Descobrindo suas reencarnações

A reencarnação é uma crença presente em diversas religiões mas que têm divergências de acordo com o local onde se vive. É um tema polêmico e mesmo nas religiões milenares e ancestrais não se encontram provas lógicas de sua existência, mas os indícios são muitos. Em algumas religiões – especialmente as ocidentais – acredita-se que as almas podem voltar a terra por diferentes motivos mas sempre para habitar outro corpo humano, em religiões orientais já acredita-se que se a alma foi ruim em vidas passadas, ela poderá reencarnar em animais.  Seja como for, os indícios da reencarnação são semelhantes nas diversas religiões que acreditam nela, veja os principais sinais de que você já reencarnou neste planeta.

O conceito de reencarnação está impregnado de fé e misticismo. Mas a multiplicação de relatos impressionantes de lembranças e marcas de supostas vidas passadas atrai cada vez mais o interesse da ciência

Marcos de Moura e Souza

Em uma das mais prestigiosas universidades públicas dos Estados Unidos, a Universidade de Virgínia, pesquisadores da área de saúde mental dedicam-se há décadas a desafiar os céticos. Ali são estudados, entre outros casos que ultrapassam os contornos da ciência convencional, relatos sobre reencarnação, muitos deles submetidos à checagem. Resultados conclusivos não há, mas eles são, no mínimo, intrigantes. À frente da Divisão de Estudos da Personalidade está o mais famoso pesquisador sobre o assunto, o já octogenário Ian Stevenson. Seus livros e textos em publicações científicas descrevem casos de crianças que se recordariam de vidas passadas e de pessoas com marcas de nascença que teriam sido originadas por cicatrizes de existências anteriores.

Stevenson e sua equipe avaliam casos de reencarnação da forma que consideram a mais acurada possível. Fazem entrevistas, confrontam a versão narrada com documentações, comparam descrições com fatos que só familiares da pessoa morta poderiam saber. Por tudo isso, ele se tornou um dos maiores responsáveis por ajudar a deslocar – ainda que apenas um pouco – o conceito de reencarnação do campo da fé e do misticismo para o campo da ciência.

Mas o que leva esse renomado médico, com mais de 60 anos de carreira, e tantos outros pesquisadores a encararem a reencarnação como uma hipótese válida?

Bem, são histórias como, por exemplo, a de Swarnlata Mishra, uma menina nascida em 1948 de uma rica família da Índia e que se tornou protagonista de um dos casos clássicos – digamos assim – da literatura médica sobre vidas passadas. A história é descrita em um dos livros de Stevenson, Twenty Cases Suggestive of Reincarnation (“Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação”, sem versão brasileira), e se assemelha a outros registrados pelo mundo sobre lembranças reveladoras ocorridas, principalmente, na infância. Mas, ao contrário da maioria, não está relacionado a mortes violentas, confrontos ou traumas.

A história de Swarnlata é simples. Aos 3 anos de idade, viajava com seu pai quando, de repente, apontou uma estrada que levava à cidade de Katni e pediu ao motorista que seguisse por ela até onde estava o que chamou de “minha casa”. Lá, disse, poderiam tomar uma xícara de chá. Katni está localizada a mais de 160 quilômetros da cidade da menina, Pradesh. Logo em seguida, Swarnlata começou a descrever uma série de detalhes sobre sua suposta vida em Katni. Disse que lá seu nome fora Biya Pathak e que tivera dois filhos. Deu detalhes da casa e a localizou no distrito de Zhurkutia. O pai da menina passou a anotar as “memórias” da filha.

Recordações de mãe

Sete anos depois, em 1959, ao ouvir esses relatos, um pesquisador de fenômenos paranormais, o indiano Sri H. N. Banerjee, visitou Katni. Pegou as anotações do pai de Swarnlata e as usou como guia para entrevistar a família Pathak. Tudo o que a menina havia falado sobre Biya (morta em 1939) batia. Até então, nenhuma das duas famílias havia ouvido falar uma da outra.

Naquele mesmo ano, o viúvo de Biya, um de seus filhos e seu irmão mais velho viajaram para a cidade de Chhatarpur, onde Swarnlata morava. Chegaram sem avisar. E, sem revelar suas identidades ou intenções aos moradores da cidade, pediram que nove deles os acompanhassem à casa dos Mishra. Stevenson relata que, imediatamente, a menina reconheceu e pronunciou os nomes dos três visitantes. Ao “irmão”, chamou pelo apelido.

Semanas depois, seu pai a levou para Katni para a casa onde ela dizia ter vivido e morrido. Swarnlata, conta Stevenson, tratou pelo nome cada um dos presentes, parentes e amigos da família. Lembrou-se de episódios domésticos e tratou os filhos de Biya (então na faixa dos 30 anos) com a intimidade de mãe. Swarnlata tinha apenas 11 anos.

As duas famílias se aproximaram e passaram a trocar visitas – aceitando o caso como reencarnação. O próprio Stevenson testemunhou um desses encontros, em 1961. Ao contrário de muitos casos de memórias relatadas como de vidas passadas, as da menina continuaram acompanhando-a na fase adulta – quando Swarnlata já estava casada e formada em Botânica.

Assim como esse, há milhares de outros episódios intrigantes, alguns mais e outros menos verificáveis. Somente na Universidade da Virgínia há registros de mais de 2500 casos desse gênero. Acontece que, para a ciência, a ocorrência de casos isolados, ainda que numerosos, não prova nada. Os céticos atribuem essas histórias a fraudes, coincidências ou auto-induções às vezes bem intencionadas.

Mas, embora a ciência duvide da reencarnação, a humanidade convive com a crença nela faz tempo. De acordo com algumas versões, o conceito de reencarnação chegou ao Ocidente pelas mãos do matemático grego Pitágoras. Durante uma viagem que fizera ao Egito, ele teria ouvido diversas histórias e assistido a cerimônias em que espíritos afirmavam que vinham mais de uma vez à Terra, em corpos humanos ou de animais. O mesmo conceito – com variações aqui e ali – marcou religiões orientais, como o bramanismo e o hinduísmo (e, mais tarde, o budismo), e também religiões africanas e de povos indígenas, segundo Fernando Altmeier, professor de Teologia da PUC de São Paulo. Na verdade, “a reencarnação nasce quase ao mesmo tempo que a idéia religiosa tanto no Ocidente quanto no Oriente, com os egípcios, os gregos, os africanos e os indígenas”, diz Altmeier. A idéia, porém, não deixou traços – pelo menos não com a mesma força – nas três religiões surgidas de Abraão: o judaísmo, o cristianismo e o islamismo.

No século 19, o francês Hippolyte Leon Denizard Rivail – ou Allan Kardec – e outros estudiosos dedicaram-se a um tema então em voga na Europa: os fenômenos das mesas giratórias, em que os sensitivos alegavam que espíritos se manifestavam com o mundo dos vivos. Kardec escreveu uma série de livros sobre as experiências mediúnicas que observou e, tendo como base a idéia da reencarnação, fundou a doutrina espírita. Para os espíritas, reencarnação é um ponto pacífico. Mas muitos deles preferem dar crédito a relatos embasados no cientificismo. “Dirijo a área de assistência espiritual na Federação Espírita do Estado de São Paulo, por onde passam 200 mil pessoas por mês, mas, no que diz respeito à fenomenologia, sou mais pé no chão, sou muito rigoroso”, afirma o advogado Wlademir Lisso, de 58 anos.

Terapias e evidências

Nas aulas que dá na federação sobre espiritismo e ciência, Lisso – que é autor de três livros – se baseia, sobretudo, nas pesquisas feitas por universidades estrangeiras, que considera mais confiáveis. Lisso diz que já perdeu as contas das vezes que ouviu pessoas lhe dizendo que tinham lembranças de outras vidas, algumas, talvez, por meio das chamadas terapias de vidas passadas. “Terapias, por si só, não provam nada”, diz Lisso, referindo-se a uma prática que supostamente leva a pessoa a escarafunchar memórias tão remotas quanto as de duas, três encarnações anteriores. Os espíritas não recomendam a experiência. “Até os anos 50, flashes ou outras manifestações eram considerados distúrbios mentais”, diz Lisso. Com o tempo, ganhou eco a explicação de que muitos desses sintomas poderiam ser evidências de existências passadas.

No Brasil, um dos poucos que seguiram a linha da investigação mais científica foi Hernani Guimarães Andrade, que morreu há quase dois anos. Autor de diversos livros, entre eles Reencarnações no Brasil (O Clarim, sem data), Andrade conta o caso de uma menina paulistana, identificada apenas como Simone. Nos anos 60, quando tinha então pouco mais de 1 ano, ela começou a pronunciar palavras em italiano, sem que ninguém a tivesse ensinado. Passou também a relatar lembranças que remontavam à Segunda Guerra Mundial. Seu relato era tão vívido que familiares se renderam à idéia de que fragmentos de uma encarnação passada ainda pairavam em sua mente. A avó da menina registrou, em um diário, mais de 30 palavras em italiano pronunciadas pela neta e histórias de explosões, médicos, ferimentos e morte. As recordações pararam de jorrar quando a menina tinha por volta de 3 anos.

Mas as supostas memórias de crianças como Simone e Swarnlata não são os únicos sinais que chamam a atenção dos estudiosos. Em várias universidades ao redor do mundo, os pesquisadores passaram a examinar também marcas de nascença – associadas a lembranças – como possíveis evidências de reencarnação. O mesmo Stevenson reuniu um punhado desses casos num estudo divulgado em 1992. Segundo o levantamento feito com 210 crianças que alegavam ter lembranças de outras vidas, cerca de 35% apresentavam marcas de nascimento na pele. Em 49 casos, foi possível obter um documento médico, geralmente um laudo de necropsia, das pessoas que as crianças haviam supostamente sido em outra encarnação. A correspondência entre o ferimento que causara a morte e a marca de nascença foi considerada, no mínimo, satisfatória em 43 casos (88%), segundo Stevenson.

Um exemplo citado por ele é o de uma criança da antiga Birmânia que dizia se lembrar da vida de uma tia que morrera durante uma cirurgia para corrigir um problema cardíaco congênito. Essa menina tinha uma longa linha vertical hipopigmentada no alto do abdome. A marca correspondia à incisão cirúrgica da tia. Stevenson recorre a uma frase do escritor francês Stendhal para se referir a casos de memórias e de marcas que, às vezes, podem passar despercebidos: “Originalidade e verdade são encontradas somente nos detalhes”.

Reencarnação – reconheça os sinais que indicam que você já reencarnou

1- Medos e atitudes inexplicáveis
Existem medos e fobias que não têm qualquer explicação lógica: por exemplo, medo de água sem nunca ter passado por sensação de afogamento ou medo de escada sem nunca ter caído de uma. Esses medos e atitudes inexplicáveis podem ser resultado de um problema ocorrido na vida passada, uma alma que morreu afogada pode reencarnar e trazer esse medo para o novo ser reencarnado.


2- Deja Vu
Sabe aquela sensação de “eu já vi essa cena antes” ou “eu já vivi esse momento”? Eles não possuem qualquer explicação científica, então se acredita que isso acontece se você está enfrentando uma situação que já vivenciou em uma vida passada, e assim tem uma experiência através do tempo lembrando-se de algo que aconteceu em outra vida.


3- Sonhos recorrentes
Muitas vezes temos um sonho recorrente, sem qualquer explicação lógica para ele. Pode ser um sonho completo que volta e meia você sonha, ou algum elemento presente em diferentes sonhos. Esse elemento pode ser uma pessoa, um lugar, um animal, um objeto, qualquer coisa.  Pode ser também alguém de uma vida passada que está tentando te dizer alguma coisa importante e você precisa decifrar o sonho, como ainda não conseguiu ela continua retornando com a mesma mensagem via sonho.


4- Lembrança de um lugar que você nunca conheceu
Você vai algum lugar (ou vê fotografias ou um vídeo) de um lugar que nunca esteve e esse lugar lhe é familiar. Você nunca o tinha visto antes, mas sente ali um conforto, um acolhimento, como se já tivesse morado por ali, como se ali pudesse ser o seu lar. De fato pode ter sido em vidas passadas! O sentimento de pertencimento e muitas vezes as lembranças de alguns fatos sobre aquele lugar (que você tem certeza que nunca viu leu em lugar nenhum) também podem ser sinais de reencarnação.


5- Marcas de nascença
Algumas religiões apontam que a marca de nascença tem relação com a morte que a alma teve em outra vida. Há pessoas que nascem com marcas semelhantes a tiros ou a marcas de facas ou machados, por exemplo, e então dizem que a marca de nascença revela como essa pessoa morreu. Muitas vezes duas almas que conviveram podem se reconhecer através da marca de nascença.

Reencarnação – reconheça os sinais que indicam que você já reencarnou

1- Medos e atitudes inexplicáveis
Existem medos e fobias que não têm qualquer explicação lógica: por exemplo, medo de água sem nunca ter passado por sensação de afogamento ou medo de escada sem nunca ter caído de uma. Esses medos e atitudes inexplicáveis podem ser resultado de um problema ocorrido na vida passada, uma alma que morreu afogada pode reencarnar e trazer esse medo para o novo ser reencarnado.


2- Deja Vu
Sabe aquela sensação de “eu já vi essa cena antes” ou “eu já vivi esse momento”? Eles não possuem qualquer explicação científica, então se acredita que isso acontece se você está enfrentando uma situação que já vivenciou em uma vida passada, e assim tem uma experiência através do tempo lembrando-se de algo que aconteceu em outra vida.


3- Sonhos recorrentes
Muitas vezes temos um sonho recorrente, sem qualquer explicação lógica para ele. Pode ser um sonho completo que volta e meia você sonha, ou algum elemento presente em diferentes sonhos. Esse elemento pode ser uma pessoa, um lugar, um animal, um objeto, qualquer coisa.  Pode ser também alguém de uma vida passada que está tentando te dizer alguma coisa importante e você precisa decifrar o sonho, como ainda não conseguiu ela continua retornando com a mesma mensagem via sonho.


4- Lembrança de um lugar que você nunca conheceu
Você vai algum lugar (ou vê fotografias ou um vídeo) de um lugar que nunca esteve e esse lugar lhe é familiar. Você nunca o tinha visto antes, mas sente ali um conforto, um acolhimento, como se já tivesse morado por ali, como se ali pudesse ser o seu lar. De fato pode ter sido em vidas passadas! O sentimento de pertencimento e muitas vezes as lembranças de alguns fatos sobre aquele lugar (que você tem certeza que nunca viu leu em lugar nenhum) também podem ser sinais de reencarnação.


5- Marcas de nascença
Algumas religiões apontam que a marca de nascença tem relação com a morte que a alma teve em outra vida. Há pessoas que nascem com marcas semelhantes a tiros ou a marcas de facas ou machados, por exemplo, e então dizem que a marca de nascença revela como essa pessoa morreu. Muitas vezes duas almas que conviveram podem se reconhecer através da marca de nascença.

WILMA          ANTONIA NUBIATO-nasci num –sábado

O dia da semana tem referência a nossa vida passada O que trazemos conosco de outra vida. O que aprendemos.

Somando a data do nascimento encontramos o nosso raio- é a nossa missão nessa vida atual, o que viemos aprender.

5-9-3-4-1 –

22

4


ANTONIA

1-5-2-6-5-9-1

29

11


NUBIATO

5-3-2-9-1-2-6

28

10


Soma total dos nomes

222928- conexão com os mestres


Soma final dos nomes

41110- conexão com os anjos protetores


Total das somas-

7- conexão divina-ligado ao sétimo raio


Vogais

Nome do templo sagrado.

IA  

9-1 -        10


 AOIA 

1-6-9-1-  91


 UIAO

3-9-1-6- 19


Soma total das vogais

109119- conexão e entrada para o templo sagrado- meditação fechando os olhos visualizando o numero assim que for visualizando observamos o nosso templo sagrado a missão que vivenciamos no passado e o que o mestre nos diz da nossa missão agora. Podemos visualizar ao dormir para buscar conhecimento nesse templo sagrado.

91-1691-3.916


Primeira soma- O nosso primeiro nome

91-reencarnação que já vivemos

 

1691- penúltima reencarnação- A soma do nosso segundo nome

 

Soma do nosso sobrenome- o que carregamos da nossa ancestralidade.

3916- as que faltam diminuindo com o ano que nascemos.(sobrenome)

3916 subtraindo de 1956 data do nascimento- faltam somente 07()

Quando tiver dois números 34-exemplo soma- 3+4- faltam 7)

Para saber o sexo que fomos na última reencarnação utilizamos o gráfico abaixo. Ou se nossa reencarnação foi antes ou depois de cristo utilizamos a radiestesia. Como também o local utilizando do mapa mundi e a radiestesia saberemos onde foi o local que nascemos.

Número do Destino

Calculado pela data de nascimento
Define o caminho e o lugar no mundo.
Revela informações sobre o destino e as grandes lições que irá aprender durante a vida.
Permite uma visão panorâmica das oportunidades e desafios que irá encontrar no caminho e as características pessoais que irão ajudar nesta jornada.

 

Pontos positivos do número do destino
São as habilidades naturais que possui


Pontos negativos do número do destino
São as características que deve aprender a equilibrar


Como calcular o número do destino
Para descobrir o número do destino basta somar os dígitos da data de nascimento e reduzir a um só número.


Exemplo 1
Uma redução
Data de nascimento 11 de outubro de 1967
Dia de nascimento – 11
Mês de Nascimento – 10
Ano de nascimento – 1967
Some todos os números
1 + 1 + 1 + 1 + 9 + 6 + 7 = 26
Some para ter um único número final
2 + 6 = 8
O 8 é o número do destino.


Exemplo 2
Duas reduções
Data de nascimento 29 de dezembro de 1987
Dia de nascimento – 29
Mês de Nascimento – 12
Ano de nascimento – 1987
Some todos os números
2 + 9 + 1 + 2 + 1 + 9 + 8 + 7 = 39
Some para ter um único número final
3 + 9 = 12
Some novamente até ter um único número
1 + 2 = 3
O 3 é o número do destino.


Exemplo 3
Números Mestres 11 e 22
Data de nascimento 02 de janeiro de 2001
Dia de nascimento – 07
Mês de Nascimento – 01
Ano de nascimento – 2001
Some todos os números
7 + 1 + 2 + 1 = 11 (Atenção – Não se soma até reduzir a um único número)
O 11 é o número do destino.


Números Mestres
Na numerologia existem dois números aos quais devemos dar atenção especial, o número 11 e o número 22.
Estes são os números mestres e não podem ser reduzidos, então se a soma dos algarismos do ano de nascimento for 11 ou 22, não os reduza.
A repetição dos algarismos nos números mestres potencializa as vibrações destes, como se isso “dobrasse” a sua potência.
O número 11 é essencialmente o número 2, mas uma vibração mais elevada deste.
O número 22 é essencialmente o número 4, mas uma vibração mais elevada deste.


Significado resumido dos números do destino

Número 1
É caracterizado pelos desejos do individualismo, pela independência e pela necessidade de realização pessoal.
Tem por finalidade nesta vida de se tornar independente.


Número 2
Os atributos positivos do número 2 produzem pessoas extremamente sensíveis que têm geralmente habilidades mais delicadas de ser equilibradas favoravelmente.
É uma pessoa que vê claramente o espectro de pontos devistas, bem como, é uma pessoa que pode ser mediadora em discussões e disputas.


Número 3
A pessoa com o numero 3 no Caminho da Vida enfatiza a expressão, sociabilidade e a criatividade como a lição a ser aprendida nesta vida.
Encontramos nesse grupo pessoas alegres, brilhantes, efervescentes e com atitudes muito otimistas.
Possuem habilidades criativas excepcionais, normalmente na oratória, na escrita e no discurso.


Número 4
O objetivo do caminho número 4 é de assumir ordens com dedicação e perseverança.
Sempre assume um pouco mais do que os outros.
Uma vez tomada à decisão, faz de tudo para concluir de uma maneira correta e segura.
A sua habilidade para realizar uma tarefa é assumida com tenacidade que pode alcançar o limite da obsessão.


Número 5
Pessoa que se esforça em sempre encontrar respostas a muitas perguntas que a vida apresenta.
É uma pessoa totalmente livre e independente.
Não aprecia realizar tarefas diárias e rotineiras.
É um bom comunicador e sabe motivar as pessoas.
Tem boa tendência de se tornar um professor.
Muitas oportunidades, mudanças e aventuras são oferecidas durante a vida.


Número 6
Tem um sentido forte de responsabilidade para com a família e a comunidade. É idealista e sente-se útil e feliz.
Ajuda as pessoas que o procuram, colocando o bem-estar do grupo, da família e da comunidade acima do seu.
Tem um bom senso de justiça e procura encontrar o equilíbrio em situações em que haja conflito.


Número 7
Pessoa que procura conhecer a si próprio e confiar na sua intuição para então encontrar o seu caminho.
Procura buscar resposta do mistério da vida através de um trabalho de autoconhecimento.
Procura compreender a vida estudando filosofia em geral e as ciências esotéricas, nas quais encontrará informações e conceitos fundamentais para a sua realização.


Número 8
É focalizado em lidar com as satisfações a ser encontradas no mundo material e o poder.
Age com determinação e conhecimento do que está fazendo.
Pessoa muito poderosa, confiável e materialmente bem sucedida.
Poderá construir um império comercial e o seu sucesso será motivo de inspiração para muita gente.


Número 9
Esta pessoa pode desenvolver a compaixão, a generosidade e a capacidade de doar-se sem esperar nada em troca, pelo simples prazer de ser útil a alguém.
Possui uma atitude muito humanitária.
Tende a ser sensível e idealista, pois, vê o mundo com muitos sentimentos e compaixão.
Poderá ficar frequentemente desapontado com as imperfeições do mundo.


Número 11
Está associada com a iluminação, a consciência espiritual.
O caminho da vida é extremamente intuitiva, idealista, perfeccionista, avançada, visionária e culta.
Possui uma mente inventiva e aberta que permite ter sucesso na vida enfrentando todos os riscos.
Pode servir à sociedade naqueles esforços que utilizam suas habilidades de aconselhar e de orientação.


Número 22
O Caminho 22 é o mais elevado do número dos “Números Mestre”.
É o mais poderoso de todo o caminho da vida numérica.
É também o mais difícil de cumprir.
A pessoa é dotada de muitos poderes que podem alcançar todas as alturas da vida.
A pessoa está equipada com uma instrução apropriada, podendo ser um construtor mestre na sociedade.


Número da Motivação

Calculado pela soma das vogais do nome completo de nascimento
O número da motivação revela os gostos pessoais, aversões, nossas necessidades, vontades e os motivos que estão por trás de nossas decisões e que nos impulsionam a agir de determinada forma.

Como calcular o número da motivação

A primeira coisa que vai precisar e da tabela Pitagórica que faz a relação entre as letras e números.

Como calcular o número da motivação

A primeira coisa que vai precisar e da tabela Pitagórica que faz a relação entre as letras e números.

 


Tabela Pitágorica

Depois você pode montar a tabela com o nome que vai ser consultado.
No exemplo abaixo colocamos o nome, Felipe da Silva Alvarez, já com a relação numérica completa (números em azul) e com os números separados em consoantes (números em verde) e vogais (números em vermelho).

Tabela de análise do nome Felipe da Silva Alvarez

Após fazer a relação do nome (letra x número), some todas as vogais para achar o número da motivação.

Soma de todas as vogais (números em vermelho)
5 + 9 + 5 + 1 + 9 + 1 + 1 + 1 + 5 = 37
Some até ter um único número final
3 + 7 = 10
1 + 0 = 1
O 1 é o número da motivação.

 

Números Mestres
Na numerologia existem dois números aos quais devemos dar atenção especial, o número 11 e o número 22.
Estes são os números mestres e não podem ser reduzidos, então se a soma dos algarismos do ano de nascimento for 11 ou 22, não os reduza.
A repetição dos algarismos nos números mestres potencializa as vibrações destes, como se isso “dobrasse” a sua potência.
O número 11 é essencialmente o número 2, mas uma vibração mais elevada deste.
O número 22 é essencialmente o número 4, mas uma vibração mais elevada deste.

 

Significado resumido dos números da motivação

Número 1
O que lidera, inicio, força, liderança, individualidade, independência.
Principio ativo masculino e positivo.

 

Número 2
O que colabora.
Cooperação, dualidade, amabilidade.
Principio passivo, feminino, negativo, completa o número 1.
Moldável, adaptável, conciliador, pacificador, é o equilíbrio.


Número 3
O que comunica.
Expressão, comunicação, criação.
Representa o relacionamento com o mundo exterior.
Após a individualidade, a união com o dois, surge a interação com sociedade.
Extrovertido dono de grande magnetismo pessoal, promove o desenvolvimento de todos ao seu redor, alegria, entusiasmo, faz com que tudo pareça possível.
Constitui a expressão do sucesso, da sorte, da fertilidade e da beleza.
Associado ao 6 favorece as criações artísticas.
Ao 9 ganha força nas artes literárias.


Número 4
O que realiza.
Ação, estabilidade, firmeza, segurança e conservadorismo.
O quatro é o símbolo da lei da ordem.
Manifestação do lado racional, é representado pelo quadrado.
Por um lado a dureza, que compensa com a estabilidade, segurança.
Para construir é preciso valer-se de sua força e poder.
Desenvolve o senso prático, a autodisciplina.
A defesa das tradições, e um certo conformismo.

 

Número 5
O que é livre.
Liberdade, evolução, curiosidade, aventura.
O cinco representa a versatilidade somente alcançada por aqueles que não têm compromissos e sempre podem se lançar em direção a novas oportunidades.
De espírito aventureiro, acumulam experiências e possuem conhecimentos sobre uma boa gama de assuntos, mas não se especializam em nada.
Com um magnetismo pessoal, atraem pessoas do sexo oposto.
Gostam de se por em movimento , adoram viagens.
Provocam mudanças por onde passam e também aceitam com a mesma facilidade que as promovem.


Número 6
O que concilia.
Harmonia, equilíbrio, verdade e justiça.
O seis sintetiza as responsabilidades sociais e familiares. Almeja casar, ter uma família. O seis emana vibrações artísticas e domésticas. Representa a busca de um lar, uma família e uma entrega a sua comunidade.


Número 7
O que pensa.
Análise, investigação, lógica e misticismo, reflexão.
O sete relaciona-se com a sabedoria, reflexão, busca de outras respostas além daquelas oferecidas, meditação, descanso, paz interior.


Número 8
O que tem poder.
Poder, responsabilidade, riqueza material, reconhecimento. Depois de encontrar respostas, é hora de colocar em movimento.
Busca o poder, o prestígio, o lado material da vida.
Movido por uma ambição legítima, torna-se um guerreiro, lutador, um perseverante, baseado no senso ético, na justiça, busca a vitória pessoal através do enriquecimento.


Número 9
O que compreende. Palavra
Realização, universalidade, abnegação, compaixão.
O nove representa a realização total do homem com todas as suas aspirações atendidas e seus desejos satisfeitos.
Ele é capaz de dedicar-se ao amor universal, incondicional por tudo e por todos.
Busca a perfeição.


Número 11
Características Positivas
Idealismo, intuição, poderes extra-sensorial, paciência, misticismo
Características Negativas
Fanatismo, pragmatismo, cinismo, charlatanismo, preguiça, desonestidade.


Número 22
Características Positivas
Espírito empreendedor, raciocínio lógico, lealdade, perspicácia, otimismo e generosidade.
Características Negativas
Cinismo, vaidade exagerada, pessimismo, não conclusão de seus projetos, complexo de inferioridade.


Número da Personalidade

Calculado pela soma das consoantes do nome completo de nascimento
O número da personalidade revela a imagem que temos de nós mesmos, do efeito e a impressão que causamos nos outros.
Nem sempre a imagem que transmitimos para as pessoas revela o que realmente somos.
Muitas vezes, não nos damos conta de que podemos estar sendo mal interpretadas. Conhecendo o número da personalidade e entendendo seu significado, podemos descobrir o que os outros pensam ou esperam da gente.
Fantasias secretas.

 

Como calcular o número da personalidade

A primeira coisa que vai precisar e da tabela Pitagórica que faz a relação entre as letras e números.

 

Tabela Pitagórica

Depois você pode montar a tabela com o nome que vai ser consultado.
No exemplo abaixo colocamos o nome, Felipe da Silva Alvarez, já com a relação numérica completa (números em azul) e com os números separados em consoantes (números em verde) e vogais (números em vermelho).

 

Tabela de análise do nome Felipe da Silva Alvarez

Após fazer a relação do nome (letra x número), some todas as consoantes para achar o número da personalidade.

Soma de todas as vogais (números em verde)
6 + 3 + 7 + 4 + 1 + 3 + 4 + 3 + 4 + 9 + 8 = 52
Some até ter um único número final
5 + 2 = 7
O 7 é o número da personalidade.

 

Números Mestres
Na numerologia existem dois números aos quais devemos dar atenção especial, o número 11 e o número 22.
Estes são os números mestres e não podem ser reduzidos, então se a soma dos algarismos do ano de nascimento for 11 ou 22, não os reduza.
A repetição dos algarismos nos números mestres potencializa as vibrações destes, como se isso “dobrasse” a sua potência.
O número 11 é essencialmente o número 2, mas uma vibração mais elevada deste.
O número 22 é essencialmente o número 4, mas uma vibração mais elevada deste.

 

Significado resumido dos números da personalidade

Número 1
Você transmite a imagem de liderança, dinamismo e independência.
Sua autoconfiança indica a capacidade de enfrentar as dificuldades e transpor os obstáculos que surgirem em seu caminho com certa facilidade. As pessoas vão procurá-la para tocar projetos e empreendimentos onde suas qualidades sejam essenciais.
Os outros acreditam em sua capacidade para assumir e tomar conta com eficiência de qualquer situação.
Essa forma original de enfrentar os problemas causa bastante admiração nas pessoas que estão à sua volta.
Para aproveitar o lado positivo do seu número, é necessário que a mente esteja concentrada em um objetivo único: conseguir um resultado satisfatório em um curto espaço de tempo.
Aja com bastante equilíbrio para ganhar a confiança e o apoio de seus comandados.
Assim, será uma líder e empreendedora de sucesso.

Número 2
Transmite uma imagem de pessoa prestativa e não costuma causar transtornos nos relacionamentos em casa ou no trabalho.
As pessoas a veem como liberal e simpática. Os que estão ao seu redor são atraídos por suas qualidades inspiradoras.
Não gosta de ocupar cargo de liderança e ser o centro das atenções.
Prefere agir nos bastidores, mas nem por isso deixa de ser brilhante.
Costuma preocupar-se com a maneira com que os outros a veem e isso, às vezes, pode prejudicar um pouco o seu rendimento.
Não é mandona e consegue colocar suas ideias sem demostrar autoritarismo.
A persuasão é uma qualidade marcante.
Tem a capacidade de dizer sempre a coisa certa no momento certo, deixando as pessoas sempre à vontade.
Colabora para um melhor entendimento entre os diversos grupos com os quais se relaciona, já que é condescendente.
Tem um espírito de cooperação que é apreciado pelos colegas.

Número 3
Você transborda em alegria, afeto e otimismo.
Estas qualidades acabam projetando a imagem de uma pessoa muito popular no seu círculo de amizades.
Não perde um agito por nada, principalmente aqueles em que pode demonstrar o seu talento artístico, a sua imaginação e a sua criatividade.
Uma festinha é sempre bem-vinda para você.
Tem espírito comunicativo e um charme especial, que parece usar para conseguir o que quer.
Transmite descontração e um ótimo senso de humor.
Parece sempre jovem, não importa a idade que tenha.
Toda essa animação contagia seus colegas, que acabam apreciando sua companhia.
Tem uma mente fértil em ideias e está sempre aberta para novos conceitos, o que é muito bom, principalmente nos negócios.
Mesmo nas situações mais complicadas, consegue vislumbrar um lado positivo, contagiando, inclusive, as pessoas que estão à sua volta.
Isso acaba aumentando a produtividade e abrindo as portas para você.
Procura, ainda, tirar lições das situações menos favoráveis.


Número 4
A aparência é de alguém em quem se pode confiar e que é muito produtiva.
Não admite superficialidade, desonestidade e covardia.
É vista como uma pessoa muito eficiente e que norteia seus atos tendo como diretriz a prudência.
O senso organizacional contribui para uma impressão ainda mais positiva a seu respeito.
Não se deixa envolver facilmente, principalmente se as propostas se mostrarem levianas e sedutoras demais.
Ninguém a faz de boba.
Aparenta estabilidade, como se tivesse seu caminho delineado.
É bastante pontual e procura cumprir todos os compromissos assumidos, o que contribui para uma reputação de ser leal e responsável, você sempre termina o que começa.


Número 5
Você aparenta ser uma pessoa curiosa e impaciente.
Está metida em um monte de coisas ao mesmo tempo, principalmente quando o assunto é negócio. O espírito aventureiro da adolescência se transforma em dinamismo quando atinge a fase adulta.
As pessoas a acham excitante e, muitas vezes, imprevisível.
Não gosta da rotina, por isso, procura sempre inovar e fazer coisas diferentes.
A versatilidade acaba sendo uma qualidade em evidência.
Aceita assumir os riscos de uma situação mais complexa.
Sente necessidade de manter as coisas funcionando e as pessoas pensando.
Atrai os que estão à sua volta com o seu magnetismo, a sua vitalidade e o seu senso prático.
Não vive do passado e nem fica criando expectativas com relação ao futuro.


Número 6
Desde criança, transmite uma imagem de afetuosidade, beleza, harmonia e serenidade.
Dá a impressão de que é um porto seguro no mar das tormentas da vida.
Demonstra um espírito bondoso e está sempre pronta a ajudar quem necessita da sua atenção e de seus conselhos.
Odeia a mentira e a injustiça, portanto, mantém uma constante luta para buscar a verdade e a justiça.
Não aceita a companhia de pessoas que não agem de acordo com as suas convicções.
Seu comportamento está acima de qualquer suspeita.
As pessoas a vêem como um exemplo de honestidade e confiabilidade.
É equilibrada, procurando agir sempre com imparcialidade. Graças a esse estilo de vida, dificilmente tira conclusões precipitadas sobre os outros.
Dá valor ao lar e à família.
No casamento, é super dedicada.
Também é uma excelente anfitriã.


Número 7
Demonstra, desde a infância, uma vocação para desenvolver trabalhos intelectuais.
Por outro lado, não é muito atraída por atividades desgastantes fisicamente.
Na fase adulta, parece manter a vida sob controle.
Passa a impressão de ser uma pessoa inteligente, com intuição aguçada.
Valoriza o lado espiritual.
Deus tem uma importância significativa na sua vida.
Parece ser solitária, absorvida pelos pensamentos íntimos.
Veste-se com um toque de classe e tem uma aparência distinta e refinada.
Não gosta de intimidades e muito menos de brincadeiras fora de hora.
A vida pessoal é mantida em sigilo.
Ganhar sua confiança não é fácil, já que não costuma contar seus segredos para qualquer um.
É atraída por atividades excêntricas que exijam concentração.


Número 8
É uma pessoa prestativa e trabalhadora.
Cuida com muito carinho das suas coisas.
Desde criança, dá valor ao dinheiro e não sai gastando por aí desordenadamente.
Gosta de projetos ambiciosos, que ofereçam a possibilidade de atingir rapidamente a independência profissional e financeira.
Está sempre pronta para entrar de cabeça em toda a atividade que se propõe a participar, seja profissional ou assistencial.
Em ocasiões de calamidade, é a primeira a oferecer ajuda.
Vive muito ocupada, mas se alguém precisar de um favor, está sempre pronta para ajudar.
Aparenta ser bem-sucedida e se preocupa em causar boa impressão logo de cara.
Apesar de usar bem o dinheiro, não economiza quando o assunto é qualidade.
Nada de artigos baratos ou de liquidações.
Faz questão de andar sempre na moda, de preferência com roupas e acessórios de marcas famosas.


Número 9
Vive preocupada com o próximo.
No jardim da infância, já dividia seu lanche com os colegas e costumava doar os brinquedos ou as roupas que não usava mais para os necessitados.
Geralmente, está ligada a profissões onde pode ajudar os outros, como medicina, enfermagem ou assistência social.
Parece ter uma energia interminável quando participa de programas assistenciais.
Também gosta de atividades rentáveis para que tenha condições de construir um mundo melhor.
Aparenta ter um talento especial e um desejo ímpar de ajudar os outros.
Está à vontade em todos os ambientes.
Em hipótese alguma faz isso com segundas intenções ou em troca de certos favorecimentos.
Outra qualidade positiva: não tem nenhum tipo de preconceito, seja ele racial, religioso ou sexual.

 

Números x Letras

Palavras chave e profissões

Número 1

Letras A / J / S
Palavras chave
Ambição, audácia, originalidade, invenção, vigor, independência
Profissão
Advogado, diretor, médico, gerente, instrutor, chefe


Número 2

Letras B / K / T
Palavras chave
Diplomacia, cooperação, gentileza, paciência, atenção, respeito
Profissão
Poeta, músico, desenhista, artista, enfermeiro, curador


Número 3

Letras C / L / U
Palavras chave
Bondade, artístico, fortuna, criatividade, sociabilidade
Profissão
Artista, ator, escritor, advogado, professor, juiz


Número 4

Letras D / M / V
Palavras chave
Confiável, trabalho, praticidade, honestidade, determinação
Profissão
Engenheiro, fazendeiro, arquiteto, escultor, empreiteiro


Número 5

Letras E / N / W
Palavras chave
Esperteza, adaptabilidade, versatilidade, audácia, cultura, expressividade, otimismo
Profissão
Repórter, especialista em comunicação, detetive, instrutor, entrevistador


Número 6

Letras F / O / X
Palavras chave
Lealdade, responsabilidade, magnetismo, artístico
Profissão
Professor, artista, advogado, dentista, cantor, médico, maquiador


Número 7

Letras G / P / Y
Palavras chave
Intuição, psíquico, pensador, espiritualidade, esoterismo, reserva
Profissão
Astrólogo, astrônomo, líder religioso, numerologia, mágico, curador


Número 8

Letras H / Q / Z
Palavras chave
Eficiência, determinação, ambição, lealdade, liderança, força
Profissão
Corretor de imóveis, banqueiro, arqueólogo, político, advogado


Número 9

Letras I / R
Palavras chave
Universalidade, humanitarismo, generosidade, liberalidade, inspiração, intuição
Profissão
Político, músico, editor, cirurgião, juiz, especialista em balística

Atividades Expressivas:

Atividade: Simbologia do Nome

Mito de Criação Guarani

Mitologia Guarani refere-se às crenças do povo Guarani da porção centro-sul da América do Sul, especialmente os povos nativos do Paraguai e parte da Argentina, Brasil e Bolívia.
 

Atividade Realizada: Simbologia do Nome-

Numa folha de sulfite a pessoa escreve seu nome, recorta e cola numa cartolina, depois separe as vogais da consoantes.

Cada um canta os sons das vogais do seu nome, finalizando todos cantam juntos, formando uma sinfonia coletiva, buscando a harmonia entre os sons das vogais de cada nome, criando com eles uma única música.

Na cultura Guarani, os nomes são sonhados, denotando os dons que a criança expressará em sua vida.


Segundo os costumes indígena Guarani os homens são “ sons em  pè” – tuppy e cada nome é uma palavra- alma, que expressa qualidades da terra,


Água


Fogo

Ar – das folhas verdes dos campos das pedras da flor da madeira, etc compondo assim o temperamento de cada pessoa, mostrando seus pontos fortes e fracos, formando um elo entre a pessoa, suas contribuições à coletividade e sua relação com o meio ambiente natural. Ainda dentro dessa visão, esses atributos associados aos elementos da natureza estão expresso nos sons das vogais, podendo ser acessados através de sua entonação (jecupé 1998,2001)

A garganta é a morada do ser. Por aí você pode ver que a relação da linguagem com a cultura é muito profunda para o tupi-guarani. Na tradição tupi-guarani existem sete nomes somente. Sete nomes universais. Todos os demais são reivindicações humanas. Esses sete nomes originais são nossos ancestrais. O humano herdou desses sete pais o dom de nomear, de continuar a criação. Esses seres primeiros, que os tupis-guaranis chamam de Nanderu, são divindades. São elas que sustentam o movimento do mundo. Toda a nossa descendência vem desses nomes. Quando um ser é batizado espiritualmente, ele recebe o que seria o equivalente ao sobrenome. O sobrenome norteia a sua linhagem, a sua ancestralidade Quais são as divindades?

Kaká – Werá, Karaí, Jacairá, Tupã, que são as quatro que sustentam o mundo. Há também Namandu, Jasuká e Jeguaká, que são as divindades que sustentam o espírito.

O silêncio está em tudo. O tupi, esse som em pé, se manifesta em três corpos: o físico, um corpo que a gente chama de corpo de som, e um outro que é o corpo de luz. Esse corpo de luz é ligado a duas qualidades de energia, a polaridade feminina e masculina. Os cantos são entoados para afinar, harmonizar esse corpo. E o silêncio é o som dos sons. Tem esse sentido da essência do todo. O som e o silêncio estão organicamente ligados à linguagem indígena. Para você ter uma idéia, a língua portuguesa reconhece cinco vogais enquanto a língua tupi-guarani tem sete, às quais chamamos de tons: a, e, i, o, u e y, que é um som mais gutural. A sétima é o silêncio. Existem um canto e uma dança específicos para cada um desses tons, dessas vogais?
Kaká – Não. A nossa expressão tem todos esses tons, como uma música.


Agora, cada tom trabalha uma questão específica:

y está ligado à terra, à vitalidade;

u está ligado à água, à emoção;

o, ao fogo, ao ânimo;

 a, ao coração, à qualidade de atrair e expandir, com sentimento que flui;

e está ligado à expressão;

i, à percepção, intuição.
 

Cada tom tem ligações com aspectos do ser. Os guaranis dizem que nós temos um nanderekó, o nosso lugar no mundo. Esse nanderekó possui temperamentos. Esses temperamentos estão ligados a quatro elementos, que manifestam o nosso humor: terra, água, fogo e ar. São esses elementos que determinam um pouco a nossa personalidade. E existem os sons que avivam o nosso Eu interior. São como notas musicais. Na hora dos cantos, trabalham-se os aspectos que precisam ser mais apurados. Os cantos e as danças afinam, alinham o nosso estar no mundo.

ISTOÉ – O sonho é algo muito importante para a grande parte das culturas indígenas. O que é sonho?
Kaká – O sonho é o momento em que nós estamos despidos da estrutura racional de pensar. Nós estamos no puro estado de espírito, no awá, no ser integral. É um momento em que a gente entra em conexão com a nossa realidade mais profunda. No sonho literalmente o seu espírito viaja e pode ser direcionado para onde quiser ou para o momento que quiser. Isso exige um treinamento, como aprender a falar.

Segundo Arrien (1997), algumas tribos africanas criam uma canção para cada criança que nasce, e essa canção é cantada para essa pessoa em momentos de mudanças ou crises visando lhe trazer força e saúde, ao ajudá-la a se conectar com a sua essência, com o seu remédio original, com a sua singularidade, com o seu propósito de vida e com a sua vocação.

Arrien diz que cantar é uma das nossas ferramentas de poder, podendo proporcionar o realinhamento de nossos padrões de dinamismo, magnetismo e integração.

Dinamismo- corresponde à vogal

i- nos impulsiona para dar inicio a novas experiências promovendo a expansão e a criação

Magnetismo- expressão da vogal


o- é utilizado para nos abrirmos e receber e aprofundar nossas experiências

Integração- correspondem


a- vogal a para aplicar e sintetizar a experiência.

As qualidades associadas pelo povo Guarani a cada vogal, segundo Jecupé 1998-p.25.


Y- “ u gutural”, sua morada é a base da coluna é o som referente à vitalidade física, concretização, segurança, determinação e firmeza.


U- sua morada é no umbigo, relaciona-se com a vitalidade emocional, estimulando a criatividade.


O- sua morada é no plexo ( na boca do estomago), correspondendo ao pequeno sol do ser.

  • Sua morada é no coração, e sua vibração leva a união do céu com a terra, do mundo interno e externo.

E- sua morada é na garganta, e seu som expressa a alma através da palavra, a fala sagrada do ser, ligando-se a liberdade da alma.


I - Sua morada é na gruta sagrada do ser, que fica no fundo da cabeça, entre os olhos, relaciona-se com a intuição e faz a ligação com o sétimo som, que é o silencio.
 

Influência do significado da primeira vogal no seu nome

Podemos ter uma ideia da personalidade de uma pessoa através da primeira vogal do seu nome(a, e, i, o, u).
Se você tem no seu nome (na primeira vogal)

A, é extrovertido, franco, além de revelar uma ambição e um temperamento muito forte. Muito seguro, provavelmente deixa qualquer outro em desvantagem. Adora ser envolvido. É afetuoso e alegre, mas quando provocado, poderá ser áspero ou descortês. Recebe amor e adulação como algo que tem direito; é seu merecimento por transmitir tanta alegria para o mundo.
 

Vogal E
Esta vogal está associada a um tipo jovial, rápido e esperto, tanto mental como fisicamente. É carismático, emotivo, carinhoso e romântico. Às vezes imaturo, acredita em tudo e em todos. Sua maior fraqueza pode ser a precipitação e a indecisão. Criativo e requisitado, é o centro das atenções. Pode seguir qualquer carreira que o coloque diante do público. É magnífico para se expressar, seja falando ou escrevendo.


Vogal I
Esta vogal simboliza a graciosidade, as boas maneiras e a bondade. Raramente é sovina no que se refere ao relacionamento familiar. Um anfitrião maravilhoso, será o melhor dos amigos, contando que tenham o cuidado de não exigir muito dele. É um psicólogo nato. Altamente intuitivo, "sente no ar" algo ruim que esteja para acontecer.


Vogal O
Sob uma aparência modesta, a pessoa que tem a primeira vogal O em seu nome, abriga uma mente lógica e resoluta. A dignidade o impedirá de recorrer aos meios desonestos para atingir seus objetivos. Ama de todo o coração. Muito atencioso, não sabe disfarçar suas emoções. Dotado de incrível paciência, trabalha firmemente em uma coisa de cada vez. Bom gosto é sua palavra-chave.


Vogal U
Desembaraçado, move-se com graça e elegância. Não gosta do sofrimento humano; a vida é feita para viver as mais belas emoções. Possui vontade firme e autoconfiança quase narcisista. Não escolhe suas amizades, pelo contrário; é sempre assediado por pessoas que gostam de estar com ele. Ser incomodado é algo que o aborrece. Sempre se esforça para ser gentil, mesmo com seu pior inimigo.
www.terra.com.brEsotéricoMonica Buonfiglio



 

CONTATOS

Tels.: 3816-1137 • 3816-3780 • 3814-9396 • 9-9999-0506
wilma.nubiato@yahoo.com.br

COMO CHEGAR

Rua Paulistânia, 593 - Sumarezinho - São Paulo

MENSAGENS

Preencha o formulário abaixo e envie-nos sua mensagem

Psicovia Terapia do Ser - 2016 - Todos os direitos reservados. -

Desenvolvimento