco pode-se deixar o jarro exposto por seis horas.
5- É importante cobrir esse jarro com uma gaze para que não caiam impurezas.
6- Toma-se a água, na dosagem de um copo por dia.
7- As pedras deverão ficar no jarro enquanto houver água e quando esta estiver faltando apenas dois dedos para terminar, acrescentar mais água.
8- O ideal é manter esse elixir por um mês,no máximo dois e depois preparar um novo, se houver necessidade.
9- O elixir deve ser feito apenas com pedra rolada!

Elixir de Cristais:

Mergulhe um cristal em uma jarra de vidro com água filtrada e ou de fonte, comprada em qualquer supermercado. Cubra a jarra para evitar que suje a água. Deixe assim por uma noite. Depois guarde-a na geladeira.
Lembre-se de limpar bem a pedra antes de usá-la. Lave-a e depois mergulhe em uma solução de água e sal marinho para limpá-la completamente. Se quiser, poderá programar a pedra para um determinado propósito, o que irá acentuar o poder curativo da água. Às vezes poderá mesmo sentir o gosto da diferença.

Outra técnica, também muito simples, consiste em colocar o cristal numa jarra (de cristal ou vidro transparente) com água filtrada ou de fonte e deixá-la exposta ao sol por uma manhã. Lembre-se de cobrir a jarra para evitar que caia alguma sujeira. Depois, guarde-a na geladeira.

As duas técnicas resultam no mesmo, portanto fica a seu cargo como vai compor seu elixir. Sempre faça o que der mais certo para você. Nossos organismos são diferentes uns dos outros por isso é previsível e natural que um método seja mais adequado que o outro para pessoas diferentes.

Em caso de doença mais aguda, tome um copo dessa água na primeira hora e depois alguns goles de quinze em quinze minutos até que se sinta melhor. Em caso de doença crônica, tome um copo pela manhã e outro à noite pelo tempo necessário.

Se quiser, poderá colocar numa mesma água várias pedras para um problema específico. Se usar várias pedras para problemas diferentes, coloque-as em diversos recipientes e rotule-os para saber exatamente o que contêm. Se não souber quais pedras usar, a ametista é excelente para qualquer tipo de cura, mas se achar que precisa de mais energia, escolha o cristal branco de quartzo.

Esta forma de terapia tem um lugar de destaque entre os inúmeros sistemas de cura. Com o elixir de cristais chegamos, de forma sutil, à raiz do problema e as propriedades curativas das pedras alcançam os corpos físico, mental e emocional. As energias das pedras trabalham no sentido de dissolver os bloqueios que promovem os problemas emocionais e impedem o crescimento pessoal e o desenvolvimento espiritual.

PEDRAS E CRISTAIS DO EQUILÍBRIO

    O elixir de cristais e pedras, como os remédios florais, vem se tornando cada dia mais popular no campo da terapia alternativa. Essas duas modalidades de terapias tratam os aspectos mais sutis (vibracionais) do ser humano. Esses aspectos incluem a mente e seus padrões de pensamento, todo o leque de emoções humanas e nossa essência espiritual.

   Sabemos dos efeitos que os pensamentos e emoções exercem sobre o organismo físico. Com a terapia vibracional podemos curar a raiz dos problemas que se manifestam no corpo denso.

PROGRAMA PARA O EQUILIBRIO DOS CHAKRAS

   Para fazer os elixires apropriados a cada um dos sete principais chakras, escolha com carinho seu conjunto de pedras. Limpe e programe-as antes de usar.

   Se já sabe alguma coisa sobre cristais e pedras, escolha as pedras apropriadas a cada chakra. A seguir sugiro um conjunto de pedras, caso você prefira.

   Use um quartzo enfumaçado para o primeiro chakra, uma cornalina para o segundo chakra, uma citrina para o terceiro chakra, um quartzo rosa para o quarto chakra, uma sodalita para o quinto chakra, uma ametista para o sexto chakra e um quartzo claro para o sétimo chakra.

   Este programa de equilíbrio dos chakras através dos elixires dura 21 dias. Para cada chakra, um cristal e um elixir. Cada elixir deverá ser tomado por três dias.

   Durante este período fique atento aos seus sonhos e aos assuntos associados com o chakra que você está trabalhando.  Após os 21 dias, caso sinta necessidade, repita o processo para o chakra, ou chakras, que você sente que mais precisam de equilíbrio.

   É aconselhável repetir todo o programa a cada três meses.

Descobriram que tudo vibra em ciclos intermináveis, movidos pela força de uma Essência Cósmica Criadora Única. Sabiamente, perceberam que há vida em tudo; inclusive nos minerais. E a ciência veio provar esta realidade, já que a experiência mostrou que nada está parado.

Tudo é energia em movimento. Um corpo metálico inerte se mantém em sua forma graças à misteriosa corrente energética que pulsa incessantemente em seus átomos. Noutras palavras; a matéria nada mais é do que uma forma de energia condensada, ativa e dinâmica. Os átomos que compõem um pedaço de ouro são gerados originalmente pelos mesmos componentes que formam um bloco de pedra, diferenciando apenas pela freqüência das vibrações e pelo número de prótons e elétrons girando em torno de um núcleo.

Olhando apenas sob este ângulo mais simplório explicado pela ciência tradicional, já poderíamos concluir que é possível a transmutação dos metais pregados pela Alquimia, mesmo em seu aspecto mais grosseiro. Bastaria apenas gerar um mecanismo que tornasse possível alterar as freqüências de vibração dos elementos atômicos. No entanto, a Essência Cósmica Criadora nos fornece outros mecanismos muito mais simples para transmutar os mistos e realizar a mais sublime e verdadeira operação alquímica: a "Alquimia Espiritual".

Como vemos; a matéria pode até ser alterada por manipulação mas isso tem a probabilidade de se tornar aberração diante da harmonia cósmica. Quem no entanto buscar a transmutação dos elementos físicos e abstratos em sua essência criadora interna, gera e chama à existência as coisas que ainda não existiam.
A sabedoria nos ensina que a verdadeira transformação só é verdadeira e eficaz quando realizada na origem. Ora; a origem de tudo é o mundo espiritual. Alterando as condições ali, o mundo material refletirá uma reação diretamente proporcional. O ouro material é o reflexo mais condensado do ouro espiritual. Da mesma forma, a saúde é um reflexo da harmonia interna do indivíduo a transmutação dos metais inferiores ao ouro, o outro a obtenção do Elixir da Longa Vida, um remédio que curaria todas as doenças e daria vida longa àqueles que o ingerissem Os alquimistas acreditavam que o mundo material é composto por matéria-prima sob várias formas, as primeiras dessas formas eram os quatro elementos (água, fogo, terra e ar), divididos em duas qualidades: Úmido (que trabalhava principalmente com o orvalho), Seco, Frio ou Quente. As qualidades dos elementos e suas eminentes proporções determinavam a forma de um objeto, por isso, os alquimistas acreditavam ser possível a transmutação: transformar uma forma ou matéria em outra alterando as proporções dos elementos através dos processos de destilação, combustão, aquecimento e evaporação.

O Elixir de Cristais é preparado utilizando-se um recipiente transparente de vidro e cristais selecionados de acordo com suas propriedades para que a energia do Cristal impregne-se na água.

O Elixir de Cristais não é considerado um remédio e pode ser utilizado isoladamente ou associando-o  à Alopatia, Homeopatia ou qualquer outro processo terapêutico.

Sua atuação no organismo é basicamente um restaurador da energia vital, possibilitando a auto-recuperação e agindo no restauro do desgaste físico, mental e emocional.

Não há  contra-indicação na sua utilização, mas como a variedade de cristais é imensa, convém que se analise suas propriedades para que sua atuação seja mais específica.

O Elixir de Cristal é especialmente recomendado nos casos de ser necessário um desbloqueio energético ou ainda como fator de estabilização no caso de mudanças que estão momentaneamente abalando sua vida.

Para o caso de experiências traumáticas trabalha a aceitação e o equilíbrio energético necessário, mas a principal propriedade do Elixir de Cristal tem a ver com estabilidade.

Atua com muita eficácia no campo vibracional, por isso é recomendado para a limpeza energética de ambientes através de aspersão. Colocar na água do banho quando sentir-se carregada de vibrações energéticas negativas também é recomendável.

Existem duas formas de preparar o Elixir de Cristal. A primeira é um processo no qual se produz a água energizada através do método solar, para ser consumida ao natural. No livreto “Como preparar o Elixir de Cristais” que acompanha o kit de 09 pedras disponibilizado pela Krystalos, orientamos como prepará-lo utilizando-se esta técnica, que é a recomendada por nós para o consumo próprio do adquirente.

A segunda técnica é a preparação de tintura, nos moldes de como são preparados os Florais. Consideramos esta técnica mais apropriada para a comercialização, quando então deverá ser preservado com um conservante, no caso álcool de cereais ou brandy.

A segunda técnica é a preparação de tintura, nos moldes de como são preparados os Florais. Consideramos esta técnica mais apropriada para a comercialização, quando então deverá ser preservado com um conservante, no caso álcool de cereais ou brandy.


Como os cristais e as pedras se classificam?

São classificadas em físicas, energéticas, químicas e terapêuticas.Quanto a classificação física, tamanho, transparência e inclusões.
Os cristais, em particular, têm uma grande ressonância com o coração da humanidade. Os cristais e pedras são parte da Mãe Terra, como vocês são parte da Mãe Terra. Assim, é natural que os seres humanos tenham a mesma essência que os cristais, pois ambos vêm da mesma fonte. Como a humanidade pode ser exposta à energia negativa, os cristais também podem ser expostos à energia negativa e assim como os seres humanos são afetados pela energia que eles captam, os cristais também emitem a energia que eles captam

A Classificação dos Cristais
No reino dos cristais existem sete famílias ou sistemas. Cada um deles toma o nome da sua forma tipo, a saber: cúbico ou isométrico (cubo - fluorita); quadrático ou tetragonal (prisma retode base quadrada - wulfenita); ortorrômbico (paralelepípedo retângulo - topázio); hexagonal prisma reto de base losangular tendo um ângulo de 120 graus - esmeralda, berilo);
romboédrico ou trigonal (de três faces, como o quartzo); monoclínico ou clinorrômbico (prisma oblíquo de base losangular - azurita); e triclínico (paralelepípedo de base losangular - amazonita).

Cristalografia e sistemas cristalográficos
Cristalografia é a ciência que estuda a estrutura e as propriedades dos corpos cristalinos.

As leis mais gerais da cristalografia são:
(1) lei da constância dos diedros, segundo a qual o ângulo formado por duas faces de um cristal tem valor constante, independentemente do tamanho e da regularidade que esse cristal apresente;
(2) lei da simetria, segundo a simetria entre os elementos homólogos de um cristal - faces, arestas ou vértices - se mantém invariável quando esses elementos sofrem modificação simultânea e de mesma natureza. Se, numa estrutura cristalina, um dos prismas apresenta uma aresta biselada, também estarão assim as restantes.
Em função das características que se verificam em cada malha, estabeleceram-se sete sistemas cristalográficos diferentes, cada um dos quais se distingue por apresentar os mesmos elementos de simetria, sejam estes eixos, planos ou centros. Todo cristal em estado natural pode ser enquadrado num desses sistemas, dos quais os três últimos incluem formas geométricas complexas.

Sistema cúbico
No sistema isométrico, regular ou cúbico, a unidade fundamental é o cubo ou hexaedro, sólido de seis faces quadradas. Nesse mesmo sistema aparecem cristais em forma de octaedro, com oito faces triangulares; de tetraexaedro, com 24 faces triangulares; de tetraedro, com quatro faces triangulares etc. Cristalizam nesse sistema, entre outros minerais, a pirita e a magnetita, que contêm ferro; a cuprita, minério de cobre; a galena, de chumbo; a blenda, de zinco; o cloreto de sódio, ou sal de cozinha etc.

Sistema hexagonal
A unidade básica do sistema hexagonal é o prisma de seis faces retangulares com duas bases hexagonais, mas ele pode apresentar cristais sob a forma de outros sólidos geométricos, como o romboedro, de seis faces rômbicas. São assim os cristais de quartzo; o coríndon, que contém alumínio e do qual algumas variedades constituem o rubi e a safira; o cinábrio, minério de mercúrio etc.

Sistema tetragonal
A bipirâmide de base quadrada é a unidade básica do sistema tetragonal, a que pertence a cassiterita, minério de estanho.

Sistema ortorrômbico
No sistema ortorrômbico ou binário, que tem como unidade básica o prisma de base retangular, ocorre a cristalização de alguns minérios de enxofre.

Sistema trigonal
Os cristais de calcita, que contêm cálcio, se enquadram no sistema romboédrico ou trigonal.

Sistema monoclínico
No sistema monoclínico cristalizam as combinações de cobre, malaquita e azurita.

Sistema triclínico
A amazonita e a rodonita, minérios que contêm, respectivamente, alumínio e manganês, cristalizam no sistema triclínico.

Os cristais não devem ser considerados como meros sólidos geométricos. Não obstante a importância da forma poliédrica externa, ela é insuficiente para definir o cristal. Mais importante é a estrutura interna, ou seja, a disposição regular das partículas que constituem o cristal.

Encontrados na natureza em grupos, os cristais podem assumir formas de grande beleza e aparência singular. Entre esses conjuntos contam-se os geodos, típicos do quartzo, cujos cristais se aglomeram no interior de uma rocha ou numa cavidade; as drusas, que se estendem por superfícies mais ou menos planas; os dendritos, agrupamentos de aspecto arborescente; e as maclas, em que aparecem dois ou mais cristais unidos e imbricados total ou parcialmente, caso que se manifesta de modo especial no gesso, na pirita e no quartzo.

Considerando sua forma física - tamanho, transparência, inclusões - Antonio Duncan, no livro ABC dos Cristais (ed. Nórdica), apresenta uma classificação energético-mística mais definida, dividindo os cristais em:

Geradores - São os mais comuns e possuem uma única terminação e uma base. Como sua função é gerar força cósmica, eles têm que ser geometricamente perfeitos.

Biterminados - Destituídos de base, possuem terminação dupla, através da qual projetam a energia que se concentra no meio do seu corpo. São empregados na transmissão e recepção simultânea de energia entre dois pontos (chakras, pessoas, etc).

Drusas ou Aglomerados - Ideais para energização e purificação de ambientes, bem como para limpeza e recarga de cristais menores, são formações que compreendem vários cristais de terminação única compartilhando a mesma base.

Arquivistas - Considerados muito especiais, trazem símbolos gravados ou riscados em uma ou mais de suas faces - em geral pequenos triângulos ou espirais. Arquivam informações transmitidas energeticamente ou no nível da memória subconsciente. Ideais para meditação, não devem ser vistos nem tocados por outra pessoa.

Arco-íris - Quando bem iluminado, podemos ver em seu interior pequenos arco-íris. São indicados para trabalhar sentimentos de tristeza, melancolia e depressão.

Tabulares - Difíceis de serem encontrados, possuem dois dos lados opostos maiores e mais largos, o que torna o cristal achatado. Em geral são biterminados, têm vibração alta e freqüência energética diferente da dos outros cristais, permitindo o estabelecimento de um elo profundo entre o indivíduo e o seu eu superior.

Esferas ou Bolas de Cristal - São excelentes instrumentos de meditação e clarividência, com lapidações especiais que distribuem a energia de forma homogênea.

E são divido em sete sistemas de simetria
Isométrico ou cúbico- cubo-fluorita
Tetragonal- ou quadrático- prismo reto de base quadrada- wulfewnita
Ortorrômbico- parapepepípedo retângulo – topázio
Hexagonal- prisma reto de base losangular tendo um ângulo de 120 graus esmeralda berito
Romboédrico ou tigonal- de três faces quartzo
Monoclínico ou clinorrômbico – prisma oblíquo de base losangular – azurita
Triclímico- paralelepípedo de base losangular- amazomita

A CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO A COR
Na Antigüidade acreditava-se que o cristal de rocha era um gelo eterno (do grego krystallos: gelo).

As rochas podem ser classificadas quanto à presença de minerais claros ou escuros em leucocráticas, melanocráticas e mesocráticas.

LEUCOCRÁTICAS: são rochas que predominam minerais de cor clara (quartzo, feldspatos, feldspatóides e micas moscovita);

MELANOCRÁTICAS: são rochas em que predominam minerais de cor escura (mica biotita, piroxênios, anfibólios e peridotos);

MESOCRÁTICAS: rochas em que não há o predomínio de minerais claros ou escuros. 


OS TIPOS DE ROCHAS (PETROLOGIA)
Porque os elixires de gema são efetivos?

A Medicina vibracional traz em seu bojo o postulado de que o homem é o único responsável pela sua saúde e bem-estar, e que não existe a "solução mágica" para a doença. A doença é encarada como um desequilíbrio do sistema energético, e a compreensão do funcionamento energético humano passa a ser importante para a compreensão da doença. Inversamente, a compreensão da estrutura de caráter poderia levar à doença, isto é, à compreensão dela, suas circunstâncias e sua cura.

No universo científico, a palavra “energia” é usada para explicar as “manifestações” como a eletricidade, o magnetismo e outras, mas não há explicação do que ela é, isto é, de sua essência. E isso ocorre porque a energia é um processo que não pode ser explicado pelo conteúdo. A “matéria energética” não é uma substância.

Elixires de cristais são essências vibracionais que atuam na mesma faixa das essências florais, e são uma ótima maneira de complementar as terapias convencionais. Preparados a partir de cristais, criam vibrações de saúde em diversos níveis, trazendo paz e harmonia à nossa aura, corpo, mente e alma. Ajudam no equilíbrio e na conscientização, colaborando para que possamos encontrar mais facilmente a resposta para os problemas que nos afligem. Também são ótimos para combater energias negativas, criando ao nosso redor uma forte aura de proteção. Além disso, são ótimos complementos para a terapia de vidas passadas, ajudando a acessar as lembranças e a limpar karmas passados.

O diagnóstico e a indicação das essências são feitos pelo próprio terapeuta, com a ajuda de um instrumento, que sãos as “cartas terapêuticas”, uma espécie de tarô, feito a partir das fotos da aura dos cristais. Estas cartas, retiradas pelo cliente, com a interpretação do terapeuta, ajudam na sintonização das essências que deverão compor a fórmula a ser tomada.

Funções especiais dos Elixires de Cristais

. Desbloqueia padrões mentais/emocionais cristalizados, permitindo-nos maior clareza.
. Neutralizar os efeitos colaterais ou tóxicos dos medicamentos químicos. Existem essências de cristais que tem como função neutralizar parcial ou completamente esses efeitos indesejáveis.

. Proporcionar à pessoa condições para responder prontamente a qualquer tratamento alopático, permitindo  uma recuperação mais rápida e eficaz.

. Facilita o acesso ao contato com nosso Espírito, Eu Superior, Sabedoria Divina, resgatando nossa capacidade de cura e reequilíbrio.

. Em estado de equilíbrio temos muito mais condições de captar naturalmente a Sabedoria do que podemos perceber conscientemente e a proteção física e espiritual se faz presente de uma maneira natural e constante.

Quando Usar os Elixires de Cristais
Dar apoio nas mudanças da vida:
Em primeiro lugar, para provocar mudanças, através dos diferentes tipos de desbloqueio que eles promovem.
No entanto, em situações em que a pessoa tem sua estabilidade comprometida por mudança de emprego, de casa, de status, problemas familiares, etc., o ideal é começar a estabilização através dos Elixires de Cristais e depois passar para fórmulas compostas de essências minerais e florais. Com isso, após ter dado a base, o chão, o terapeuta pode conduzir o indivíduo a uma expansão da consciência, buscando as causas, a origem do desbloqueio, para alicerçar a nova base a ser construída.

As pessoas têm uma grande resistência em enfrentar as mudanças – na verdade, sempre espera que a mudança ocorra no outro. No entanto, a renovação de atitudes é exigida de cada um e apenas ela corrige os desvios daquilo que precisa ser mudado e permitir que esse processo se dê de forma suave.

Para quem acaba de passar por grandes mudanças na vida e precisa reavaliar o que aprendeu dessa experiência, até para fazer diferente aquilo que não deu certo antes, eles prestam auxílio inestimável. Aqui, a quebra dos padrões de rigidez se torna questão vital e os elixires são preciosos ajudantes nesse processo de mudança.

O que é composição química dos cristais e pedras?
Os cristais e pedras, tanto brutos como lapidados, agem doando e absorvendo energias.
Os cristais amplificam as energias (tanto que são usadas até na técnica das transmissões), além de conter na forma mais pura as cores que são necessárias para nosso equilíbrio físico, biológico e espiritual.

Todos nós temos energias e podemos transmiti-las para outros ou absorvê-las. Os cristais nos ajudam nisso, dimensionando-as e ampliando-as.

A maioria das teorias sobre a cura pelas pedras é de religiosos medievais como o monge Marbodius (1037-1125) e S. Alberto Magno (1193-1280). Sendo bispos, viveram parte de suas vidas em retiro estudando a ecologia. Suas observações sobre as diferentes terapias são na maioria associadas a outros assuntos. As pedras são destinadas à cura de determinados estados psicológicos ou condições psicossomáticas influenciadas pela mente. Visto serem pedras capazes de produzir uma espécie de estado hipnótico de acordo com a sua beleza, conclui-se que seus efeitos medicinais atuam em  nível psíquico desde que estimulados pela imaginação, e físico sobre a ação fisiológica concreta.

Os minerais apresentam propriedades físicas, químicas e ópticas que permitem fazer a sua caracterização e identificação.

De entre as propriedades físicas destacamos a dureza, cor, cor da risca, transparência e o brilho. A dureza é, por definição, a resistência que um mineral oferece à risca provocada por uma ação mecânica externa. Na prática mineralógica utilizam-se escalas de dureza relativas, representadas por determinados minerais. A mais comum é a escala de Mohs, que contem 10 graus e é composta unicamente por minerais de risca branca. Os minerais estão ordenados segundo o seu grau de dureza, do menos ao mais duro e do seguinte modo: 1-talco, 2-gesso, 3-calcite, 4-fluorite, 5-apatite, 6-ortóclase, 7-quartzo, 8-topázio, 9-corindon, 10-diamante.

Exemplificando, um mineral terá uma dureza aproximada de 8½ se risca o topázio mas é riscado pelo corindon
As propriedades químicas dos minerais estão estreitamente relacionadas, como é óbvio, com a sua composição química, com a natureza dos átomos e iões que os constituem. Mas dependem também, tal como as propriedades físicas, da sua estrutura, isto é, do arranjo das partículas elementares.

As características das ligações interatómicas nos minerais são tais que podemos considerar uma estrutura como uma associação de esferas cujas dimensões são definidas pelo raio iónico do átomo. Os catiões, as esferas mais pequenas, seriam cercadas por aniões, as esferas maiores. A associação catião mais anião forma, deste modo, um poliedro de coordenação.

Os poliedros de coordenação necessitam de uma neutralidade eléctrica. De acordo com este modelo, poderíamos pensar que a cada mineral corresponderia uma única estrutura e uma única composição química, expressa por uma fórmula química perfeitamente definida. Acontece que a maioria dos minerais de igual composição química pertence a uma única classe de simetria e a um único sistema cristalino. Porém, as exceções são muitas devido, fundamentalmente, às diferentes condições de pressão e temperatura em que se formam os minerais. Assim sendo e a título de exemplo vejamos o caso de um mineral chamado olivina. A sua composição química é (Fe, Mg)2(SiO4). Isto explica que o ferro (Fe) e o magnésio (Mg) são miscíveis em todas as proporções, logo a composição química da olivina não é definida. Quando se dá a substituição total do ferro pelo magnésio, passamos a ter a forsterite Mg2(SiO4) com composição química definida, no caso inverso temos a fayalite Fe2(SiO4). Entre estes dois pólos todas as composições intermédias podem existir, mantendo-se a estrutura. Estamos perante um caso de isomorfismo. Podemos, então, dizer que dois elementos são isomorfos, caso do Fe e do Mg, se podem substituir-se mutuamente dentro da mesma estrutura. Como a estrutura não se altera, as substâncias isomorfas apresentam forma cristalina muito semelhante, independentemente, da sua natureza química.

O grupo dos silicatos é de longe o maior grupo de minerais, sendo compostos principalmente por silício e oxigénio, com a adição de catiões como o magnésio, o ferro e o cálcio. Alguns dos mais importantes silicatos constituintes de rochas comuns são o feldspato, o quartzo, as olivinas, as piroxenas, as granadas e as micas.
O grupo dos carbonatos é composto de minerais contendo o anião (CO3)2- e inclui a calcite e a aragonita (carbonatos de cálcio), a dolomita (carbonato de magnésio e cálcio) e a siderita (carbonato de ferro). Os carbonatos são geralmente depositados em ambientes marinhos pouco profundos, com águas límpidas e quentes, como por exemplo em mares tropicais e subtropicais. Os carbonatos encontram-se também em rochas formadas por evaporação de águas pouco profundas (os evaporitos, como por exemplo os existentes no Great Salt Lake, Utah) e em ambientes de karst, isto é regiões onde a dissolução e a precipitação dos carbonatos conduziu à formação de cavernas com estalactites e estalagmites. A classe dos carbonatos inclui ainda os minerais de boratos e nitratos.

Todos os sulfatos contém o anião sulfato na forma SO4. Os sulfatos formam-se geralmente em ambientes evaporíticos, onde águas de alta salinidade são lentamente evaporadas, permitindo a formação de sulfatos e de halóides na interface entre a água e o sedimento. Também ocorrem em sistemas de veios hidrotermais sob a forma de minerais constituintes da ganga associada a minérios de sulfetos. Os sulfatos mais comuns são a anidrita (sulfato de cálcio), a celestita (sulfato de estrôncio) e o gesso (sulfato hidratado de cálcio). Nesta classe incluem-se também os minerais de cromatos, molibdatos, selenatos, sulfetos, teluratos e tungstatos.

O grupo dos halóides é constituído pelos minerais que formam os sais naturais, incluindo a fluorite, a halite (sal comum) e o sal amoníaco (cloreto de amónia). Os halóides, como os sulfatos, são encontrados geralmente em ambientes evaporíticos, tais como lagos do tipo playa e mares fechados (por exemplo nas margens do Mar Morto). Inclui os minerais de fluoretos, cloretos e iodetos.

Os óxidos constituem um dos grupos mais importantes de minerais por formarem minérios dos quais podem ser extraídos metais. Ocorrem geralmente como precipitados em depósitos sitos próximo da superfície, como produtos de oxidação de outros minerais situados na zona de alteração cerca da superfície ou ainda como minerais acessórios das rochas ígneas da crusta e do manto. Os óxidos mais comuns incluem a hematite (óxido de ferro), a espinela (óxido de alumínio e magnésio, um componente comum do manto) e o gelo (de água, ou seja óxido de hidrogénio). São também incluídos nesta classe os minerais de hidróxidos.

Muitos sulfetos são também economicamente importantes como minérios metálicos, incluindo-se entre os mais comuns a calcopirita (sulfeto de cobre e ferro) e a galena (sulfeto de chumbo). A classe dos sulfetos também inclui os minerais de selenetos, teluretos, arsenietos, antimonetos, os bismutinetos e ainda os sulfossais.
O grupo dos fosfatos inclui todos os minerais com uma unidade tetraédrica de AO4 onde A pode ser fósforo, antimónio, arsénio ou vanádio. O fosfato mais comum é a apatite, a qual constitui um importante mineral biológico, encontrado nos dentes e nos ossos de muitos animais. Esta classe inclui os minerais de fosfatos, vanadatos, arseniatos e antimonatos.

O grupo dos elementos nativos inclui os metais e amálgamas intermetálicas (como as de ouro, prata e cobre), semi-metais e não-metais (antimónio, bismuto, grafite e enxofre). Este grupo inclui também ligas naturais, como o electrum (uma liga natural de ouro e prata), fosfinos (hidretos de fósforo), nitritos e carbetos (que geralmente são só encontrados em alguns raros meteoritos).

Vejamos, ainda, outra situação de exceção, embora haja muitas mais. O diamante é constituído, quimicamente, só por átomos de carbono (C); outra espécie mineral, a grafite, é igualmente constituída só por átomos de carbono (C). Embora constituídos pela mesma substância química, o carbono, estas duas espécies minerais assumem, ao cristalizar em condições físico-químicas específicas, formas cristalinas muito diversas, com graus de simetria diferentes. Enquanto o diamante cristaliza no sistema cúbico, a grafite cristaliza no sistema hexagonal. Dizemos que estes dois compostos são polimorfos, porque sendo quimicamente idênticos têm simetria diferente. Entre as referidas condições físico-químicas específicas, a temperatura tem uma importância primacial. Por exemplo, se cristais de diamante forem aquecidos a uma temperatura superior a 1500o C, à pressão normal e no vazio, dar-se-á uma transformação lenta da sua rede cristalina na rede cristalina da grafite. A 1900o C, essa transformação duma rede cristalina na outra é rápida. Isto apenas tem interesse acadêmico, já que não existe motivo algum para transformar uma pedra preciosa como o diamante num material muito mais barato e abundante como a grafite.

A ocorrência de espécies minerais com formas cristalinas próprias de outras é um fenômeno relativamente vulgar na Natureza e tem o nome de pseudomorfismo. Neste caso os minerais apresentam falsas-formas. As pseudomorfoses podem ter gêneses variadas.


O poder transformador das Gemas, minerais e pedras.
ÁGATAS – Encontradas em várias cores. Têm grande poder de cura, trabalha com os chacras e age conforme a cor. Em crianças é usada como proteção. Tonifica e revigora o corpo. Ajuda a despertar e abrir o seu interior. Energia: várias. Planeta: Mercúrio. Signo: Gêmeos e Virgem. Elementos: vários. Objetivos: vigor, coragem, longevidade, amor , cura e proteção. Chacras: vários. O louco ÁGATA DE BOTSWANA – Recomendada para bombeiros e pessoas fumantes. Boa para o sistema circulatório, pele, pulmões e cérebro. Equilibra o corpo emocional. ÁGATA DE FOGO – Cura principal: influência todo sistema endócrino. Estimula as células da memória. Racionaliza e conduz à harmonia. Energia: projetiva. Elemento: fogo. ÁGATA MUSGO – Tem uma forte afinidade com o signo de gêmeos. Equilibra conflitos entre os lados esquerdo e direito do cérebro. Alivia a depressão. Ajuda a harmonizar com natureza. Tem um forte impacto sobre sinusite. Energia: receptiva. Elemento: terra. ÁGATA NEGRA – Proteção. Usada para encorajar a Ter sucesso em competições. Energia: projetiva. Elemento: Fogo. Chacra: básico. ÁGATA AZUL – Paz e felicidade. Alivia "stress" e brigas de família. Energia: receptiva. Elemento: água. Chacra: laríngeo. ÁGATA BRANCA E PRETA – Proteção contra perigos físicos. Energia: receptiva. Elemento: Terra. Chacra: básico.

ÁGUA MARINHA – Aumenta o poder psíquico. Suaviza e acalma os problemas emocionais. Traz paz, alegria e felicidade especialmente nos relacionamentos. Reduz os temores. Energia: respectiva. Planeta: Lua. Signo: Objetivo: paz, coragem, purificação do psiquismo. Chacras: laríngeo, plexo solar. Tarot: O Enforcado.

ALBITA – Alivia a pressão. Estimulador do sistema imunológico e respiratório. Diminui estados de stress mental, fortalece o baço e o timo

ALEXANDRITA – Cria um estado emocional mais equilibrado, cura doenças do sistema nervoso central, leucemia e problemas são aliviados. Energia: projetiva e receptiva. Objetivo: sorte, amor. Chacra: esplênico.

AMAZONITA – Cor verde azulada. Alinha os corpos elétrico e mental. Revigora todos meridianos. Atrai dinheiro. Assegura sucesso. Traz alegria, acalma o sistema nervoso. Amplia os pensamentos. Energia: receptiva. Planeta: Urano. Elemento: terra. Objetivo: sucesso e dinheiro. Chacras: laríngeo.

ÂMBAR – Não é uma pedra, mas uma resina fossilizada proveniente de antigos pinheiros. Estabiliza e desperta a kundaline. Aumenta a beleza natural, estimula a felicidade e traz amigos para os solitários. Um colar em volta do pescoço protege a saúde. Ajuda contra a perda de memória, dificuldade para tomar decisões, ansiedade e comportamento excêntrico. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Signo: Leão. Elemento: fogo, éter. Objetivo: proteção, sorte, beleza, amor, cura, vigor. Chacras: esplênico, plexo solar. Tarot: A Morte.

AMETISTA – Quartzo púrpura. Ajuda a dormir, pedra da paz, transformação e sabedoria. Auxilia no alívio do "stress" e dos medos. Eleva o espírito e promove espiritualidade. Ajuda a controlar os vícios e maus hábitos. Eleva a meditação, a generosidade e a consciência de Deus. Poderosa cura, especialmente para os olhos, pele, cérebro, sistema imunológico. Energia: receptiva. Planeta: Júpiter, Netuno. Signo: Sagitário, Peixes. Elemento: água. Objetivo: coragem, sonho, cura, paz, psiquismo. Chacra: coronário, frontal (terceiro olho), laríngeo. Tarot: A Temperança.

CALCITAS – Ampliadores de pensamentos, aumenta a capacidade mental para projeção astral. Estimula os rins para melhor eliminar as toxinas do corpo. Alivia o medo. Energia: receptiva (exceto cor laranja). Planeta; vários. Elemento: vários. Objetivo: clareza mental, calma, centralização de dinheiro e proteção. CLARA – Usada para concentrar durante a meditação . Planeta: Lua. Elemento: água. COR-DE-ROSA – Calmante, concentração e ajuda. AZUL – Pedra de cura. Usar durante as horas de purificação. Planeta: Vênus. Energia: prospectiva. Elemento: terra. LARANJA – protege e dá energia para o corpo quando segurada. Energia:
projetiva: Planeta: Sol. Elemento: fogo. Chacra: esplênico.

CITRINO – É uma forma de quartzo. Boa para desintoxicar o intestino. Amplia o pensamento, pode ser usada na meditação para rejuvenescer o físico e eliminar formas tóxicas de pensamento. Tendências auto destrutivas como suicídio são substituídas por autoconfiança. Aumenta o contato com o seu Eu Superior e o alinhamento entre todos os corpos energéticos. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Elemento: fogo. Objetivo: cura, comunicação, consciência psíquica. Chacras: esplênico, coronário.

CORAL – Não é pedra ou vegetal, é um esqueleto remanescente de organismo marinho. Silencia as emoções, alivia as preocupações. O seu uso eleva as vibrações para melhor sintonia com a natureza e as forças criativas. Boa para qualquer problema ósseo, revigora coração e concentração. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: água, éter. Objetivo: cura, paz, sabedoria, sintonia com a natureza. Chacras: esplênico

CORNALINA – Acalma a raiva, o ciúme, a inveja, o ódio e a depressão. Promove paz e harmonia. Boa para ser usada por pessoas que são envergonhadas e tímidas. Abre o chacra cardíaco. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Signo: Leão. Elemento: fogo. Objetivo: proteção, coragem e paz. Chacras: esplênico, plexo solar. Tarot: A força.

CRISOCOLA – Excelente para moléstias femininas. Alivia medos culpas e ilusões. Ajuda a aclarar desequilíbrios do subconsciente. Alivia úlceras, perturbações artísticas. Amplia o pensamento. Aumenta a paz interior. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: água. Objetivo: a paz, sabedoria, amor. Chacras: cardíaco, laríngeo.

CRISOPÁSIO – Aumenta fertilidade em ambos os sexos. Alivia problemas oculares e depressão. Aumenta a compreensão dos problemas pessoais e a serenidade mental. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Libra. Elemento: terra. Objetivo: cura, fertilidade. Chacra: básico.

CRISTAIS DE QUARTZO – São usados como um amplificador poderoso. Comumente usados entre os índios da América do Norte. Os Shamans conheciam o poder dos cristais. Proteção contra todos os tipos de radiação extremamente eficiente em radiodifusão e armazenamento de formas – pensamento. Energia: projetiva, receptiva. Planeta: Sol, Lua. Elemento: fogo, água. Objetivo: cura, psiquismo, poder. Chacra: de acordo com a cor. Tarot: Mago. TRANSPARENTE—equilibra as emoções. Excelente para a meditação. Desfaz negatividade no campo energético da pessoa e no ambiente. Chacra: todos. AZUL – Uma forma muito rara de quartzo. Usado na Lemúria para abrir o chacra cardíaco, aumentar a longevidade e auto-expressão. Promove paz e tranqüilidade. VERDE – manifestando abundância estimula criatividade e facilita a vida. Mantém os pés no chão. Também conhecido como aventurina. ROSA – usado para estimular o amor e abrir o chacra cardíaco. Aumenta a confiança e o falso orgulho é eliminado. Ajuda a limpar a raiva guardada, ressentimentos, culpa, medo, ciúme. Chacra: cardíaco. Tarot: A Decisão. Rutilado. Transmuta negatividade. Excepcionalmente poderoso. Alivia depressão, facilita para inspiração e aumento da clarividência. Poder de cura muito grande. Chacra: todos.

FUME – Inicia movimento da kundaline. Excelente para meditação. Alinha aos 3 chacras de baixo. Proteção. Ensina o caminho da luz quando se está dentro da escuridão. Turmanilizado – contém turmalina preta. Projeção astral. Condutor da luz. Nivela polaridade masculina e feminina.

DIAMANTE – Grande curador e a mais neutra de todas as gemas. Extremamente poderosa para remover bloqueios, negatividade e disfunções sexuais. Incrementa a função cerebral e alinha os ossos do crânio. Capacidade para eliminar a toxidade do corpo. Diamante intensifica a energia de outras pedras. Promove a clareza do pensamento, amplia o pensamento, nos aproxima do Eu Superior. Em essência é para trabalhar as partes espirituais mais elevadas do ser dentro do corpo físico. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Elemento: fogo. Objetivo: espiritualidade, grande curador, paz, coragem, vigor. Chacras: todos. Tarot: A Justiça .

DIAMANTE DE HERKIMER – É uma forma de quartzo. Alivia o "stress" e a tensão, especialmente nos músculos. Similar ao diamante, irradia energia. Armazena informações. Facilita a obtenção de recordações da vidas passadas e estimula clarividência. Energia: receptiva. Planeta: Sol. Signo: Leão. Elemento: fogo. Objetivo: cura, proteção, psiquismo, poder. Chacras: todos. Tarot: A Justiça.

ESMERALDA – Considerada uma pedra notável com potencial sem limites para o futuro. O corpo etérico, astral e emocional são alinhados. Estabiliza a personalidade, aumenta o psiquismo a e faculdade de clarividência. Equilibra o coração, especialmente na ralação com o pai. Melhora a meditação e suaviza temores escondidos dentro de nós. Rejuvenesce. Facilita problemas dos olhos. Equilibra emoções fortes. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Touro. Elemento: terra. Objetivo: amor espiritual, cura, proteção. Chacras; cardíaco. Tarot: A Grã Sacerdotisa.

FLUORITA – Poder de cura na comunicação interdimensional. Fortifica o tecido ósseo dos dentes. Previne cáries dentárias. Clareza emocional, desembaraço, elucida confusão. Qualidades de cura semelhantes às da ametista, ajuda no controle mental e o despertar espiritual. Energia: projetiva. Planeta: Júpiter. Elemento: água. Objetivo: poder mental, cura e comunicação. Chacra: frontal, coronário.

GRANADA – Encontrada em muitas cores, exceto azul. Revigora o sistema sangüíneo e coração . Estimula a imaginação. Alinha os corpos espiritual e emocional, provoca elevação de emoções. Energia: projetiva. Planeta; Marte. Signo: Áries. Elemento: fogo. Objetivo: cura, proteção, força. Chacras: básico, cardíaco.

HELIOTROPIO OU JASPE – Alinha os chacras básico e cardíaco. Estimula o movimento da kundaline. Guia interior. Revigora e oxigena a corrente sangüínea. Aumenta o vigor físico. Acalma temores elimina raiva. Atrai dinheiro e prosperidade. Poderosas qualidades curativas quando usada por um grande curandeiro. Energia: projetiva. Planeta: Marte. Signo: Áries. Elemento: fogo. Objetivo: estancar sangria, cura, força, coragem, prosperidade. Chacras: básico, cardíaco.

HEMATITA – Exerce um forte efeito sobre o sangue. Alivia todas as perturbações sangüíneas. Melhora a auto estima. Aumenta o magnetismo pessoal, otimismo, coragem e vontade. Energia: projetiva. Planeta: Saturno. Signo: Capricórnio. Elemento: cura, racionalização, adivinhação. Chacras: esplênico.

JADE – Possui forte conexão com a Lemúria. Atrai força. Abre caminho para as vidas passadas, especialmente as vividas no oriente. Alivia desarranjos no sistema imunológico. Gera amor divino ou incondicional. Associado com as principais virtudes; coragem, justiça, misericórdia, modéstia e sabedoria. Confúcio disse que jade serviu como um lembrete da integridade da mente e da alma. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Touro. Elemento: água. Objetivo: amor, sabedoria, cura. Chacra: cardíaco.

JASPES – Variedade de quartzo. Grande poder de cura. Encontrada em várias cores. Alivia a dor, principalmente durante o parto. VERMELHO – Protetor, envia energia de volta para sua origem. Promove beleza e graça. Simboliza, vitalidade, fundamentos. Energia: projetiva. Planeta: Marte. Elemento: fogo. Chacra: básico.

VERDE – Conexão muito forte com a terra. Muito bom Ter em casa. Acalma, diminui a tristeza, desenvolve grande sensibilidade e entendimento para com os outros. Equilibra, cura o campo da aura e alinha a intuição. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: terra. Chacra: coração. MARROM - Centraliza e mantém os pés no chão, auxilia na afirmação pessoal. Libera medos escondidos repressão profunda. Usada para vidas passadas, lembranças de eventos traumáticos marcantes atuantes na vida presente. Chama de volta a alma, informa o seu Eu Superior. Energia: receptiva. Planeta: Saturno. Elemento: terra. Chacra: laríngeo, frontal. Poderes: cura, proteção, beleza, firmeza.

KUNZITA – Suaviza e desfaz nós musculares. Indutor da paz, acalma a raiva, nervos e medos. Abre o chacra cardíaco, facilita auto estima espiritual e amor incondicional. Energia: receptiva. Planeta: Vênus, Plutão. Signo: Escorpião. Elemento: terra . Objetivo: relaxamento, paz. Chacras: cardíaco. Tarot: O Mundo.

LÁPIZ LAZÚLI – Estimula a clareza mental e o senso de força, vitalidade e virilidade. Aumenta habilidade psíquica e revigora o corpo durante o crescimento espiritual. Amplia o pensamento, bom para meditação e expressão pessoal. Grande poder de cura e propriedades purificadoras. Ajuda nas inflamações nos inchaços e na expressão do verdadeiro EU. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Libra. Elemento: água. Objetivo: cura, alegria, amor, Força. Chacra: laríngeo, frontal.

MADEIRA PETRIFICADA - Árvores caídas que endurecem durante milhões de anos (através de um processo de fossilização) infiltrando água rica em sais minerais, que dissolveu a madeira, substituindo-a por diversos minerais. Proporciona abertura a lembranças, especialmente de vidas passadas quando usada em meditação e visualização criativa. Usadas em terapias de vidas passadas. Expande a duração da vida. Aumenta a alegria e evolução da vida . Energia: receptiva. Elemento: éter. Objetivo: longevidade, terapia de vidas passadas. Chacras: cardíaco.

MALAQUITA – Ajuda o sono. Alivia a superexposição. Abre o chacra cardíaco e estimula o sistema circulatório. Equilibra o terceiro chacra (plexo solar) e melhora a auto-expressão. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: terra. Objetivo: poder, proteção.

OBSIDIANA - Lava que resfriou muito rapidamente. Era usada em adivinhações pelos antigos astecas. Centraliza e mantém os pés no chão. Equilibra o estômago e o sistema intestinal. Ajuda a desbloquear o subconsciente. Energia: projetiva. Planeta: Saturno. Elemento: fogo. Objetivo: racionalização, adivinhações, paz. Chacra: básico.

OLHO DE TIGRE – Atrai pessoas solidárias e bens materiais. Centraliza energias e focaliza à mente e dá sorte.

OLIVINIA OU PERIDOTO – Libera a mente de pensamentos invejosos, aumenta a clareza mental, paciência e dá uma visão mais positiva da vida. Limpa o cólon e os intestinos. Desenvolve a visão interior para ver o futuro e traz inspiração. Energia: receptiva. Planeta: Vênus, Sol. Elemento: terra. Objetivo: proteção, cura, sucesso. Chacra: cardíaco. Tarot: A Imperatriz.

ÔNIX – Manifestas pensamento objetivo, inspiração espiritual e maior controle sobre emoções e paixões. Alivia apatia e "stress". Equilibra as qualidades femininas e masculinas. Usadas para proteção, autodefesa contra negatividade conscientemente dirigidas e ataques psíquicos. Energia: projetiva. Planeta: Marte e Saturno. Signo: Capricórnio. Elemento: fogo. Objetivo: proteção, força. Chacra: trabalha de acordo com a cor.

OPALA – Usado para relembrar vidas passadas. Ajuda a desenvolver o poder psíquico, traz para fora a beleza interior. Centraliza e ajuda a purificação espiritual. Abre um canal para ensinar a verdade. Tem a habilidade de ampliar os traços pessoais e deve ser usado apenas por aqueles que estão bem equilibrados e maduros. Ajuda problemas visuais. Energia: receptiva, projetiva. Planeta: todos. Signo: libra. Elemento: todos. Objetivo: projeção, astral, psiquismo, poder, sorte, beleza. Chacras: de acordo com a cor. Tarot: O Mundo.

PEDRA DA LUA – Traz amor, paz, harmonia e clarividência. Desenvolve e aumenta o acesso ao subconsciente. Trabalha com as emoções, especialmente aquelas que dão origem a ansiedade e ao "stress". Associado com a energia mãe. Pode ser usado em todos os problemas femininos e estomacais. Energia: receptiva. Planeta: Lua. Signo: Câncer. Elemento. Água. Objetivo: amor, adivinhação, proteção, psiquismo, paz. Chacras: cardíaco, esplênico. Tarot: A Lua.

PIRITA – Boa para o sistema circulatório e respiratório por conter ferro está ligado ao transporte de oxigênio dos pulmões. Ajuda a proteger a pele, o aparelho digestivo, diminuindo ã irritação da pele pela ingestão de alimentos. Reduz à ansiedade.

A Medicina vibracional traz em seu bojo o postulado de que o homem é o único responsável pela sua saúde e bem-estar, e que não existe a "solução mágica" para a doença. A doença é encarada como um desequilíbrio do sistema energético, e a compreensão do funcionamento energético humano passa a ser importante para a compreensão da doença. Inversamente, a compreensão da estrutura de caráter poderia levar à doença, isto é, à compreensão dela, suas circunstâncias e sua cura.

No universo científico, a palavra “energia” é usada para explicar as “manifestações” como a eletricidade, o magnetismo e outras, mas não há explicação do que ela é, isto é, de sua essência. E isso ocorre porque a energia é um processo que não pode ser explicado pelo conteúdo. A “matéria energética” não é uma substância.

Elixires de cristais são essências vibracionais que atuam na mesma faixa das essências florais, e são uma ótima maneira de complementar as terapias convencionais. Preparados a partir de cristais, criam vibrações de saúde em diversos níveis, trazendo paz e harmonia à nossa aura, corpo, mente e alma. Ajudam no equilíbrio e na conscientização, colaborando para que possamos encontrar mais facilmente a resposta para os problemas que nos afligem. Também são ótimos para combater energias negativas, criando ao nosso redor uma forte aura de proteção. Além disso, são ótimos complementos para a terapia de vidas passadas, ajudando a acessar as lembranças e a limpar karmas passados.

O diagnóstico e a indicação das essências são feitos pelo próprio terapeuta, com a ajuda de um instrumento, que sãos as “cartas terapêuticas”, uma espécie de tarô, feito a partir das fotos da aura dos cristais. Estas cartas, retiradas pelo cliente, com a interpretação do terapeuta, ajudam na sintonização das essências que deverão compor a fórmula a ser tomada.

Funções especiais dos Elixires de Cristais

. Desbloqueia padrões mentais/emocionais cristalizados, permitindo-nos maior clareza.
. Neutralizar os efeitos colaterais ou tóxicos dos medicamentos químicos. Existem essências de cristais que tem como função neutralizar parcial ou completamente esses efeitos indesejáveis.

. Proporcionar à pessoa condições para responder prontamente a qualquer tratamento alopático, permitindo  uma recuperação mais rápida e eficaz.

. Facilita o acesso ao contato com nosso Espírito, Eu Superior, Sabedoria Divina, resgatando nossa capacidade de cura e reequilíbrio.

. Em estado de equilíbrio temos muito mais condições de captar naturalmente a Sabedoria do que podemos perceber conscientemente e a proteção física e espiritual se faz presente de uma maneira natural e constante.

Quando Usar os Elixires de Cristais
Dar apoio nas mudanças da vida:
Em primeiro lugar, para provocar mudanças, através dos diferentes tipos de desbloqueio que eles promovem.
No entanto, em situações em que a pessoa tem sua estabilidade comprometida por mudança de emprego, de casa, de status, problemas familiares, etc., o ideal é começar a estabilização através dos Elixires de Cristais e depois passar para fórmulas compostas de essências minerais e florais. Com isso, após ter dado a base, o chão, o terapeuta pode conduzir o indivíduo a uma expansão da consciência, buscando as causas, a origem do desbloqueio, para alicerçar a nova base a ser construída.

As pessoas têm uma grande resistência em enfrentar as mudanças – na verdade, sempre espera que a mudança ocorra no outro. No entanto, a renovação de atitudes é exigida de cada um e apenas ela corrige os desvios daquilo que precisa ser mudado e permitir que esse processo se dê de forma suave.

Para quem acaba de passar por grandes mudanças na vida e precisa reavaliar o que aprendeu dessa experiência, até para fazer diferente aquilo que não deu certo antes, eles prestam auxílio inestimável. Aqui, a quebra dos padrões de rigidez se torna questão vital e os elixires são preciosos ajudantes nesse processo de mudança.

O que é composição química dos cristais e pedras?
Os cristais e pedras, tanto brutos como lapidados, agem doando e absorvendo energias.
Os cristais amplificam as energias (tanto que são usadas até na técnica das transmissões), além de conter na forma mais pura as cores que são necessárias para nosso equilíbrio físico, biológico e espiritual.

Todos nós temos energias e podemos transmiti-las para outros ou absorvê-las. Os cristais nos ajudam nisso, dimensionando-as e ampliando-as.

A maioria das teorias sobre a cura pelas pedras é de religiosos medievais como o monge Marbodius (1037-1125) e S. Alberto Magno (1193-1280). Sendo bispos, viveram parte de suas vidas em retiro estudando a ecologia. Suas observações sobre as diferentes terapias são na maioria associadas a outros assuntos. As pedras são destinadas à cura de determinados estados psicológicos ou condições psicossomáticas influenciadas pela mente. Visto serem pedras capazes de produzir uma espécie de estado hipnótico de acordo com a sua beleza, conclui-se que seus efeitos medicinais atuam em  nível psíquico desde que estimulados pela imaginação, e físico sobre a ação fisiológica concreta.

Os minerais apresentam propriedades físicas, químicas e ópticas que permitem fazer a sua caracterização e identificação.

De entre as propriedades físicas destacamos a dureza, cor, cor da risca, transparência e o brilho. A dureza é, por definição, a resistência que um mineral oferece à risca provocada por uma ação mecânica externa. Na prática mineralógica utilizam-se escalas de dureza relativas, representadas por determinados minerais. A mais comum é a escala de Mohs, que contem 10 graus e é composta unicamente por minerais de risca branca. Os minerais estão ordenados segundo o seu grau de dureza, do menos ao mais duro e do seguinte modo: 1-talco, 2-gesso, 3-calcite, 4-fluorite, 5-apatite, 6-ortóclase, 7-quartzo, 8-topázio, 9-corindon, 10-diamante.

Exemplificando, um mineral terá uma dureza aproximada de 8½ se risca o topázio mas é riscado pelo corindon
As propriedades químicas dos minerais estão estreitamente relacionadas, como é óbvio, com a sua composição química, com a natureza dos átomos e iões que os constituem. Mas dependem também, tal como as propriedades físicas, da sua estrutura, isto é, do arranjo das partículas elementares.

As características das ligações interatómicas nos minerais são tais que podemos considerar uma estrutura como uma associação de esferas cujas dimensões são definidas pelo raio iónico do átomo. Os catiões, as esferas mais pequenas, seriam cercadas por aniões, as esferas maiores. A associação catião mais anião forma, deste modo, um poliedro de coordenação.

Os poliedros de coordenação necessitam de uma neutralidade eléctrica. De acordo com este modelo, poderíamos pensar que a cada mineral corresponderia uma única estrutura e uma única composição química, expressa por uma fórmula química perfeitamente definida. Acontece que a maioria dos minerais de igual composição química pertence a uma única classe de simetria e a um único sistema cristalino. Porém, as exceções são muitas devido, fundamentalmente, às diferentes condições de pressão e temperatura em que se formam os minerais. Assim sendo e a título de exemplo vejamos o caso de um mineral chamado olivina. A sua composição química é (Fe, Mg)2(SiO4). Isto explica que o ferro (Fe) e o magnésio (Mg) são miscíveis em todas as proporções, logo a composição química da olivina não é definida. Quando se dá a substituição total do ferro pelo magnésio, passamos a ter a forsterite Mg2(SiO4) com composição química definida, no caso inverso temos a fayalite Fe2(SiO4). Entre estes dois pólos todas as composições intermédias podem existir, mantendo-se a estrutura. Estamos perante um caso de isomorfismo. Podemos, então, dizer que dois elementos são isomorfos, caso do Fe e do Mg, se podem substituir-se mutuamente dentro da mesma estrutura. Como a estrutura não se altera, as substâncias isomorfas apresentam forma cristalina muito semelhante, independentemente, da sua natureza química.

O grupo dos silicatos é de longe o maior grupo de minerais, sendo compostos principalmente por silício e oxigénio, com a adição de catiões como o magnésio, o ferro e o cálcio. Alguns dos mais importantes silicatos constituintes de rochas comuns são o feldspato, o quartzo, as olivinas, as piroxenas, as granadas e as micas.
O grupo dos carbonatos é composto de minerais contendo o anião (CO3)2- e inclui a calcite e a aragonita (carbonatos de cálcio), a dolomita (carbonato de magnésio e cálcio) e a siderita (carbonato de ferro). Os carbonatos são geralmente depositados em ambientes marinhos pouco profundos, com águas límpidas e quentes, como por exemplo em mares tropicais e subtropicais. Os carbonatos encontram-se também em rochas formadas por evaporação de águas pouco profundas (os evaporitos, como por exemplo os existentes no Great Salt Lake, Utah) e em ambientes de karst, isto é regiões onde a dissolução e a precipitação dos carbonatos conduziu à formação de cavernas com estalactites e estalagmites. A classe dos carbonatos inclui ainda os minerais de boratos e nitratos.

Todos os sulfatos contém o anião sulfato na forma SO4. Os sulfatos formam-se geralmente em ambientes evaporíticos, onde águas de alta salinidade são lentamente evaporadas, permitindo a formação de sulfatos e de halóides na interface entre a água e o sedimento. Também ocorrem em sistemas de veios hidrotermais sob a forma de minerais constituintes da ganga associada a minérios de sulfetos. Os sulfatos mais comuns são a anidrita (sulfato de cálcio), a celestita (sulfato de estrôncio) e o gesso (sulfato hidratado de cálcio). Nesta classe incluem-se também os minerais de cromatos, molibdatos, selenatos, sulfetos, teluratos e tungstatos.

O grupo dos halóides é constituído pelos minerais que formam os sais naturais, incluindo a fluorite, a halite (sal comum) e o sal amoníaco (cloreto de amónia). Os halóides, como os sulfatos, são encontrados geralmente em ambientes evaporíticos, tais como lagos do tipo playa e mares fechados (por exemplo nas margens do Mar Morto). Inclui os minerais de fluoretos, cloretos e iodetos.

Os óxidos constituem um dos grupos mais importantes de minerais por formarem minérios dos quais podem ser extraídos metais. Ocorrem geralmente como precipitados em depósitos sitos próximo da superfície, como produtos de oxidação de outros minerais situados na zona de alteração cerca da superfície ou ainda como minerais acessórios das rochas ígneas da crusta e do manto. Os óxidos mais comuns incluem a hematite (óxido de ferro), a espinela (óxido de alumínio e magnésio, um componente comum do manto) e o gelo (de água, ou seja óxido de hidrogénio). São também incluídos nesta classe os minerais de hidróxidos.

Muitos sulfetos são também economicamente importantes como minérios metálicos, incluindo-se entre os mais comuns a calcopirita (sulfeto de cobre e ferro) e a galena (sulfeto de chumbo). A classe dos sulfetos também inclui os minerais de selenetos, teluretos, arsenietos, antimonetos, os bismutinetos e ainda os sulfossais.
O grupo dos fosfatos inclui todos os minerais com uma unidade tetraédrica de AO4 onde A pode ser fósforo, antimónio, arsénio ou vanádio. O fosfato mais comum é a apatite, a qual constitui um importante mineral biológico, encontrado nos dentes e nos ossos de muitos animais. Esta classe inclui os minerais de fosfatos, vanadatos, arseniatos e antimonatos.

O grupo dos elementos nativos inclui os metais e amálgamas intermetálicas (como as de ouro, prata e cobre), semi-metais e não-metais (antimónio, bismuto, grafite e enxofre). Este grupo inclui também ligas naturais, como o electrum (uma liga natural de ouro e prata), fosfinos (hidretos de fósforo), nitritos e carbetos (que geralmente são só encontrados em alguns raros meteoritos).

Vejamos, ainda, outra situação de exceção, embora haja muitas mais. O diamante é constituído, quimicamente, só por átomos de carbono (C); outra espécie mineral, a grafite, é igualmente constituída só por átomos de carbono (C). Embora constituídos pela mesma substância química, o carbono, estas duas espécies minerais assumem, ao cristalizar em condições físico-químicas específicas, formas cristalinas muito diversas, com graus de simetria diferentes. Enquanto o diamante cristaliza no sistema cúbico, a grafite cristaliza no sistema hexagonal. Dizemos que estes dois compostos são polimorfos, porque sendo quimicamente idênticos têm simetria diferente. Entre as referidas condições físico-químicas específicas, a temperatura tem uma importância primacial. Por exemplo, se cristais de diamante forem aquecidos a uma temperatura superior a 1500o C, à pressão normal e no vazio, dar-se-á uma transformação lenta da sua rede cristalina na rede cristalina da grafite. A 1900o C, essa transformação duma rede cristalina na outra é rápida. Isto apenas tem interesse acadêmico, já que não existe motivo algum para transformar uma pedra preciosa como o diamante num material muito mais barato e abundante como a grafite.

A ocorrência de espécies minerais com formas cristalinas próprias de outras é um fenômeno relativamente vulgar na Natureza e tem o nome de pseudomorfismo. Neste caso os minerais apresentam falsas-formas. As pseudomorfoses podem ter gêneses variadas.


O poder transformador das Gemas, minerais e pedras.
ÁGATAS – Encontradas em várias cores. Têm grande poder de cura, trabalha com os chacras e age conforme a cor. Em crianças é usada como proteção. Tonifica e revigora o corpo. Ajuda a despertar e abrir o seu interior. Energia: várias. Planeta: Mercúrio. Signo: Gêmeos e Virgem. Elementos: vários. Objetivos: vigor, coragem, longevidade, amor , cura e proteção. Chacras: vários. O louco ÁGATA DE BOTSWANA – Recomendada para bombeiros e pessoas fumantes. Boa para o sistema circulatório, pele, pulmões e cérebro. Equilibra o corpo emocional. ÁGATA DE FOGO – Cura principal: influência todo sistema endócrino. Estimula as células da memória. Racionaliza e conduz à harmonia. Energia: projetiva. Elemento: fogo. ÁGATA MUSGO – Tem uma forte afinidade com o signo de gêmeos. Equilibra conflitos entre os lados esquerdo e direito do cérebro. Alivia a depressão. Ajuda a harmonizar com natureza. Tem um forte impacto sobre sinusite. Energia: receptiva. Elemento: terra. ÁGATA NEGRA – Proteção. Usada para encorajar a Ter sucesso em competições. Energia: projetiva. Elemento: Fogo. Chacra: básico. ÁGATA AZUL – Paz e felicidade. Alivia "stress" e brigas de família. Energia: receptiva. Elemento: água. Chacra: laríngeo. ÁGATA BRANCA E PRETA – Proteção contra perigos físicos. Energia: receptiva. Elemento: Terra. Chacra: básico.

ÁGUA MARINHA – Aumenta o poder psíquico. Suaviza e acalma os problemas emocionais. Traz paz, alegria e felicidade especialmente nos relacionamentos. Reduz os temores. Energia: respectiva. Planeta: Lua. Signo: Objetivo: paz, coragem, purificação do psiquismo. Chacras: laríngeo, plexo solar. Tarot: O Enforcado.

ALBITA – Alivia a pressão. Estimulador do sistema imunológico e respiratório. Diminui estados de stress mental, fortalece o baço e o timo

ALEXANDRITA – Cria um estado emocional mais equilibrado, cura doenças do sistema nervoso central, leucemia e problemas são aliviados. Energia: projetiva e receptiva. Objetivo: sorte, amor. Chacra: esplênico.

AMAZONITA – Cor verde azulada. Alinha os corpos elétrico e mental. Revigora todos meridianos. Atrai dinheiro. Assegura sucesso. Traz alegria, acalma o sistema nervoso. Amplia os pensamentos. Energia: receptiva. Planeta: Urano. Elemento: terra. Objetivo: sucesso e dinheiro. Chacras: laríngeo.

ÂMBAR – Não é uma pedra, mas uma resina fossilizada proveniente de antigos pinheiros. Estabiliza e desperta a kundaline. Aumenta a beleza natural, estimula a felicidade e traz amigos para os solitários. Um colar em volta do pescoço protege a saúde. Ajuda contra a perda de memória, dificuldade para tomar decisões, ansiedade e comportamento excêntrico. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Signo: Leão. Elemento: fogo, éter. Objetivo: proteção, sorte, beleza, amor, cura, vigor. Chacras: esplênico, plexo solar. Tarot: A Morte.

AMETISTA – Quartzo púrpura. Ajuda a dormir, pedra da paz, transformação e sabedoria. Auxilia no alívio do "stress" e dos medos. Eleva o espírito e promove espiritualidade. Ajuda a controlar os vícios e maus hábitos. Eleva a meditação, a generosidade e a consciência de Deus. Poderosa cura, especialmente para os olhos, pele, cérebro, sistema imunológico. Energia: receptiva. Planeta: Júpiter, Netuno. Signo: Sagitário, Peixes. Elemento: água. Objetivo: coragem, sonho, cura, paz, psiquismo. Chacra: coronário, frontal (terceiro olho), laríngeo. Tarot: A Temperança.

CALCITAS – Ampliadores de pensamentos, aumenta a capacidade mental para projeção astral. Estimula os rins para melhor eliminar as toxinas do corpo. Alivia o medo. Energia: receptiva (exceto cor laranja). Planeta; vários. Elemento: vários. Objetivo: clareza mental, calma, centralização de dinheiro e proteção. CLARA – Usada para concentrar durante a meditação . Planeta: Lua. Elemento: água. COR-DE-ROSA – Calmante, concentração e ajuda. AZUL – Pedra de cura. Usar durante as horas de purificação. Planeta: Vênus. Energia: prospectiva. Elemento: terra. LARANJA – protege e dá energia para o corpo quando segurada. Energia:
projetiva: Planeta: Sol. Elemento: fogo. Chacra: esplênico.

CITRINO – É uma forma de quartzo. Boa para desintoxicar o intestino. Amplia o pensamento, pode ser usada na meditação para rejuvenescer o físico e eliminar formas tóxicas de pensamento. Tendências auto destrutivas como suicídio são substituídas por autoconfiança. Aumenta o contato com o seu Eu Superior e o alinhamento entre todos os corpos energéticos. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Elemento: fogo. Objetivo: cura, comunicação, consciência psíquica. Chacras: esplênico, coronário.

CORAL – Não é pedra ou vegetal, é um esqueleto remanescente de organismo marinho. Silencia as emoções, alivia as preocupações. O seu uso eleva as vibrações para melhor sintonia com a natureza e as forças criativas. Boa para qualquer problema ósseo, revigora coração e concentração. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: água, éter. Objetivo: cura, paz, sabedoria, sintonia com a natureza. Chacras: esplênico

CORNALINA – Acalma a raiva, o ciúme, a inveja, o ódio e a depressão. Promove paz e harmonia. Boa para ser usada por pessoas que são envergonhadas e tímidas. Abre o chacra cardíaco. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Signo: Leão. Elemento: fogo. Objetivo: proteção, coragem e paz. Chacras: esplênico, plexo solar. Tarot: A força.

CRISOCOLA – Excelente para moléstias femininas. Alivia medos culpas e ilusões. Ajuda a aclarar desequilíbrios do subconsciente. Alivia úlceras, perturbações artísticas. Amplia o pensamento. Aumenta a paz interior. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: água. Objetivo: a paz, sabedoria, amor. Chacras: cardíaco, laríngeo.

CRISOPÁSIO – Aumenta fertilidade em ambos os sexos. Alivia problemas oculares e depressão. Aumenta a compreensão dos problemas pessoais e a serenidade mental. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Libra. Elemento: terra. Objetivo: cura, fertilidade. Chacra: básico.

CRISTAIS DE QUARTZO – São usados como um amplificador poderoso. Comumente usados entre os índios da América do Norte. Os Shamans conheciam o poder dos cristais. Proteção contra todos os tipos de radiação extremamente eficiente em radiodifusão e armazenamento de formas – pensamento. Energia: projetiva, receptiva. Planeta: Sol, Lua. Elemento: fogo, água. Objetivo: cura, psiquismo, poder. Chacra: de acordo com a cor. Tarot: Mago. TRANSPARENTE—equilibra as emoções. Excelente para a meditação. Desfaz negatividade no campo energético da pessoa e no ambiente. Chacra: todos. AZUL – Uma forma muito rara de quartzo. Usado na Lemúria para abrir o chacra cardíaco, aumentar a longevidade e auto-expressão. Promove paz e tranqüilidade. VERDE – manifestando abundância estimula criatividade e facilita a vida. Mantém os pés no chão. Também conhecido como aventurina. ROSA – usado para estimular o amor e abrir o chacra cardíaco. Aumenta a confiança e o falso orgulho é eliminado. Ajuda a limpar a raiva guardada, ressentimentos, culpa, medo, ciúme. Chacra: cardíaco. Tarot: A Decisão. Rutilado. Transmuta negatividade. Excepcionalmente poderoso. Alivia depressão, facilita para inspiração e aumento da clarividência. Poder de cura muito grande. Chacra: todos.

FUME – Inicia movimento da kundaline. Excelente para meditação. Alinha aos 3 chacras de baixo. Proteção. Ensina o caminho da luz quando se está dentro da escuridão. Turmanilizado – contém turmalina preta. Projeção astral. Condutor da luz. Nivela polaridade masculina e feminina.

DIAMANTE – Grande curador e a mais neutra de todas as gemas. Extremamente poderosa para remover bloqueios, negatividade e disfunções sexuais. Incrementa a função cerebral e alinha os ossos do crânio. Capacidade para eliminar a toxidade do corpo. Diamante intensifica a energia de outras pedras. Promove a clareza do pensamento, amplia o pensamento, nos aproxima do Eu Superior. Em essência é para trabalhar as partes espirituais mais elevadas do ser dentro do corpo físico. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Elemento: fogo. Objetivo: espiritualidade, grande curador, paz, coragem, vigor. Chacras: todos. Tarot: A Justiça .

DIAMANTE DE HERKIMER – É uma forma de quartzo. Alivia o "stress" e a tensão, especialmente nos músculos. Similar ao diamante, irradia energia. Armazena informações. Facilita a obtenção de recordações da vidas passadas e estimula clarividência. Energia: receptiva. Planeta: Sol. Signo: Leão. Elemento: fogo. Objetivo: cura, proteção, psiquismo, poder. Chacras: todos. Tarot: A Justiça.

ESMERALDA – Considerada uma pedra notável com potencial sem limites para o futuro. O corpo etérico, astral e emocional são alinhados. Estabiliza a personalidade, aumenta o psiquismo a e faculdade de clarividência. Equilibra o coração, especialmente na ralação com o pai. Melhora a meditação e suaviza temores escondidos dentro de nós. Rejuvenesce. Facilita problemas dos olhos. Equilibra emoções fortes. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Touro. Elemento: terra. Objetivo: amor espiritual, cura, proteção. Chacras; cardíaco. Tarot: A Grã Sacerdotisa.

FLUORITA – Poder de cura na comunicação interdimensional. Fortifica o tecido ósseo dos dentes. Previne cáries dentárias. Clareza emocional, desembaraço, elucida confusão. Qualidades de cura semelhantes às da ametista, ajuda no controle mental e o despertar espiritual. Energia: projetiva. Planeta: Júpiter. Elemento: água. Objetivo: poder mental, cura e comunicação. Chacra: frontal, coronário.

GRANADA – Encontrada em muitas cores, exceto azul. Revigora o sistema sangüíneo e coração . Estimula a imaginação. Alinha os corpos espiritual e emocional, provoca elevação de emoções. Energia: projetiva. Planeta; Marte. Signo: Áries. Elemento: fogo. Objetivo: cura, proteção, força. Chacras: básico, cardíaco.

HELIOTROPIO OU JASPE – Alinha os chacras básico e cardíaco. Estimula o movimento da kundaline. Guia interior. Revigora e oxigena a corrente sangüínea. Aumenta o vigor físico. Acalma temores elimina raiva. Atrai dinheiro e prosperidade. Poderosas qualidades curativas quando usada por um grande curandeiro. Energia: projetiva. Planeta: Marte. Signo: Áries. Elemento: fogo. Objetivo: estancar sangria, cura, força, coragem, prosperidade. Chacras: básico, cardíaco.

HEMATITA – Exerce um forte efeito sobre o sangue. Alivia todas as perturbações sangüíneas. Melhora a auto estima. Aumenta o magnetismo pessoal, otimismo, coragem e vontade. Energia: projetiva. Planeta: Saturno. Signo: Capricórnio. Elemento: cura, racionalização, adivinhação. Chacras: esplênico.

JADE – Possui forte conexão com a Lemúria. Atrai força. Abre caminho para as vidas passadas, especialmente as vividas no oriente. Alivia desarranjos no sistema imunológico. Gera amor divino ou incondicional. Associado com as principais virtudes; coragem, justiça, misericórdia, modéstia e sabedoria. Confúcio disse que jade serviu como um lembrete da integridade da mente e da alma. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Touro. Elemento: água. Objetivo: amor, sabedoria, cura. Chacra: cardíaco.

JASPES – Variedade de quartzo. Grande poder de cura. Encontrada em várias cores. Alivia a dor, principalmente durante o parto. VERMELHO – Protetor, envia energia de volta para sua origem. Promove beleza e graça. Simboliza, vitalidade, fundamentos. Energia: projetiva. Planeta: Marte. Elemento: fogo. Chacra: básico.

VERDE – Conexão muito forte com a terra. Muito bom Ter em casa. Acalma, diminui a tristeza, desenvolve grande sensibilidade e entendimento para com os outros. Equilibra, cura o campo da aura e alinha a intuição. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: terra. Chacra: coração. MARROM - Centraliza e mantém os pés no chão, auxilia na afirmação pessoal. Libera medos escondidos repressão profunda. Usada para vidas passadas, lembranças de eventos traumáticos marcantes atuantes na vida presente. Chama de volta a alma, informa o seu Eu Superior. Energia: receptiva. Planeta: Saturno. Elemento: terra. Chacra: laríngeo, frontal. Poderes: cura, proteção, beleza, firmeza.

KUNZITA – Suaviza e desfaz nós musculares. Indutor da paz, acalma a raiva, nervos e medos. Abre o chacra cardíaco, facilita auto estima espiritual e amor incondicional. Energia: receptiva. Planeta: Vênus, Plutão. Signo: Escorpião. Elemento: terra . Objetivo: relaxamento, paz. Chacras: cardíaco. Tarot: O Mundo.

LÁPIZ LAZÚLI – Estimula a clareza mental e o senso de força, vitalidade e virilidade. Aumenta habilidade psíquica e revigora o corpo durante o crescimento espiritual. Amplia o pensamento, bom para meditação e expressão pessoal. Grande poder de cura e propriedades purificadoras. Ajuda nas inflamações nos inchaços e na expressão do verdadeiro EU. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Libra. Elemento: água. Objetivo: cura, alegria, amor, Força. Chacra: laríngeo, frontal.

MADEIRA PETRIFICADA - Árvores caídas que endurecem durante milhões de anos (através de um processo de fossilização) infiltrando água rica em sais minerais, que dissolveu a madeira, substituindo-a por diversos minerais. Proporciona abertura a lembranças, especialmente de vidas passadas quando usada em meditação e visualização criativa. Usadas em terapias de vidas passadas. Expande a duração da vida. Aumenta a alegria e evolução da vida . Energia: receptiva. Elemento: éter. Objetivo: longevidade, terapia de vidas passadas. Chacras: cardíaco.

MALAQUITA – Ajuda o sono. Alivia a superexposição. Abre o chacra cardíaco e estimula o sistema circulatório. Equilibra o terceiro chacra (plexo solar) e melhora a auto-expressão. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: terra. Objetivo: poder, proteção.

OBSIDIANA - Lava que resfriou muito rapidamente. Era usada em adivinhações pelos antigos astecas. Centraliza e mantém os pés no chão. Equilibra o estômago e o sistema intestinal. Ajuda a desbloquear o subconsciente. Energia: projetiva. Planeta: Saturno. Elemento: fogo. Objetivo: racionalização, adivinhações, paz. Chacra: básico.

OLHO DE TIGRE – Atrai pessoas solidárias e bens materiais. Centraliza energias e focaliza à mente e dá sorte.

OLIVINIA OU PERIDOTO – Libera a mente de pensamentos invejosos, aumenta a clareza mental, paciência e dá uma visão mais positiva da vida. Limpa o cólon e os intestinos. Desenvolve a visão interior para ver o futuro e traz inspiração. Energia: receptiva. Planeta: Vênus, Sol. Elemento: terra. Objetivo: proteção, cura, sucesso. Chacra: cardíaco. Tarot: A Imperatriz.

ÔNIX – Manifestas pensamento objetivo, inspiração espiritual e maior controle sobre emoções e paixões. Alivia apatia e "stress". Equilibra as qualidades femininas e masculinas. Usadas para proteção, autodefesa contra negatividade conscientemente dirigidas e ataques psíquicos. Energia: projetiva. Planeta: Marte e Saturno. Signo: Capricórnio. Elemento: fogo. Objetivo: proteção, força. Chacra: trabalha de acordo com a cor.

OPALA – Usado para relembrar vidas passadas. Ajuda a desenvolver o poder psíquico, traz para fora a beleza interior. Centraliza e ajuda a purificação espiritual. Abre um canal para ensinar a verdade. Tem a habilidade de ampliar os traços pessoais e deve ser usado apenas por aqueles que estão bem equilibrados e maduros. Ajuda problemas visuais. Energia: receptiva, projetiva. Planeta: todos. Signo: libra. Elemento: todos. Objetivo: projeção, astral, psiquismo, poder, sorte, beleza. Chacras: de acordo com a cor. Tarot: O Mundo.

PEDRA DA LUA – Traz amor, paz, harmonia e clarividência. Desenvolve e aumenta o acesso ao subconsciente. Trabalha com as emoções, especialmente aquelas que dão origem a ansiedade e ao "stress". Associado com a energia mãe. Pode ser usado em todos os problemas femininos e estomacais. Energia: receptiva. Planeta: Lua. Signo: Câncer. Elemento. Água. Objetivo: amor, adivinhação, proteção, psiquismo, paz. Chacras: cardíaco, esplênico. Tarot: A Lua.

PIRITA – Boa para o sistema circulatório e respiratório por conter ferro está ligado ao transporte de oxigênio dos pulmões. Ajuda a proteger a pele, o aparelho digestivo, diminuindo ã irritação da pele pela ingestão de alimentos. Reduz à ansiedade.

RODOCROSITA – Alimenta o amo próprio e a aceitação da auto confiança. Fortalece a auto identidade.

RUBI – Usado para preservar o corpo, melhorar a saúde mental. Remove obstáculos, sonhos ruins, aflições e pensamentos negativos. Ativa a kundaline. Amplia o pensamento, cria liderança inspirada divinamente. Melhor pedra para a cura do coração. O amor é elevado até a abnegação, amor universal, compaixão por toda a vida. Energia: projetiva. Planeta: Marte. Signo: Áries. Elemento: fogo. Objetivo: força, alegria, proteção, coragem, compaixão. Chacra: básico, cardíaco. Tarot: O Imperador.

SAFIRA – De acordo com a tradição budista, estimula o desejo da prece, devoção, iluminação espiritual e paz interior. Traz clareza, inspiração e une corpo, mente e espírito. Estimula habilidade psíquica, expande a consciência cósmica. Boa para meditação. Energia: receptiva. Planeta: Lua.. Signo: Câncer. Elemento: água. Objetivo: espiritualidade, meditação, paz, cura. Tarot: O Eremita. Chacra: laríngeo, terceiro olho.

SODALITA – Alivia temores subconscientes e culpa. Equilibra conflitos internos entre o consciente e o subconsciente. Dá coragem e persistência. Revigora o sistema linfático. Equilíbrio emocional para crescimento espiritual. Expressão criativa. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: água. Objetivo: cura, paz, meditação, sabedoria. Chacra: terceiro olho, laríngeo.

SUGILITA-AZUL ROYAL – Ajuda a meditação e a compreensão geral. Conduz a maior empatia, visões e compaixão. Equilibra os hemisférios cerebrais (direito e esquerdo). Abre o chacra coronário. Como elixir, mistura ao óleo de jojoba para massagens terapêuticas, especialmente para massagens de ajustamento dos ossos do crânio. Energia: receptiva. Planeta: Júpiter. Signo: Peixes. Elemento: água. Objetivo: psiquismo, espiritualidade, cura, sabedoria. Chacra: terceiro olho coronário.

TOPÁZIO – Forte ajuda no equilíbrio emocional, no renascimento espiritual. Acalma paixões, raivas, depressões. Aluda a regeneração dos tecidos. Dourado – inspira e estimula a mente superior e a alma. Excelente nos traumas nervosos, exaustão ou cansaço mental. Energia: projetiva. Planeta: Sol. Elemento: fogo. Chacra: plexo solar. Signo: Leão. Tarot: O Sacerdote. Azul – Calmante e inspirador. Forças elétricas e magnéticas, contém clareza, pureza e ajuda na busca espiritual. Energia: receptiva. Planeta: Lua. Elemento: água. Chacras: laríngeo, frontal ( terceiro olho).

TURMALINA – Desfaz medos e condições negativas. Aumenta a sensibilidade, inspiração e compaixão, compreendendo-as melhor. Grande poder de cura, forças elétricas bem fortes. Nivela os relacionamentos. Ampliador de pensamentos.

RUBELITA/ COR-DE-ROSA – Revigora o coração, sabedoria, força de vontade. Ativa a criatividade e fertilidade. Protege o corpo numa exposição demasiada a radiação. Atrai amor e amizade. Planeta: Vênus. Chacra: esplênico.

INDICOLITA/ AZUL – Ativa a garganta. Revigora os pulmões, laringe e tiróide. Usada para liberar o "stress" e ativar um sono tranqüilo. Energia : receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: água. Chacra: laríngeo. Tarot: O Eremita. VERDE- Equilibra todos os níveis. Acalma o cérebro, mente, nervos e ajuda na confiança. Esfregando a pedra, elimina "stress’. Abre o coração. Soluciona problemas com o pai. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: terra. Chacra: coração.

MELÂNCIA – Nivela a energia yin-yang. Elimina ódios, ciúmes, julgamento e aumenta o amor incondicional. Energia: projetiva e receptiva. Planeta: Marte, Vênus. Elementos: fogo, água. Chacra: cardíaco, básico. PRETA – Proteção contra negatividade. Grande poder de cura magneticamente eletricamente. As pedras pretas são as mais benéficas. Ajuda com os sonhos e abstrais pensamentos tornando-os mais reais. Energia: receptiva. Planeta: Saturno. Elemento: terra. Chacra: básico. Tarot: O Diabo.

TURQUEZA – Protege contra poluição do ambiente. Melhora a meditação, circulação e paz de espírito. Grande poder de cura. Pedras sagrada para budistas tibetanos. Um símbolo do mar e céu. O mar fala da profundeza da alma. O céu fala ascensão ilimitada. Energia receptiva. Planeta: Vênus, Netuno. Signo: Libra. Elemento: terra. Objetivo: amizade, amor, sorte, cura, proteção. Chacra: laríngeo. Tarot: A Imperatriz.

O que é características energética de um cristal ou pedra?
A germinação e o crescimento de um cristal estão sempre dependentes das condições físico-químicas do meio. As condições físico-químicas que determinam a gênese dos minerais são a maioria das vezes, muito complexas e, atualmente, impossíveis de reproduzir em laboratório. Os principais fatores condicionantes são a temperatura, a pressão e a concentração dos elementos químicos. Estes fatores não são independentes: numa solução, a solubilidade de um composto cresce com a temperatura, salvo raras exceções. Um cristal germinado a partir de uma solução sobressaturada cresce fixando as moléculas (unidades de crescimento) à sua superfície

- Quais são essas características energéticas
Piezoeletricidade é a capacidade de alguns cristais gerarem corrente elétrica por resposta a uma pressão mecânica. O termo deriva da palavra grega piezein, que quer dizer espremer ou pressionar. O efeito piezoelétrico é reversível pois os cristais piezoelétricos, quando sujeitos a uma voltagem externa, podem sofrer variações de forma. A deformação, cerca de 0,1% da dimensão original em PZT, tem aplicações importantes, tais como a produção e deteção de sons, geração de altas-voltagens e geração de frequência eletrónica
pireletricidade o desenvolvimento simultâneo de cargas elétricas positiva e negativa nas extremidades opostas de um eixo do cristal, sob condições adequadas de alteração da temperatura. Somente apresentam esta propriedade os cristais que possuem um único eixo polar.

Magnetismo:
 Diz-se que possuem magnetismo os minerais que, em seu estado natural, são atraídos por um ímã. Os dois únicos minerais comuns magnéticos são a magnetita e a pirotita. Existe uma variedade de magnetita que tem por si própria o poder de atração e a polaridade de um ímã verdadeiro. Muitos outros minerais, especialmente os que contêm ferro, são atraídos pelo campo magnético de um eletroímã poderoso

Asterismo:
  Alguns cristais, especialmente os do sistema hexagonal, quando vistos na direção do eixo vertical, mostram raios de luz como uma estrela. Este fenômeno, chamado asterismo, origina-se de peculiaridades de estrutura ao longo das direções axiais ou de inclusões dispostas em ângulos retos quanto a estas direções. O exemplo notável é a safira astérica ou estrelada.

Pleocroísmo:
  Alguns minerais possuem uma absorção seletiva da luz nas diferentes regiões cristalográficas, podendo, assim, aparecer com várias cores, quando vistos em diferentes direções na luz transmitida. Conhece-se esta propriedade como pleocroísmo. Exemplos comuns são a turmalina, a cordierita e o espodumênio.

Luminescência:
 Denomina-se luminescência qualquer emissão de luz por um mineral, que não seja o resultado direto da incandescância. Na maioria dos casos a luminescência é tênue, podendo ser observada somente no escuro. Existem vários tipos de luminescência:

  • Triboluminescência - O mineral se torna luminoso ao ser esmagado, riscado ou esfregado. Geralmente são minerais não-metálicos, anidros e de boa clivagem. Ex: fluorita, pectolita, calcita, ambligonita, feldspato, esfalerita e lepdolita.

  • Termoluminescência - O mineral emite luz visível quando aquecido a uma temperatura abaixo do vermelho. Também ocorre geralmente em minerais não-metálicos e anidros. Ex: fluorita, calcita, feldspato, lepidolita, escapolita e apatita.

  • Fluorescência e Fosforescência - Os minerais que se tornam luminescentes durante a exposição à luz ultravioleta, aos raios X ou aos raios catódicos são fluorescentes. Diz-se que um mineral é fosforescente se a luminescência perdura após a interrupção dos raios excitantes

Diafaneidade:
   Conhece-se por diafaneidade a propriedade que alguns minerais têm de permitirem que a luz os atravesse. Usa-se os seguintes termos para designar os diferentes graus dessa propriedade:

  • Transparente - O contorno de um objeto visto através do mineral é perfeitamente definido.

  • Translúcido - Não se consegue distinguir exatamente um objeto através dele, mas pode-se enxergar formas embaçadas.

  • Opaco - O mineral é opaco quando a luz não consegue atravessá-lo, mesmo em suas bordas mais delgadas.

  • Refração da luz:

   O poder de refração da luz que um mineral possui tem muitas vezes efeito distinto sobre a aparência do mineral. As substâncias com um índice de refração (n) alto, pouco comuns, têm aparência difícil de definir, falando-se geralmente em brilho adamantino. Alguns espécimes de diamante (n = 2,419) e de cerussita (n = 2,1), por exemplo, possuem uma cintilação tão intensa que chegam a apresentar aparência de aço, que os minerais de índice de refração baixo não possuem. Muitos minerais não-opacos possuem um índice de refração próximo de 1,5 o que lhes dá o brilho de vidro, designado como vítreo. Bons exemplos desses minerais são o quartzo e o feldspato.

  • Dupla refração da luz:

 Todos os minerais cristalinos, exceto os que pertencem ao sistema isométrico, mostram o fenômeno da dupla refração da luz. Isto é, quando um raio luminoso penetra num desses minerais, desdobra-se em dois raios divergentes, cada um deles caminhando através do mineral com velocidade característica e tendo seu índice de refração próprio. Na maioria dos minerais, essa dupla refração é tão pequena que só pode ser determinada com aparelhos especiais. A calcita, no entanto, exibe dupla refração tão forte que pode ser observada facilmente.

  • Piezeletricidade:

  Diz-se que um cristal possui piezeletricidade quando se desenvolve uma carga elétrica na sua superfície, ao exercer-se pressão noas extremidades de um de seus eixos. Somente podem mostrar esta propriedade os minerais que se cristalizam em classes de simetria a que falta um centro da mesma, tendo assim, eixos polares. O quartzo provavelmente é o mineral piezelétrico mais importante, pois uma pressão extremamente leve, paralelamente a um eixo, pode ser revelada pela carga elétrica produzida. Por causa disso, emprega-se o quartzo amplamente em placas cuidadosamente orientadas para controlar a frequência do rádio. Tem-se também utilizado a turmalina, em menor escala, na construção de aferidores de pressão.

  • Acatassolamento:

  Alguns minerais apresentam, sob a luz refletida, uma aparência sedosa que resulta de muitas inclusões dispostas paralelamente a uma direção cristalográfica. Quando se lapida uma gema, na forma de cabuchão, de um mineral destes, ele é cruzado por um feixe de luz que forma ângulos retos com a direção das inclusões. Esta propriedade, conhecida por acatassolamento, é exibida pelo olho-de-gato, uma variedade gemológica do crisoberilo.

  • Embaçamento:

Diz-se que um mineral exibe embaçamento quando a cor da superfície difere da do interior. Os minerais de cobre, a calcocita, a bornita e a calcoprita mostram com frequência o embaçamento depois que superfícies recentes foram expostas ao ar.

  • Opalescência:

Opalescência é a reflexão leitosa ou nacarada do interior de um cristal. Observa-se este fenômeno em algumas opalas, pedra-da-lua e olho-de-gato.

  • Iridescência:

Um mineral é iridescente quando mostra uma série de cores espectrais em seu interior ou sobre uma superfície. Uma iridescência interna é causada geralmente pela presença de pequenas fraturas ou planos de clivagem, ao passo que uma externa é causada pela presença de uma película ou revestimento superficial delgado.

O que são as características terapêuticas de um cristal ou Pedra?

Ao longo dos tempos a energia das pedras e dos cristais tem beneficiado o Homem. A ciência demonstrou que os minerais transmitem energia e esta é emitida através de vibrações. Durante a sua formação, todos os minerais sofrem um processo de cristalização ao atingirem uma determinada temperatura, este processo forma uma estrutura molecular interna que faz com as forças electromagnéticas dos minerais tenham uma freqüência regular e como tal, têm propriedades de equilibrar e harmonizar a energia pertencente a outros corpos criando efeitos benéficos e curativos.

O verdadeiro poder dos cristais está na força para modificar de forma positiva a vida psíquica e física do ser humano. Este poder surge das suas propriedades físicas e morfológicas estudadas pela mineralogia. Existem minerais com grandes poderes curativos.

Desde há milênios que os cristais são utilizados para terapias e para o restabelecimento do equilíbrio. Funcionam através da ressonância e da vibração.

É possível obter benefícios com cristais para complicações comuns, uma vez que se trata de remédios eficazes para primeiros socorros, especialmente quando são elaborados a partir de essências de gemas.

Alguns cristais contem minerais conhecidos pelas suas propriedades terapêutica.s
Os antigos terapeutas também sabiam que enquanto alguns cristais são fontes de energia ou calmantes, existem cristais que tanto tem um efeito sedativo num órgão hiperativo, como estimulam um órgão inativo, como por exemplo a Magnetite.

Há cristais que curam rapidamente, podendo provocar uma crise de cura, enquanto outros produzem os seus efeitos de uma forma bastante mais lenta.

As terapias holísticas trabalham na sua linguagem com aspectos energéticos, atuando diretamente sobre o corpo, como também nos ambientes normalmente freqüentados (em casa; no trabalho; etc.).

No corpo, é feita uma leitura inicial dos Chakras para, em seguida, se avaliar qual ou quais deles necessitam de uma aplicação de um ou de outro Cristal.

Nos ambientes, a idéia básica é concentrar ou repelir determinado tipo de energia, de acordo com a característica do local (quarto,  mesa de trabalho, ambiente de estudo, etc

Os cristais funcionam como amplificadores de energia nos processos de equilíbrio e autoconhecimento. A sua força consiste na capacidade de ampliar e direcionar nossos próprios poderes e, por isso, o mais importante ao se lidar com os cristais é que conseguimos sintonizar nossas vibrações com as vibrações dessas pedras. Trazendo para nosso benefício e de nossos clientes, a capacidade de interiorização das características vibracionais delas. Pode-se usar as pedras e os cristais como ferramentas para entrar em contato com o Eu interior, equilibrar nossos centros de energia e meridianos, e ainda, nas zonas reflexológicas como, pés e mãos, para trabalha-las terapeuticamente. Esses são os objetivos da utilização da Cristalterapia, ajudar como estímulos na Terapia Holística, iniciar uma busca através de autoconhecimento, nos capacitar (e aos nossos clientes)...

Os cristais conforme suas características físicas, energéticas e químicas,podem atuar no ser vivo, de forma terapêutica, com propriedades no plano físico, me3ntal e espiritual. A cor do cristal ou pedra pode acompanhar a cor do chakra que estiver  necessitando de mais cuidados.
Nos equilibrar e a superar obstáculos, alcançando a harmonia e a realização interior. Aplicações Terapêuticas na Holopuntura - Localizando os desequilíbrios: Podemos usar os "pontos de alarme" dos meridianos para descobrir onde está o desequilíbrio, e também a reflexologia (auricular, podal ou nas mãos) em conjunto com a pulsologia de Nogier para localiza-los. Pontos a serem estimulados: Descobrindo-se pelos pontos de alarme os meridianos em desequilíbrio, pelo toque no caminho do meridiano equivalente, os pontos que estiverem mais doloridos, serão os que necessitam ser estimulados. Já os pontos descobertos pela reflexologia, podal, das mãos ou auricular, já são os próprios pontos a serem estimulados.

Desde há milénios que os cristais são utilizados para terapias e para o restabelecimento do equilíbrio. Funcionam através da ressonância e da vibração.

È possível obter benefícios com cristais para complicações comuns, uma vez que se tratam de remédios eficazes para primeiros socorros, especialmente quando são elaborados a partir de essências de gemas.
Alguns cristais contêm minerais conhecidos pelas suas propriedades terapêuticas. O cobre, por exemplo,
reduz o inchaço e a inflamação. A Malaquite contém uma elevada concentração de cobre, que alivia as dores musculares e das articulações.

Os cristais são utilizados nas práticas médicas modernas. Os xamãs e os terapeutas de cristais dos tempos antigos já estavam familiarizados com a capacidade que os cristais têm de concentrar vibrações de som e de luz num feixe, que era em seguida utilizado na terapia. Rodar uma varinha de cristal na pele provoca uma compressão que liberta um feixe concentrado no órgão que se encontra por baixo.

Os antigos terapeutas também sabiam que enquanto alguns cristais são fontes de energia ou calmantes, existem cristais que tanto têm um efeito sedativo num órgão hiperativo, como estimulam um órgão inativo, como por exemplo a Magnetite.

Há cristais que curam rapidamente, podendo provocar uma crise de cura, enquanto outros produzem os seus efeitos de uma forma bastante mais lenta.

Os cristais captam a energia cósmica e são uma criação Divina. Devemos utilizá-los com sabedoria para o nosso crescimento pessoal e o crescimento da humanidade. Aprenda como usar o poder dos cristais e pedras preciosas para alcançar o equilíbrio físico e emocional e entrar em sintonia com as forças cósmicas do universo
Os cristais são arquivos cósmicos que guardam segredos e conhecimentos de antigas civilizações. Alguns chegam a afirmar que certas pedras não são originárias da Terra, mas foram trazidas para cá por extraterrestres para ajudar os homens a viver a transição para a Era de Aquário.

Os cristais funcionam como amplificadores de energia nos processos de cura, meditação e auto-conhecimento. A sua força consiste na capacidade de ampliar e direcionar nossos próprios poderes, e, por isso, o mais importante ao se lidar com os cristais é conseguir sintonizar corretamente nossas vibrações com as vibrações dessas pedras.

De todos os cristais, o límpido ou transparente é o mais poderoso, isso porque pode ser programado para qualquer tipo de cura. Além dele, existem os cristais coloridos e as pedras preciosas. O processo terapêutico com pedras é baseado no equilíbrio dos chacras, os centros de energia do organismo. Cada chacra está relacionado à determinado órgão e associado a uma cor. E é nessa cor que se baseia a terapia para escolher as pedras de cura.

As pedras desbloqueiam, liberam e reequilibram energias e emoções, aliviando sintomas negativos ou aflorando memórias e sensações importantes para o desenvolvimento pessoal. De cada cristal tira-se um proveito específico, mas no geral todos abrem os canais intuitivos, fortalecem, harmonizam e trazem amor para a vida de quem os utiliza.

Explique as características físicas de uma pedra ou cristal
A simetria das propriedades físicas de um cristal (entende-se como simetria da superfície tensorial mediante a qual se descreve a dita propriedade) está ligada com o seu grupo pontual de simetria. Esta relação se estabelece pela lei fundamental da cristalofísica conhecida como princípio de Neumann:

“O grupo de simetria de qualquer propriedade física do cristal deve incluir um grupo pontual
de simetria do cristal”.

Segundo o princípio de Neumann, a propriedade física do cristal deve ter todos os elementos da simetria do cristal.

Se no cristal atua um agente físico que possui uma simetria determinada, a simetria deste cristal situado no campo de ação do agente varia, e pode ser determinada por meio do princípio de superposição de simetrias, chamado princípio de Curie:

“O cristal que se encontra sob ação de um agente exterior possuirá aqueles elementos de simetria que são comuns tanto para o cristal na ausência do agente, como para o agente na ausência do cristal”.
Para aclarar a simetria do fenômeno resultante, tem importância não só a simetria dos fenômenos em interação como também a disposição mútua de seus elementos de simetria.
As propriedades físicas dos minerais resultam da sua composição química e das suas características estruturais. As propriedades físicas mais óbvias e mais facilmente comparáveis são as mais utilizadas na identificação de um mineral. Na maioria das vezes, essas propriedades, e a utilização de tabelas adequadas, são suficientes para uma correcta identificação. Quando tal não é possível, ou quando um elevado grau de ambiguidade persiste, como no caso de muitos isomorfos similares, a identificação é realizada a partir da análise química, de estudos de óptica ao microscópio petrográfico ou por difracção de raios X ou de neutrões. São as seguintes as propriedades físicas macroscópicas, isto é observáveis sem necessidade de equipamento sofisticado (por vezes designadas, por essa razão, por propriedades de campo):

 

Cor

É uma característica extremamente importante dos minerais. Pode variar devido a impurezas existentes em minerais como o quartzo, o corindo, a fluorite, a calcite e a turmalina, entre outros. Em outros casos, a superfície do mineral pode estar alterada, não mostrando sua verdadeira cor. A origem da cor nos minerais está principalmente ligada à presença de iões metálicos, fenómenos de transferência de carga e efeitos da radiação ionizante. Eis alguns exemplos:

  • Jadeíte — esverdeado;

  • Augita — verde escuro a preto;

  • Cassiterita — verde a castanho;

  • Pirita — amarelo-ouro.
     

O brilho depende da absorção, refracção ou reflexão da luz pelas superfícies frescas de fractura do mineral (ou as faces dos seus cristais ou as superfícies de clivagem). O brilho é avaliado à vista desarmada e descrito em termos comparativos utilizando um conjunto de termos padronizados. Os brilhos são em geral agrupados em: metálico e não metálico ou vulgar. Diz-se que o brilho é não metálico, ou vulgar, quando não é semelhante aos dos metais, sendo característico dos minerais transparentes ou translúcidos. Dentro das grandes classes atrás apontadas, o brilho de um mineral pode ser descrito como:

  • Brilhos não metálicos:

    • Acetinado — brilho não metálico que faz lembrar o brilho do cetim; é característico dos minerais fibrosos;

    • Adamantino — brilho não metálico que, pelas suas características, nomeadamente a intensidade, se assemelha ao do diamante (são exemplos a pirargirita e a cerussita;

    • Ceroso — brilho não metálico que lembra o da cera (é exemplo a variscita);

    • Nacarado — brilho não metálico semelhante ao das pérolas (é exemplo a caulinita);

    • Resinoso — brilho não metálico que lembra o observado nas superfícies de fractura das resinas (é exemplo a monazita);

    • Vítreo — brilho não metálico que lembra o do vidro (são exemplos a fluorita, a halita e a aragonita);
       

  • Brilhos metálicos:

    • Metálico — brilho que se assemelha ao dos metais, sendo característico de minerais opacos como a galena, a calcopirita e a pirita;

    • Submetálico — brilho que faz lembrar o dos metais, mas não tão intenso, sendo característico dos minerais quase opacos como a cromita.
       

A cor do traço de um mineral pode ser observada quando uma louça ou porcelana branca é riscada. A clorite, a gipsita (gesso) e o talco deixam um traço branco, enquanto o zircão, a granada e a estaurolita deixam, comummente, um traço castanho avermelhado. O traço de um mineral fornece uma importante característica para sua identificação, já que permite diferenciar materiais com cores e brilhos similares.

É a forma como muitos minerais se quebram seguindo planos relacionados com a estrutura molecular interna, paralelos às possíveis faces do cristal que formariam. A clivagem é descrita em cinco modalidades: desde pobre, como na bornita; moderada; boa; perfeita; e proeminente, como nas micas. Os tipos de clivagem são descritos pelo número e direcção dos planos de clivagem.

Refere-se à maneira pela qual um mineral se parte, excepto quando ela é controlada pelas propriedades de clivagem e partição. O estilo de fracturação é um elemento importante na identificação do mineral. Alguns minerais apresentam estilos de fracturação muito característicos, determinantes na sua identificação. Minerais com fractura conchoidal, por exemplo, são: quatzo, zircão, ilmenita, calcedônia, opala, apatita.

Expressa a resistência de um mineral à abrasão ou ao risco. Ela reflecte a força de ligação dos átomos, iões ou moléculas que formam a estrutura. A escala de dureza mais frequentemente utilizada, apesar da variação da dureza nela não ser gradativa ou proporcional, é a escala de Mohs, que consta dos seguintes minerais de referência (ordenados por dureza crescente):

  • 1 – Talco;

  • 2 – Gipsita;

  • 3 – Calcita;

  • 4 – Fluorita;

  • 5 – Apatita;

  • 6 – Ortoclase;

  • 7 – Quartzo;

  • 8 – Topázio;

  • 9 – Corindo;
     

É a medição directa da densidade mássica, medida pela relação directa entre a massa e o volume do mineral.
Mede a coesão de um mineral, ou seja, a resistência a ser quebrado, dobrado ou esmagado. A tenacidade não reflecte necessariamente a dureza, antes sendo dela geralmente independente: o diamante, por exemplo, possui dureza muito elevada (é o termo mais alto da escala de Mohs), mas tenacidade relativamente baixa, já que quebra facilmente se submetido a um impacto. A tenacidade dos minerais é expressa em termos qualitativos, utilizando uma linguagem padronizada:

  • Quebradiço ou frágil – o mineral parte-se ou é pulverizado com facilidade;

  • Maleável – o mineral, por impacto, pode ser transformado em lâminas;

  • Séctil – o mineral pode ser cortado por uma lâmina de aço;

  • Dúctil – o mineral pode ser estirado para formar fios;

  • Flexível – o mineral pode ser curvado sem, no entanto, voltar à sua forma original;

  • Elástico – o mineral pode ser curvado, voltando à sua forma original quando o forçamento cessa.
     

Ocorre nos poucos minerais que devido à sua natureza ferromagnética são atraídos por um íman. Os exemplos mais comuns são a magnetite, a pirrotite e outros com elevado teor de metais que podem ser magnetizados após aquecimento, como o manganês, o níquel e o titânio.
É a relação do peso de um mineral quando comparado com o peso de igual volume de água. Para isto, o mineral deve ser pesado imerso em água e ao ar. O processo utiliza a balança de Jolly, aplicando a seguinte fórmula:

 

onde b é o peso do mineral fora da água; a referência inicial da balança ou calibragem em zero; e o peso do mineral dentro da água. Assim, por exemplo, se um mineral tem peso específico 3,0 determinada pelo processo descrito, tal significa que ele pesa três vezes mais que igual volume de água.

A forma do cristal é muito importante na identificação do mineral, pois ela reflecte a organização cristalina da estrutura dos minerais e dá boas indicações sobre o sistema de cristalização do mineral. Algumas vezes o cristal é tão simétrico e perfeito nas suas faces que coloca em dúvida a sua origem natural. Porém, os cristais perfeitos são muito raros, pelo que a maioria dos cristais apenas desenvolve algumas de suas faces.

Bibliografia:
1-Bowman, Catherine. Ed. Siciliano.Brasil.1989.
2- Cavalcanti, Virgínia. O Equilíbrio da Energia Está no Salto do Tigre. Ed. Objetiva.Brasil.1989.
3-Chocron, Daya Sarai. A Cura com Cristais e Pedras Preciosas. Ediouro.Brasil.1983.
4- Duncan, Antonio. A B C dos Cristais. Ed. Nórdica.Brasil. 1992.
5-Johari, Harish. O Poder de Cura das Pedras Preciosas. Ed.Pensamento.Brasil.1988.
6- Palmer, Magda. O Poder Curativo dos Cristais. Edições 70.Brasil.1988.
7-Raphael, Katrina. As Propriedades Curativas dos Cristais e das Pedras Preciosas. Ed.Pensamento.Brasil.
8-Raphael, Katrina. A cura pelos Cristais. Ed.Pensamento.Brasil.1987.
9-Rosa, José Alberto. O Poder dos Cristais. Ed.Record.Brasil.1989.
10-Schumann, Walter.Gemas do Mundo. Ed. Ao Livro Técnico S. A.Brasil.1985.
11-Silbey, Uma. O Guia Completo do Cristal. Ed.Record.Brasil.1986.
12-Stevens, Jose e Stevens, Lena. Os Segredos do Xamanismo. Ed. Objetiva.Brasil.1992.
13 Sullivan, Kevin. A Magia dos Cristais. Ed. Objetiva.1987.
14-Uyldert, Mellie. A Magia das Pedras Preciosas. Ed.Pensamento.Brasil.1981.

Demerson Venditti
Fonte do artigo: Semente Sagrada (blogspot
clickdasfadas.blogspot.com/2009/08/uma-aula-d...

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Earth science for the global community
www.geoscied.org

Planet Earth
www.esfs.org/planet.htm

Insituto de Geociências da USP
www.igc.usp.br

Instituto Geológico de São Paulo
www.igeologico.sp.gov.br

Museu de Geociências da USP
www.igc.usp.br/museu

BBC Interactive Timeline
www.bbc.co.uk/education/rocks /flash/indexfull.html

Geopor na Escola
www.geopor.pt/gne/index.html

Mineropar - Minerais do Paraná S.A.
www.pr.gov.br/mineropar/

Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil
www.unb.br/ig/sigep/sitios.htm

Sociedade Brasileira de Geologia
www.sbg.igc.usp.br

Iniciação à palenteologia e à história da Terra
fossil.uc.pt

Associação Brasileira de Águas Subterrâneas
www.abas.org.br

Brasil Visto do Espaço
www.cdbrasil.cnpm.embrapa.br

Depto de Petrologia e Metalogenia do Instituto de Geociências e Ciências Exatas - UNESP
jade.igce.unesp.br/
www.krystalos.com.br/?acao=artigos&topico=Cri...

Portal de Recursos Minerais
www4.prossiga.br/recursosminerais/

Tabela de tempo geológico
www.labgis.uerj.br/geologia/dgrg/webdgrg/Timescale/inicial.htm

Curso de Engenharia Geológica da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto
www.degeo.ufop.br/Portugues/ambiental/index.htm

Terra planeta vivo
domingos.home.sapo.pt/index.htm

Depto de Geologia Aplicada do Instituto de Geociências e Ciências Exatas - UNESP
ns.rc.unesp.br/igce/aplicada/

Fábio Braz Machad
Site médico- terapia alternativas
blogs.abril.com.br/janaina-garcia?pageno=4

Os chakras - ...::Sandy Baralho Cigano
www.espacocristalino.com.br
www.litoterapia.com.br
www.elixirdecristais.com.br
www.abralito.com.br
www.angelicalisanty.blogspot.com
explicadinho.blogspot.com/2008/07/o-poder-dos...

BATEMAN, A. Yacimientos Minerales de Rendimiento Economico. Barcelona: Omega, 1968, 752 p.

CRAIG, J.R.; VAUGHAN, D.J. & SKINNER, B.J. Resources of the Earth, Origen, Use, and Environmental Impact. Upper Saddle River: Prentice Hall, 2001, 520 p.

KLEIN, C. The Manual of Mineral Science. New York: John Wiley & Sons, 2003, 646 p.

MILOVSKY, A.V. & KONONOV, O.V. Mineralogy. Moscow: Mir Publishers, 1985, 320 p.

 

BETEJTIN, A. Curso de Mineralogía. Moscú, Mir, 1970, 739p.

KLEIN, C. The Manual of Mineral Science. New York: John Wiley & Sons, 2002, 646 p.

KLEIN, C. & HURBULT Jr., C. S. Manual of Mineralogy. New York, John Wiley & Sons, 1998, 681p.

MILOVSKY, A. V. & KONONOV, O. V. Mineralogy. Moscow, Mir, 1985, 320p.

NEVES, P. C. P., SCHENATO, F. & BACHI, F.A. Introdução à Mineralogia Prática. Canoas: Editora Ulbra, 2003, 236p.

Marilena Rodriguez terapiafloralon-line.blogspot.com/2008/06/16-...

Referências. Saiba mais sobre as pedras preciosas [Gemas]


LINKS:
IBGM - Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos - Link
Gema (mineralogia) - Wikipédia - Link

Lenda Viva - Link

Blue Nile (Diamantes) - Link (inglês)

 

 

LIVROS:
A Magia das Pedras Preciosas
- Livro
Autor: Mellie Uyldert
Sinopse: Através da História, as pedras preciosas têm sido usadas, não apenas por sua beleza ou raridade, mas também por seus poderes secretos. Durante séculos, elas foram usadas como auxiliares indispensáveis para o aprimoramento da vida espiritual, assim como para aumentar a percepção psíquica, para inspirar amor e como poderosos agentes de cura. Leia este livro e descubra essas e outras funções das pedras preciosas.
Editora: Pensamento
158 págs.

Gemas: Guia prático - Livro
Autor: Nobel Editora
Sinopse: Neste livro o autor apresenta diversos tipos de gemas e pedras preciosas existentes no Brasil e no Mundo. Aprenda a reconhecer e classificar os diversos minerais a partir de suas principais características.
Editora: Nobel
64 páginas - Acabamento: capa dura

Enciclopédia de Cristais, Pedras Preciosas e Metais - Livro
Autor: Scott Cunningham
Sinopse: O nome diz tudo. Este livro traz as correspondências elementais e astrológicas de cada "pedra". Além das informações genéricas sobre o uso de cada "pedra" (gema, pedra, cristal, resina, etc) na cura, e na magia geral, ainda traz exemplos de feitiços a se fazer aproveitando o poder de cada uma.

Editora: Gaia231 págs.

CONTATOS

Tels.: 3816-1137 • 3816-3780 • 3814-9396 • 9-9999-0506
wilma.nubiato@yahoo.com.br

COMO CHEGAR

Rua Paulistânia, 593 - Sumarezinho - São Paulo

MENSAGENS

Preencha o formulário abaixo e envie-nos sua mensagem

Psicovia Terapia do Ser - 2016 - Todos os direitos reservados. -

Desenvolvimento