Arteterapia - 2

Reorganização do ciclo de vida através das Mandalas da Alma

Curso de Arte Terapia e as Mandalas da Alma

Pesquisado por Wilma Antonia Nubiato

 

Conceitos básicos sobre Arte terapia e mandalas

O que é arte-terapia?
Arte-terapia consiste na utilização da Arte como forma de expressão, consciente e inconsciente.
É através das atividades de pintura, escultura, colagem, desenho, música, poesia, acompanhadas pelo arte-terapeuta, que o cliente caminha para a ampliação da consciência buscando maior auto-conhecimento que possibilite mudanças que favoreçam a qualidade de vida do indivíduo.
A arte-terapia pode ser feita individualmente ou em grupo.

Quando optar pela arte-terapia?
Qualquer pessoa pode se beneficiar destas atividades, principalmente quem acha difícil se expor através de palavras, pessoas com dificuldades de relacionamento ou que sofram de problemas como Anorexia e Bulimia, Deficiência Física ou Mental que interferem na comunicação, Estresse Pós-Traumático (após um acidente, doença grave, aborto, parto, etc.).

Quais os benefícios da arte-terapia?
As atividades desenvolvidas no processo de arte-terapia permitem lidar com a auto-imagem, a percepção da transformação, a superação de obstáculos, a estimulação da desinibição, que conduzem a uma sensação de integração e  a resolução de conflitos pessoais e melhorando a auto-estima.

A Arteterapia integra os conhecimentos advindos da Psicologia às atividades artísticas, trabalhando com os potenciais terapêuticos, pedagógicos e de crescimento pessoal contido em todas as formas de Arte, utilizando-se de técnicas expressivas e vivenciais (desenho e pintura, colagem, modelagem e escultura, dramatização, contar histórias, música, dança e expressão corporal, relaxamento e visualização criativa, entre outros) para facilitar o reconhecimento e desenvolvimento de potenciais, o tratamento do sofrimento psíquico, o autoconhecimento, treinamentos, dinâmicas de grupo, etc

A arte relaciona harmoniosamente a realidade e a fantasia, o mundo interno e o externo, dando voz e visibilidade a nossos conteúdos simbólicos, com os quais podemos então dialogar e nos quais podemos nos espelhar, propiciando o autoconhecimento e o desenvolvimento da personalidade.

A arte terapia é um modo de trabalhar utilizando a linguagem artística como base da comunicação cliente-profissional.

Sua essência é a criação estética e a elaboração artística em prol da saúde. Consiste na utilização da arte como forma de expressão, consciente e inconsciente, do sujeito.

Através da Arte terapia a subjetividade do sujeito se manifesta, possibilitando fazer pensáveis os conteúdos trabalhados.

Como nossos sentimentos, emoções, pensamentos, esperanças, sonhos, desejos que se revelam com muito mais facilidade através de imagens do que através de palavras para diversas pessoas, pois cada um de nós tem uma modalidade de aprendizagem. 

Ao trabalhar com elementos que correspondem tanto à natureza humana, quanto à planetária, os recursos artísticos utilizados de forma terapêutica promovem uma ampliação da consciência de si, do outro e do mundo, desenvolvendo a nossa capacidade de atuar de maneira responsável e criativa com relação ao nosso momento existencial e ao meio em que estamos inseridos.

A Arteterapia auxilia o indivíduo na organização de seus sentimentos através das modalidades expressivas diversas e, essas construções é uma forma de expressar a capacidade simbólica de fantasiar e concomitantemente cria-se uma imaginação espontânea e criativa.

Os recursos Arteterapêuticos expressam o mundo interno e restabelece o equilíbrio emocional, onde é possível descarregar as tensões e exteriorizar sentimentos mais saudáveis e o ato de construir proporciona o autoconhecimento, facilitando assim o despertar do potencial interno.

Portanto, a construção permite infinitas opções de descobertas que favorecem o equilíbrio emocional e, o ato da criação favorece que experimente novas descobertas e forma satisfatória de se expressar e de se comunicar.
Considera-se que a Arteterapia promove o processo Arteterapêutico devido às construções artísticas que promovem benefícios à pessoa que busca significados e sentidos para atingir o bem-estar, pois ela promove o diálogo com os conteúdos inconscientes e conscientes e esse fenômeno pode ser expresso de forma a adequar significados na vida da pessoa e assim despertar as potencialidades.

Além disso, o caminho da Arte a serviço do crescimento e da vida pode diminuir e/ou neutralizar o impacto da violência que presenciamos atualmente, proporcionando um contato respeitoso e amoroso entre o homem, seu semelhante e seu meio ambiente, proporcionando uma abordagem pacífica e ético-estética da existência.
Arteterapia é o termo que designa a utilização de recursos artísticos em contextos terapêuticos; Esta é uma definição ampla, pois pressupõe que o processo do fazer artístico tem o potencial de cura quando o cliente é acompanhado pelo arteterapeuta experiente, que com ele constrói uma relação que facilita a ampliação da consciência e do auto-conhecimento, possibilitando mudanças. É um campo de interface com especificidade própria, pois não se trata de simples “fusão” de conhecimentos de arte e de psicologia. Isso significa que não basta ser psicólogo e “gostar de arte” ou ser artista arte-educador e “gostar de trabalhar com pessoas com dificuldades especiais”.

A formação em arteterapia além das matérias de arte e psicologia necessárias, compreende também um corpo teórico e metodológico próprios, que abrange conhecimentos da história da arteterapia, conhecimento dos processos psicológicos gerados tanto no decorrer da atividade artística como na observação de trabalhos de arte, conhecimento das relações entre processos criativos, terapêuticos dos diferentes materiais e técnicas, conhecimento dos fundamentos teóricos e metodológicos da abordagem, vivência pessoal e prática.

Processo Criativo
Enfatiza as vivências, a compreensão das etapas e as aplicações, de atividades através do contato com a linguagem e as técnicas expressivas, possibilitando ao indivíduo o desenvolver de sua criatividade. Para a sua importância para a estruturação da personalidade, discutindo sua utilização nos contextos pedagógico, terapêutico.
A aplicabilidade do processo criativo pode ser utilizado em diversos campos.
Dentro das ferramentas do Processo Criativo pode-se utilizar, por exemplo os contos e as histórias pois a leitura de um texto, já existente, ou a leitura de algo novo permite dar vazão às expressões dos processos inconscientes.
A narração provoca a revitalização desses processos, restabelecendo a conexão entre consciente e inconsciente.
Os contos e as histórias facilitam o acesso ao mundo interno, permitindo, de forma sutil, a abertura de espaço da imaginação criativa, instaurado a transformação dos pensamentos e sentimentos na medida em que permite que ao ser recontado, torne possível outros novos finais, levando o ouvinte ou o leitor para um mundo imaginário onde tudo é possível, permitindo viver as sensações sem as barreiras impostas pelo ego.
O corpo do texto permiti a abertura das emoções e sensações, dando liberdade para o caminho da expressividade até o imaginário, removendo barreiras ou bloqueios. Quanto mais o conto ou a história for contada, ouvida, recontada e transformada, proporcionará um contato com todos os sentimentos, emoções, angústias e conflitos, desta forma abrindo novas possibilidades e novas saídas para as experiências do cotidiano, com a finalidade de trazer a tona o conhecimento do quem somos. O mesmo ocorre com o poema, enquanto é lido vai adentrando e penetrando nos pensamentos, as palavras fazem, com que as imagens surjam deixando o imaginário fluir e viajamos para outros mundos onde se cria, imagina e fantasia.

O caminho humano do viver, do sobreviver e do conviver está entrelaçado de ações criativas conscientes ou inconscientes de seres humanos comuns anônimos. O potencial criativo está em cada ser humano e pronto para ser estimulado, movimentado, liberado e libertado.

 

Desta maneira qualquer pessoa pode lançar mão de alternativas criativas que lhe permitirão engrandecer sua vida individual, nos grupos ou nas comunidades, através de um novo modo de pensar, sentir e agir de forma mais consciente que é aprendido e reaprender por meio de técnicas ativadoras do potencial inato de cada um. 

 

Expressar-se criativamente é a capacidade que o individuo tem de poder dar formas visuais e significados através de palavras aos personagens internos que cada elemento tem dentro de si.

Processo de Criação
Traz para quem nele se insere novas formas de significação que segundo Urrutigaray ( 2001), fornece um canal expressivo de identificação pelo processo de elaboração de imagens e de construção das representações.

Ajustamento Criativo
Segundo Perls ( 1977) Tem a ver com a dialética de continuidade e da mudança, na medida em que se utiliza a inserção estrutural do novo no pré-existente, formando a nova configuração da mobilidade estrutural do todo, é à base da criatividade.
O prazer fornece a motivação e a energia para uma abordagem criativa da vida. Todo ato criativo se inicia com uma excitação de prazer, passa por uma fase de germinação e culmina com a alegria da expressão.
O ato criativo pode ser definido como qualquer forma de expressão que traz novos prazeres e significado à vida. O prazer e a criatividade estão relacionados dialeticamente.
Essa dialética surge de ambos serem aspectos positivos da vida. A pessoa viva é sensível e criativa. Através da sensibilidade coloca-se em harmonia com o prazer e através do impulso criativo procura sua realização.
O prazer na vida encoraja a criatividade e a comunicação, e a criatividade aumenta o prazer e a alegria de viver.

 

O que a Arte facilita
O acesso ao imaginário e ao simbólico,
Permite o crescimento de potencialidade latente
Promove o autoconhecimento
Há possibilidades de criar novas formas a partir de um original.

Criatividade – a Complexidade Humana
Através da linguagem da arte, como performance do exercício da criatividade e suas dimensões individuais e coletivas
Encontra-se materializadas na forma criada.
A percepção de tal estrutura entendida como um todo
Possibilita a elaboração mental das sensações dos elementos constituintes do todo disposto em dita configuração
A percepção desta ultima unida à integração de suas funções, viabiliza a expressão e a compreensão de novas organizações estruturais de novas ordenações (Urrutigaray. 2001- p.90)

 

Expressão Artística
É uma forma de levar o individuo a conscientização de suas limitações e de suas superação, em um processo de mudança de comportamentos que levam ao aumento da auto estima.
A arteterapia é uma forma de expressão criativa que leva em consideração o fazer arte como método terapêutico de reflorescimento de potencialidade esquecidas ou adormecidas pelo medo e insegurança.
Vivenciando a capacidade de transformação das pessoas é possível promover o autoconhecimento
Levar as pessoas à compreensão de suas atitudes
Liberar a criatividade
Levar a percepção do mundo que os cerca
Criar condições pessoais de desenvolvimento por meio do aumento da auto-estima
Interagir com a realidade de forma produtiva e agradável.
Proporciona emergir as manifestações artísticas
Elas estão presentes em cada um, às vezes parecem bloqueadas, mas estão somente inibidas
No momento em que é oferecida a oportunidade afloram
O processo criativo passa a responder
Oferece a oportunidade de vivenciar
Resignificar
Refletir sobre o seu eu existencial
Procuram modos de transformação.
A Oficina traduz nas vicissitudes do fazer psicológico e do que se pode teorizar sobre ele.
As experiências surgidas constituem em vivências que transbordam no instante em que acontecem
Facilita o entendimento do mundo interno e a subjetividade através do confronto que o sujeito gerador das imagens faz com suas configurações possibilitando a consciência de seus conteúdos pela análise dos elementos que a constituem.
Seg. Urrutigaray(2001) quando um individuo confronta com um símbolo ele transforma a realidade simbólica e se transforma pelo desenvolvimento da criatividade.
Considero,embasada em minha prática que as Oficinas de Arte Terapia podem criar um espaço para que os indivíduos sejam incentivados a desenvolver a percepção integral de si e dos outros, através de sensibilização, expressão artística e corporal.
Pode-se estimular a criatividade
A imaginação
Utiliza-se exercícios que integrem as formas de manifestações artísticas com elementos da natureza
Orientando-os de forma gradativa e continua a respeito da necessidade e da importância dos cuidados com seu corpo,mente, emocional. Visando melhor qualidade de vida.
O trabalho com recursos expressivos pode ser comparado a um sonhar acordado, onde o real e o imaginário entrelaçam-se na criação de um mundo vivo e vivificante, que pulsa e respira através da relação profícua entre o eu e o outro.

As Oficinas Expressivas:
As oficinas de Arte Terapia são espaços propícios ao desenvolvimento pessoal e social dos indivíduos que as integram, a partir da utilização de recursos expressivos tais como colagem, desenho, pinturas, modelagem, expressão corporal, música, entre outros, vivenciando a capacidade de transformação das pessoas através da expressão criativa.
Por meio da exploração de formas de expressão é possível; promover o autoconhecimento e levar as pessoas 1a compreensão de suas atitudes.
Através do desenvolvimento de atividades artísticas e artesanais, libera-se a criatividade dos participantes, levando-os a percepção do mundo que os cerca, criando condições pessoais de desenvolvimento por meio do aumento da auto-estima, interagindo com a realidade de forma produtiva e agradável.
A oficinas se traduz nas vicissitudes do fazer psicológico e do que se pode teorizar sobre ele. As experiências surgidas nas oficinas constituem-se em vivências que transbordam no instante em que acontecem, isto é, surgem momentos em que elas não são compreensíveis, mas após algumas divagações tornam-se explicita por si só.
Em algumas oportunidades os dados evidenciam-se superficiais e parece que não é possível teorizar sobre eles, outras vezes aparecem como um fenômeno fluído e aberto, com possibilidades de análises inesgotáveis.
As atividades desenvolvidas permitem trabalhar, entre outras, a auto imagem, a percepção da transformação, a superação de obstáculos, a estimulação da desinibição, que conduzem a uma sensação de integração com o mundo, instigando 1a resolução de conflitos pessoais.
Conseqüentemente, ocorre um aperfeiçoamento na forma de comunicação do sujeito, consigo mesmo e com os grupos com que interage, incentivando o desenvolvimento harmônico da personalidade, a construção de um ambiente saudável, com espaços de autoria que permitem ressituar-se diante do passado.
Trabalhar com o processo criativo é uma das maneiras de possibilitar o processo de individuação, é na função transcendente em que o ego se abre e se coloca a serviço do que está vindo do inconsciente.
Quando se abre conscientemente para a experiência. Acessamos qualquer uma das funções onde se aproxima mais da matéria-prima que está no inconsciente, promovendo a melhoria da qualidade de vida ao relacionar significativamente o mundo interno e o externo, propiciando o reconhecimento do desenvolvimento de potenciais, o auto conhecimento, essa aprendizagem significativa e o crescimento psíquico.
Além do que o caminho da arte nos abre e propõe uma nova forma de compreender o homem em seu entrelaçamento com o outro e o meio ambiente, inaugurando uma abordagem ético-estética, integradora e inclusiva e, portanto, pacifica e respeitosa, da vida e de todas as nossas relações.
Segundo Ostrower o fazer criativo sempre se desdobra na exteriorização e interiorização de aspectos do ser humano numa compreensão maior de si próprio, da compreensão do ser, da pessoa viver mais intensamente a sua vida, resultando numa vivência plena da criatividade,

 

MANDALAS

Em Arte terapia a atividade da criação de mandalas, traz possibilidades e dá lugar para ela na realidade. O símbolo é uma criação conjunta do consciente com o inconsciente.
As mandalas  traz a possibilidade para a consciência lugar para nossa estrutura consciente,
O inconsciente é tanto passado quanto futuro (possibilidades) assim podemos acessar aspectos futuros também nessa trama espaço/tempo, trafegando pelos fios que a forma, possibilitando concretizar e ganhar. Entrando em contato com nossa sombra nos dá condição da criatividade, pois ela é matéria prima para o auto desenvolvimento. E na sombra encontramos também aspectos muito positivos, potencialidades e talentos desconhecidos. Retirar as projeções que colocamos sobre os outros, e acender a luz ( tomar consciência) sobre o que se mostra sombrio em nós, desfazendo nossos complexos, restitui à consci6encia uma soma considerável de energia psíquica que pode, assim ser recanalizada para o nosso desenvolvimento e crescimento.
Seg. Bernardo o desenvolvimento psíquico se processa através de circuambulações em torno do que está sendo vivenciado, por outro lado, precisamos da experiência concreta, e do que ela nos traz, por outro, ela ecoa em nós, nos afeta, chegando a nós através dos símbolos; nos relacionamos com esses símbolos através das quatros funções da consciência, e desse processo de elaboração simbólica extraímos a síntese do que foi vivenciado, conferindo-lhe um sentido e retornando ao centro, e assim e energia psíquica veiculada por esses símbolos é assimilada à consciência, ampliando-a, e ainda abrindo-nos um novo campo de experiências concretas e de simbolizações, da mesma forma que colhemos um fruto que nos traz tanto nutrientes, quando comido, quanto nos fornece novas sementes, novas possibilidades, num processo contínuo, nossa energia psíquica circula continuamente e nossa saúde depende dessa circulação e a mandala nos propicie esse movimento.
Quando uma pessoa é aberta à vida, sem preconceitos, e receptiva às novas experiências, quando ela é capaz de diferenciar-se e reintegrar-se, de amadurecer-se e crescer espiritualmente, ela terá condições para criar, isso podemos fazer através de realizações de mandalas que nos propicia essa exteriorização e interiorização da nossa experiência de vida, numa compreensão maior de si próprio e numa constante abertura de novas perspectivas do ser. Reflete o sentido do desenvolvimento da personalidade como um todo, da pessoa vivendo mais plenamente a sua vida.
Encontre nas mandalas a paz interior.  


O QUE SÃO MANDALAS
Seg. Fioravant. Uma mandala é sempre um desenho sagrado, no interior do qual forças poderosas estão em movimento, às energias contidas numa mandala são regeneradoras, equilibradoras e ativadoras. Aproveitar essas vibrações é algo maravilhoso.

Mandalas – religação da Alma com Deus através de Desenhos Sagrados, que são emanados energias onde expressam nossas qualidades da lama. No qual nos leva a concentração meditativa ou produz o êxtase que permite a conexão com o que é divino.

As mandalas podem ser produzidas pelo ser humano, mas a natureza também cria muitas mandalas. As mais comuns são os discos lunar e solar, o interior das frutas, as flores e as sementes.

Há mandalas com formas arquetípicas, das quais são exemplos: a Roda da Fortuna,  Zodíaco e a Coroa, que às vezes aparece como auréola.

O mais importante, quando pensamos nas mandalas como uma possibilidade curativa, é perceber nela seu dinamismo.

Cada Mandala é uma forma atuante e que interfere energicamente em todas  as vibrações materiais e sutis com as quais faz contato. Para perceber isso, é preciso em primeiro lugar estar aberto e deixar que a sensibilidade crie um elo com o desenho.

Agora que começou a se aprofundar e entender um pouco sobre mandalas, sugiro que desde já reúna e observe o quanto há nossa volta, nas arquiteturas nas calçadas, decorações de fachadas, nas construções religiosas.

Para entender uma mandala.
Observe:


O ponto central do círculo, ele é  essencial porque é a representação de Deus numa mandala.
É a sede do poder contido na mandala. Dele emanam as energias que a mandala distribui e para ele fluem as energias sutis que abastecem o desenho de força.
O campo interior é a sede onde mora a energia e avalie como se sente diante do desenho.
No interior há possibilidade de se colocar um mundo, uma vez que todas as formas e cores que existem podem ser usadas para compor o desenho das mandalas. É o espaço circular no qual há um desenho. Este espaço é considerado como sagrado, pois representa o tempo divino. Nele estão os elementos que produzem a vibração da mandala e são justamente os elementos interiores os responsáveis pela energia que a mandala emana.
O espaço exterior da mandala é aquilo que está para fora do seu limite circular. Este espaço exterior pode ser apenas o branco da folha de papel na qual a mandala foi desenhada. O exterior da mandala simboliza o mundo material, o lugar no qual as funções sagradas da mandala deixam de existir.
Seg. C.G.Jung descobriu que as mandalas surgem como imagens interiores espontâneas, particularmente em situações críticas de caos interior; e são, por assim dizer, uma tendência autocurativa da alma, porque sem dúvida estamos vivendo hoje novamente uma época que se perde cada vez mais nas aparências e deixa insatisfeita a alma dos homens. A crescente unilateralidade de nossas avaliações, relacionadas, por seu turno, com a unilateralidade do nosso pensamento, expressa bem essa situação, 

Depois de um ponto central, todo o resto que está numa mandala é importante, embora esteja uma escala abaixo.
As formas geométricas
A quantidade de elementos
As cores
E os elementos gráficos possuem cada qual sua energia e esta vibração atuam através da mandala.
Por essa razão é necessário, para quem vai usar as mandalas como recurso energético.
Estudá-los para conhecer as características de cada um deles.
Respire profundamente e fixe seu olhar no ponto central, faça ligação com a fonte primeira dessas energias
Depois de um tempo olhando o ponto central, retome 1a sua realidade material, olhando o espaço exterior da mandala.

 

PRIMEIRO EXERCÍCIO

Faça uma experiência sobre o que é interior e o exterior de uma mandala.
Olhe para qualquer desenho de uma mandala e veja-o com essa interpretação
Mandala é como uma perfeita esfera sagrada, mágica, denota a ordem e harmonia de uma mente iluminada que constrói, sendo que o interior representa o todo o universo inteiro e o exterior invoca o universo sendo que o interior invoca o eu, ele representa o espelho de nossa alma, observando o inteiro e o exterior nos leva a busca do nosso equilíbrio,  nossa integração com o universo, representação do eu, a nossa história de vida, um movimento em direção ao centro como as sementes  que crescem e se desenvolvem,como  as células realizam as suas funções, externas ao espaço, mas também ao tempo. O Centro pode imaginar a morada da divindade  onde  está contido dentro  o palácio da existência interna- circundado por um círculos ou série de círculos, cada um simbolizando uma fase particular de iniciação ou nível da nossa  consciência.
Considere o campo interior como  a sede onde moram as energias e avalie como se sente diante do desenho.
Respire Profundamente e fixe seu olhar no ponto central, faça ligação com a fonte dessas energias.
Depois de um tempo olhando o ponto central, retome à sua realidade material, olhando o espaço exterior da mandala.
O Centro da Mandala simboliza a totalidade, a divindade, a consciência superior, cósmica
As formas ao redor do Centro representam as inúmeras facetas da personalidade humana.
O Centro é a quietude, o Redor é o movimento. Tudo se move ao redor de um ponto, quase como uma “dança” ritual. Estamos sempre nos movimentando, não só corpo mas também a mente (e a alma). Estamos em busca de um Centro, do nosso Centro.
O homem nunca estará satisfeito, por mais que modifique, atinja ideais, porque só no Centro se encontra a grande realização. E onde estará esse Centro? Em nenhum lugar mas em todos, porque ele é a base de tudo.
Quando fazemos contato visual com ela, nossa energia se altera em vários níveis e essa modificação é muito positiva. O campo de força estimula a mente, equilibra as emoções e ativa os processos físicos, ajudando a restabelecer sua função plena.
Se pensarmos, ao observamos nossas mandalas quantas coisas afloram, que muitas vezes deixamos passar, olhando, meditando, refletindo, vimos quanto significados podemos tirar e ver o que foi emergindo nesse caminho e o que mais chamou a atenção . O que estava no nosso inconsciente foi revelado nesse momento, e a sua contribuição ao observamos e ver o que podemos mudar no nosso conhecimento e o quanto é valioso para o nosso auto conhecimento.

 

Atividades: Oficinas Expressivas

Mandalas:
A busca interior
Sente-se confortavelmente e faça algumas respirações profundas.
Comece a observar os pensamentos que lhe chegam. Tome consciência deles e deixe que sumam em seguida. Não os evite nem os incentive.
Entre em contato com seu interior.
Respire profundamente e deixe seu corpo relaxar a cada inspiração. A cada expiração, sinta que tudo o que o preocupa abandona seu corpo. Inspire luz e expire preocupações. Não force a respiração, deixe que ocorra naturalmente. Repita até sentir que está relaxada.

Imagine que está sentada em um jardim

Foto retirado da internet

Imagine-se andando por um labirinto de espirais de flores, quando chegar a seu centro silencioso você sente muita paz e harmonia.
Observe a beleza das flores e como elas refletem as qualidades de da sua vida, dos seus amigos, reconheça as energias positivas que lhes dão.
Observe por alguns momentos estas imagens e encontre as chamas da alegria que darão força e energia para sua vida.
Preste atenção a sua leveza e imagine o espírito e a luz, assim uma energia magnífica surgirá.
Ao se concentrar nessas imagens vislumbre a eternidade do tempo e a imortalidade do espírito, permita que esses conceitos penetrem na sua consciência, essas imagens nos remetem a criança que nasce confiante e com uma grande energia amorosa.

Exemplo de Meditação
A meditação abaixo é uma transcrição de um exercício apresentado no livro “Psicossíntese- manual de princípios e técnicas” de Roberto Assagioli, publicado pela editora Cultrix. É uma meditação simples, mas, como diz o autor, pode ter resultados surpreendentes, levando a um florescimento de qualidades interiores até então adormecidas. Apenas acrescentei a ela uma sugestão de etapa inicial e uma sugestão de finalização – mas se você quiser pode dispensar ambas as etapas e apenas realizar a meditação.

Ser flor

Etapa introdutória
Escolha uma rosa da cor que mais lhe agrada. Faça isso com cuidado, observando todos os detalhes. Compre a rosa e a traga para casa. Coloque-a em um vaso, sente-se confortavelmente em sua frente e a contemple. Sinta seu perfume. Toque-a de leve, sentindo sua suavidade. Coloque, ao lado, uma caneta e um papel, que você irá utilizar ao final da meditação.

Meditação
A seguir feche os olhos. Respire profundamente e deixe seu corpo relaxar a cada inspiração. A cada expiração, sinta que tudo o que o preocupa abandona seu corpo. Inspire luz e expire preocupações. Não force a respiração, deixe que ocorra naturalmente. Repita até sentir que está relaxada.
Imagine que está sentada em um jardim, olhando para uma roseira. Visualize suas haste com folhas e um botão de rosa totalmente fechado. O botão é verde, porque as sépalas estão fechadas. Visualize claramente esse botão, mantendo a imagem no centro de sua consciência.
Aos poucos, no topo, começa a aparecer um ponto de cor. É a rosa que começa a se abrir. As sépalas iniciam sua separação, pouco a pouco, dobrando suas pontas para fora e revelando as pétalas da rosa, que ainda estão fechadas. As sépalas continuam se abrindo, até que se pode ver totalmente o botão de rosa. Fixe sua atenção no botão.
Lentamente, as pétalas vão se separando, enquanto você observa esse movimento suave, essa dança delicada. A rosa vai se abrindo, abrindo, até se transformar em uma rosa perfeita e completamente desabrochada. Fixe sua atenção na rosa.
Sinta, agora, o seu perfume. Inale o seu aroma inconfundível.
Amplie sua visão. Inclua a roseira toda, e imagine a força vital que sobe das raízes para a flor e origina o processo de floração. Observe como a energia sobe pela roseira e alimenta a rosa.
Finalmente, identifique-se com a própria rosa. Sinta que você é essa rosa. Sinta que a mesma vida que anima o universo e criou o milagre da rosa está produzindo em você um milagre idêntico, e até maior – o despertar e desenvolvimento de seu ser espiritual e do que irradia dele. Permita-se florescer. Sinta como você exala um perfume único. Permaneça nesse estado pelo tempo que sentir que deve.
Aos poucos, volte à consciência normal. Respire profundamente, aproveitando esse momento de prazer.

 

Conclusão
Olhe novamente para a rosa à sua frente. Estabeleça, agora, um diálogo escrito entre você e a sua rosa, imaginando que ela é um aspecto seu. Pergunte a ela o que quiser – o que precisa para florescer, que tipo de cuidados gostaria que você tivesse com ela. Deixe que o diálogo flua naturalmente, escreva sem pensar, na forma de perguntas e respostas. Mais tarde você poderá analisar racionalmente o que foi escrito. Agora é o momento de deixar seu inconsciente falar.

Reflexão:
A cada dia, Deus concede a cada um de nós uma nova oportunidade de viver:
Realizar sonhos e projetos:
Crescer, mudar e aperfeiçoar-nos;
Estender a mão aos irmãos:
Dividir e compartilhar;
Dar amor e sorrir,
Para iluminar o caminho de alguém;
Viajar, conhecer novos lugares e pessoas;
Estudar adquirir sabedoria e graça,
Conviver a aprender com os demais.

Meditação:
As oportunidades são novas chances de crescimento.
Confirmação:
(“tratai com sabedoria os que não são da comunidade aproveitando bem o momento CI 4,5)”.- Ross de Rosemary.

A MEDITAÇÀO

Comecemos agora um exercício simples de meditação.
Para fazê-lo, você não precisa saber nada. Basta sentar-se numa posição ereta e cômoda, e contemplar  sua mandala colocada à pequena distância, à altura dos olhos. Não precisa fazer mais nada além de observar a mandala, sem qualquer esforço ou tensão especial; olhe simplesmente, mantendo toda a mandala no seu campo de visão. Toda vez que aperceber que seus pensamentos o estão desviando daquilo que está olhando, volte simplesmente com a sua consciência para o centro da mandala. Faça esse exercício durante cerca de 20 minutos durante 21 dias.


Primeira Atividade Expressiva:
Atividade: Colagem-

Confecção da mandala –Material: Cartolina, cola tesoura, revistas diversas.
Colocar no centro da sala o material e as pessoas em circulo
Objetivos: Propiciar a interação e integração  do grupo.
Contato com o grupo
Este tipo de vivência propicia uma interação grupal e é interessante utilizá-la no primeiro encontro como um meio de compreender a vida emocional e inconsciente do grupo, permitindo, ainda, perceber a identidade grupal. Assim, o amor de um encontra seus limites no amor do outro.
O primeiro passo no trabalho com as oficinas de mandalas, consiste na criação de um espaço continente e propiciador da emergência e elaboração de questões significativas para o grupo, algo análogo à construção e de um vaso alquímico. Como uma panela onde serão depositados os ingredientes trazidos pelo grupo, que nela serão cozidos e assim transformados em alimento para o crescimento dos participantes.
O processo de constituição do grupo assemelha-se à construção de um vaso alquímico. Nele serão depositadas as expectativas, vivências e potencialidades de cada integrante. Mexemos e remexemos nessa grande panela, cuidando para que o fogo não se apague mas também, não seja forte demais, respeitando o tempo e as singularidades de cada uma. Cada uma delas é como o conto o João e o pé de feijão que traz consigo suas sementes mágicas, só que aqui elas são atiradas pela janela ( Bernardo, 1999, p.221)
Procedimento:
Essa vivência ressalta as contribuições que cada um, por ser único e singular, com sua história de vida e seu estilo de ser, traz para o grupo, facilitando a construção de vínculos entre os participantes, mostrando ainda como a diversidade é a base da criatividade e nos enriquece como seres humano.
Essa atividade ajuda os participantes a compreenderem o sentido das oficinas  das mandalas enquanto espaço de relacionamento, troca e crescimento.
Cada participante expressa algum aspecto seu, de sua característica pessoal.
Após a confecção do cartaz de apresentação dá-se o início da apresentação de cada participante, onde expõem suas idéias relacionadas com a montagem da sua própria mandala. E caso houver interesse qualquer um pode falar da mandala com o qual houve alguma identificação.
Essa atividade tem por objetivo facilitar a integração e interação e o conhecimento da cultura de cada participante,
No depoimento dado individualmente ao grupo, cada um definiu o porque da busca pela arteterapia.
Na medida em que é capaz de elaborar as angústias e caminhar na realização de seus objetivos, o grupo pode incorporar essa experiência à compreensão que tem de si e de suas relações. Essa atividade também ajuda a identificação, de uma demanda, que poderá ser relevante para o trabalho na Oficina de mandalas, oferecendo vários ângulos e tópicos, além da interação que a atividade proporciona.
Quais são as principais informações a serem trabalhadas?
Que aspectos emocionais e relacionais o tema parece levantar?
Como terá sido a experiência dos participantes em relação a essa questão?
Esses focos de orientação nos levam, não a uma reflexão rígida, mas a qualificar o encontro. 
Que sentimentos surgiram na busca da gravura para sua mandala.
O que chamou mais atenção?
Que conteúdos emergiram nesse momento?
Que pensamentos fluíram?
Quais os valores e paradigmas fluíram?
Que significados surgiram durante a construção da mandala?

Com que mais identificou?

Leitura e Reflexões
Valores para a vida.

Não destrua seus valores comparando-se com outras pessoas.
É por sermos diferentes uns dos outros que cada um de nós é especial.
Não estabeleça seus objetivos por aquilo que os outros consideram importante.
Só você sabe o que é melhor para você.
Não considere como garantidas as coisas que estão mais perto de seu coração
Dê atenção a elas como à sua vida, pois sem elas a vida não tem sentido.
Não deixe sua vida escorregar pelos dedos, vivendo no passado ou só voltado para o futuro.
Não desista enquanto você tiver algo para dar.
Uma coisa só termina realmente no momento em que você deixa de tentar.
Não tenha medo de admitir que você é “menos que perfeito. É esse tênue fio que nos liga uns ao outros.
Não tenha medo de correr riscos.
É aproveitando as oportunidades que nós aprendemos a ser valentes.
Não exclua o amor de sua vida dizendo que ele é impossível de encontrar.
A maneira mais rápida de perder o amor é agarrar-se demais a ele, e a melhor maneira de conservar o amor é dar-lhe asas.
Não despreze seus sonhos.
Viver sem sonhos é viver sem esperança.
Viver sem esperança é viver sem objetivo.
Não corra pela vida muito depressa.
A pressa pode fazê-lo esquecer não só onde você esteve, mas também para onde você vai.
A vida não é uma competição, mas uma jornada, e cada passo do caminho deve ser saboreado.
 
Segunda Atividade Expressiva:
Atividade: A interação entre as polaridades

Vivencia Expressivas: Surpresas.
Objetivo: Surpresa, concentrar nos dá  a possibilidade de entrarmos em contato com nossos conteúdos internos,
Material
Disco recortado de cartolina branco.
Papel manteiga.
Lápis de cor
Giz de cera
Tesoura
Cola
Sugestão de leitura:
Von Franz: A divisão e quádrupla do Universo- Mitos de Criação - -pp 216
Nachmanovitch: Ser criativo pp 149-162

1º Passo

Relaxamento

Meditações para a Compreensão do desígnio de vida.
Neste momento vamos designar todas as nossas energias para a descoberta do caminho interior que determina a vida externa – o desígnio de vida.
Muito de nós escolhem  a profissão visando os resultados, o dinheiro, o interesse social, daí as escolhas ficarem comprometidas com valores que não fazem parte de nossa missão, de nosso desígnio.
Porém o cosmos é sábio, quando nos desviamos de nosso caminho, algo sempre vem em nosso encontro para que favoreça a nossa percepção de quanto estamos longe da trilha inicial. Isso pode ocorrer de forma natural, leve e até saudável, são os impedimentos normais para que não se realize algo. Até mesmo acontecimentos mais hostis, como uma doença que geram um impedimento real.
As doenças ocupacionais são um exemplo vivo das dificuldades pelas quais passam os seres humanos quando não estão devidamente adequados em seus trabalhos, funções ou escolhas de profissões.
Muitas vezes o afastamento da trilha inicial pode ter relação com a própria formação do indivíduo, seu preparo cultural, social educacional religiosos emocional e formativo. Muitas pessoas desenvolvem realizações que servem para agradar ao outro e não a si mesmas, gerando ao longo do tempo descontentamento e frustração, o que leva ao adoecimento.
As relações pessoais, familiares, sociais, emocionais, afetivas comprometem a vida profissional, da mesma forma que a vida profissional compromete as relações externas ao trabalho.
Esta série de meditações foi desenvolvida para auxiliar o indivíduo no encontro com o seu desígnio de vida, para que ele possa aprender a trilhar seu caminho sem colocar seus próprios obstáculos, para que perceba que não é o outro quem lhe atrapalha, mas é ele que atrapalha a si mesmo, e assim chegar a glória da realização pessoal.

Pratica I
O desígnio de vida.
Coloque ao seu lado papel e caneta.
Coloque uma música calma.
Deite-se ou sente-se confortavelmente, mantendo a coluna reta e os olhos fechados.
Concentre-se na respiração e na música, soltando o corpo e libertando a mente para uma viagem cósmica.
Sinta-se flutuando no espaço e através dessa viagem você chegará bem próximo ao buraco cósmico.
Entre no buraco cósmico
Caia por ele ( não é necessário temer a queda ou a escuridão,. Entre em contato com os seus sentimentos. Lembre-se: você está flutuando no espaço).
Sinta a sensação da queda flutuante, observe que há vários patamares pelas paredes desse buraco cósmico.
Aterrize em qualquer um dos patamares que desejar.
Caminhe pelo patamar até encontrar uma caixa, um baú. Observe como ela é, formato, cores, tamanho, etc.
Peça autorização para o Senhor ( as figuras como o velho, o mestre e o senhor são imagens arquetípicas ( representações) usadas para despertar em nosso inconsciente significado de  ligação com a figura de superioridade, com a figura paterna, etc.) do buraco cósmico e abra a caixa ( observe quem é, como é o senhor do buraco cósmico, o que ele lhe diz).
Abra a caixa, nela há uma informação sobre o seu desígnio de vida, deixe vir à mente uma palavra, algo, não importa o quê, apenas uma representação em forma de palavras do que é o desígnio.
Compreenda seu desígnio, o porquê dessa mensagem
Agradeça ao senhor do buraco por esta experiência, deixe a caixa e carregue apenas a mensagem com você.
Tome o caminho de volta, a subida é tão leve e tão flutuante quanto a descida, chegue ao cosmo sempre de posse do conteúdo da caixa, o seu desígnio.
Volte ao aqui e agora carregando seu desígnio, lentamente abra os olhos.
Pegue sua mandala , na parte de traz escreva a mensagem.
Agora escolha as cores que gostaria de pintar sua mandala.
 
2º Passo
Marcar um ponto no circulo, a partir desse ponte pintá-lo de várias cores.

3º Passo
Cortar o papel manteiga, fazendo uma porta e uma janela.

4º Passo
Colocar sobre a mandala. Colar o papel manteiga ou colocar em cima da mandala, abrir a janela e a porta, temos a surpresa, pois olhar o desenho sobre outra dimensão, somente em partes.
As formas geométricas ao traçado, tomamos conta dos nossos conteúdos internos, e nunca é igual ao outro, pois cada dia estamos diferente, o que foi ontem, não será o mesmo que hoje, e hoje não será igual amanhã.
Criar é dar forma a algo novo e não se refere somente à produção artística, mas também, é como um agir, integrando ao viver e, se o homem cria, não é apenas porque quer ou gosta e sim porque precisa expressar seus conteúdos internos, envolvendo na sua capacidade de inovar respostas frente a desafios, que seja no cotidiano com novas idéias e ações, ou em produções nas diversas áreas que pode vir a ter.
O ato de criar não se faz a partir do nada, ele relaciona pensamentos, fatos, estruturas, percepções e contextos associativos já existentes, mas até então separados, para que juntos estabeleçam a respostas inovadoras.
Alargar nossa compreensão, reflexão, recorrer a outras forma de saber, nos leva a tomada de consciência sobre a interioridade como possibilidade de aproximação dos nossos conhecimentos mais ocultos, abrindo caminhos e novas possibilidade.

A semente vai florescendo durante, acreditar nas transformações é navegar pela sintonia do dia, exercendo a ressonância para atrair outras concepções e percepções da vida para o nosso crescimento interior,
Jung declara que a realidade contém tudo quanto ele possa conhecer, pois qualquer coisa que atue sobre ele é real e presente. Assim, não aceite como reais unicamente os dados fornecidos aos sentidos. Nesta perspectiva somos levados a olhar nossas imagens interiores, inclusive as produzidas pelo inconscientes.
O processo criativo começa a se polarizar, estabelecendo parâmetros, comparando  e pesando os prós e os contras, Quando abordamos a vida com confiança, deixando de lado o ceticismo, abrimos espaço para que as mentes se tornem um terreno fértil de evolução. Este ciclo de crescimento permite que cada um ouça a música de sua magia. Podemos encontrar fertilidade em nossa vida através de forma criativa e deixando-as fluir através de nosso ser, ao invés de bloqueá-la.

Se quisermos plantar sementes que caiam em terreno fértil, devemos transformar nossa visão de mundo, permitindo que os nossos talentos se expressem de forma mais construtivas e criativo que contém todos os potenciais e todas as possibilidades.
Agora com um enorme sentimento de gratidão pelo Universo, encha-se de calor, de vida.
Aqui começa a sua meditação que consiste em compreender a mensagem.

Você a está executando?
Trace um plano para cumprir o seu desígnio, coisas claras, precisas e possíveis de cumprir, com um tempo predeterminado.
Escreva as metas a seguir da mensagem, deixe a mandala em um lugar na sua mesa de trabalho, ou num lugar visível. Comece a executá-la e sentirá o gosto da mudança.
Não seja exigente com você ou com o senhor do buraco cósmico, se as cenas e as palavras não estão claras,a culpa não é de ninguém, dê permissão interior a você mesmo para efetuar a viagem. É uma questão de treino. Somente você pode traduzir as palavras e o cenário.


Terceira Atividade Expressiva:

Atividade: Mandala As Pedras do Caminho.
Material.
Circulo de papel cartão da cor de sua preferência.
Papel seda de várias cores.
Cola.

Relaxamento:
Prática II
As Pedras do Caminho.

Faça várias bolinhas com pequenos pedaços de papel amassado.
Na mandala desenhe um caminho qualquer e coloque pedras ( as bolinhas) no cenário, do jeito que você quiser, não há regras.

Ao término da montagem, deixe a mandala  na sua frente e busque uma posição confortável, sentada com braços e pernas tortas, não cruzar. A coluna reta e os olhos fechados.
Cuide para que a respiração permaneça suave.
Entre mentalmente em contato com a montagem.
Viaje por esse caminho e verifique todos os obstáculos, quem os colocou ali? Por quê? Como ultrapassá-los?
Perceba a relação do cenário com a sua vida.
Observe o que as pedras (bolinhas) representam em sua vida.
Reprograme as possibilidades de ultrapassar os obstáculos ou de removê-los.
Crie uma nova saída para este cenário.
Comece a voltar lentamente para o aqui e agora.
Abra suavemente os olhos, ainda mantendo o estado ampliado da consciência,
Transforme o cenário de sua vida real para a mesma situação do cenário imaginário.
Pegue outra mandala ou a sua própria e comece a reprogramar a posição das pedras no caminho conforme o que mentalizou.
Enquanto está executando isso no papel, visualize-se fazendo isso em sua vida.
Sinta-se vivendo uma situação agradável e saudável.
Levante-se, você está pronto para transformar-se no mundo real.
Você já descobriu quem colocou as pedras em seu caminho?
Que tipos de pedras costumam aparecer em seu caminho?
Lembre-se: diamantes também são pedras?
E sua beleza só pode existir após a lapidação.

Quarta Atividade Expressiva:

Atividade: Mandala Surpresa das águas.
Material
Glutter diversas cores – forma redonda de plástico – velas de diversas cores – fósforo – flores secas-
Trabalha-se com o elemento: água, ar, fogo.
Objetivo: Sombra. O lado oposto. O que está encoberto.

Relaxamento:
Prática III
A Glória
Deite-se suavemente após ter escolhido um lugar tranqüilo que lhe traga a sensação de conforto, de paz.
Deixe as pálpebras se fecharem calmamente.
Inspire e expire intensamente várias vezes com profundidade até sentir-se leve, flutuando.
Escolha um caminho para percorrer, caminhe devagar, sem pressa, sem tensões no corpo e na mente.
Aviste lá longe uma enorme montanha, dirija-se até lá.
Comece a subir a montanha que é íngreme, árida, com muitos percalços, pedras soltas que rolam.
Mas você contínua enfrentando a tudo e subindo, quando alcança quase o topo da montanha, lhe aparece um “velho”um eremita, um sábio, que lhe diz algo...
Que o faz cair de volta ao pé da montanha, a queda não lhe traz ferimentos, apenas pensamentos.
Você pára no chão, levanta-se sem dificuldades, repensa em tudo que se passou em sua mente e recomeça a subir novamente.
Entenda o significado disso em sua vida atual. O que lhe faz cair?
Quando você alcança quase o topo da montanha lhe aparece novamente o “velho”que lhe diz algo..
Que faz você subir até o topo da montanha?
Lá existe um lindo lago, de águas cristalina, vê o fundo a areia branca, as pedrinhas no fundo dançando com o passar dos pequenos peixes, como se fossem bailarinas, indo de um lugar ao outro, você senta  e coloque os pés nas águas cristalinas, sente o prazer de lá estar, como se ela lavasse a sua alma, seu corpo, sente feliz, contente, desfrute desse momento mágico de ter conseguido atingir o topo da montanha, de estar nesse lugar sagrado, desfrute dessa glória.
Volte devagar para o aqui e agora, abra os olhos com serenidade.
Agora escolha uma vela da sua cor preferida ou mais, glutter, folhas secas, coloque na água, acenda a vela e vai pingando até fechar o circulo.
Deixe esfriar, retire da água e descubra o que transformou.
Qual é a relação do caminho, da montanha, do velho, da queda, da subida, da glória com a sua vida?
Reprograme as possibilidades e as formas de escalar a montanha da vida pessoal e profissional.
Espreguice-se mova o corpo, levante-se
Recomece o caminho da vida de forma diferente.
Você já descobriu quem é o velho, o sábio?
Quem já fez o papel de velho, de sábio, em sua vida?
Preste atenção nas palavras do velho, do sábio, e compreenda o significado delas em sua vida, e porque isso faz com que você despenque do topo.
Já imaginou que para chegar às alturas sem sacrifícios e nela manter-se, é preciso ter asas?

Quinta Atividade Expressiva:

Atividade: Mandala para a captação de Paz e Energia.
Os Cristais e as Gemas, funcionam como poderosos amplificadores de pura energia nos processos de cura e também no autoconhecimento de cada um de nós.Manifestando- através da sua Ressonância e da sua Vibração emitida.È possível obter excelentes resultados e benefícios com os Cristais e Gemas para a resolução de inúmeras complicações e enfermidades, sua força consiste amplificar e direcionar os seus próprios e singulares poderes de cura na sintonização correta com as vibrações destes Cristais e Gemas e tendo ao mesmo tempo a consciência límpida na interiorização e na conjugação destas características, nos processos de cura.

Material
21 gotas de essência de aloés. Jasmim e Angélica 3 tacinhas de cristal ou vidro
fio de cobre com cerca de 75 cm.vela de 7 dias na cor azul claro ou branca.
1 cristal de lápis lázuli ou sodalita
um cristal de olho de tigre.
Antes de entrarmos na montagem da mandala, é bom que se lembre que qualquer ato ritualístico requer paz e concentração para que os objetivos sejam alcançados.
De nada adianta montar uma mandala quando a mente não está suficientemente direcionada para este fim.
O aparente simples ato de acender uma vela requer uma concentração naquilo que se faz.
Qualquer vela deve ser acesa com fósforos e com o pensamento firme naquilo que se deseja, no caso a paz e a harmonia.
No dia de arrumação da mandala, procurar manter-se harmonizados, sem aborrecimentos.
Arrumar a mandala fazendo um triângulo com o fio de cobre, apontando uma das pontas para a direção do sol nascente. Acender a vela no centro do triângulo.
Colocar a tacinha com 21 gotas de jasmim, na ponta direita do triângulo.
Todo  o material é colocado pelo lado de dentro do fio de cobre.
Na ponta superior a tacinha com 21 gotas de essência de aloés.
Ao lado do jasmim colocar o cristal de lápis lázuli e do lado da tacinha com Angélica o olho-de-tigre/
Quando a vela terminar, após o sétimo dia, deve-se “levantar a mandala.
A água das tacinhas deverá ser colocada em água corrente e o fio de cobre enrolado nas pedras.
Coloca-se o fio de cobre com as pedrinhas dentro de um saquinho azul claro.

Este saquinho poderá ser trazido junto a si ou colocado pendurado atrás da porta de entrada da casa para atrair paz e harmonia ao lar..
Essa mandala poderá ser montada na passagem do ano, pois forma uma egrégora propícia à realização de rituais, uma vez que, neste dia, todos estão com o pensamento voltado para o novo ano que chega, a montagem de uma mandala será de muita ajuda nos lares de todos  aqueles que desejam se sintonizar com um mundo de paz e harmonia.
O melhor horário para a montagem é no momento em que os ponteiros do relógio estão sobrepostos, como por exemplo, às 12:00 horas, 13h05min. 12:10 e assim por diante.
Toda e qualquer mandala, quando montada, requer sejam feitos pedidos em prol da humanidade e nunca para aquele somente que a realiza.
Quando estivermos pedindo por paz e harmonia em nossas vidas, devemos também acrescentar ao pedido, a solicitação de paz e harmonia a toda a humanidade.
Agindo assim, estaremos seguindo as Leis da Magia.

Sexta Atividade Expressiva:

Atividade: Mandala da Colheita e da prosperidade.
Material
Circulo,
Sementes  diversas.
Cola
Leitura e reflexão: Os potes rachados.
Objetivos: estimular a percepção de que os defeitos podem ser úteis quando bem trabalhados.
Um carregador de água na índia levava dois potes grandes, ambos pendurados em cada ponta de uma vara a qual ele carregava atravessada em seu pescoço.
Um dos potes tinha uma rachadura, enquanto o outro era perfeito e sempre chegava cheio de água no fim da longa jornada entre o poço e a casa do chefe.
O pote rachado chegava apenas pela metade.
Foi assim por dois anos, diariamente, o carregador entregando um pote e meio de água e na casa de seu chefe.
Claro, o pote perfeito estava orgulhoso de suas realizações. Porém, o pote rachado estava envergonhado de sua imperfeição, e sentindo-se miserável por ser capaz de realizar apenas a metade do que havia sido designado a fazer.
Após perceber que por dois anos havia sido uma amarga, o pote falou para o homem um dia, à beira do poço.
Estou envergonhado, quero pedir-lhe desculpas.
Por quê?, perguntou o homem. De que você está envergonhado?
Nesse dois anos eu fui capaz de entregar apenas metade da minha carga, porque essa rachadura no meu lado faz com que a água vaze por todo o caminho da casa de seu senhor.
Por causa do meu defeito, você tem que fazer todo esse trabalho, e não ganha o salário completo dos seus esforços, disse o pote.
O homem ficou triste pela situação do velho pote, e com compaixão falou:
Quando retornarmos para a c casa do meu senhor, quero que percebas as flores selvagens ao lado do caminho, e isto lhe deu ânimo.
Mas ao fim da estrada, o pote ainda se sentia mal porque tinha vazada a metade, e de novo pediu desculpas ao homem por sua falha.
Disse o homem ao pote:
Você notou que pelo caminho só havia flores no seu lado do caminho.
Notou ainda que a cada dia enquanto voltávamos do poço, você as regava.
Por dois anos eu pude colher flores para ormamentar a mesa do meu senhor.
Sem você ser do jeito que você é, ele não poderia ter essa beleza para dar graça à sua casa.
Cada um de nós temos nossos próprios e únicos defeitos.
Todos nós somos potes rachados.
Porém, se permitirmos, o senhor vai usar nossos defeitos para embelezar a mesa de seu pai.
Na grandiosa economia de Deus, nada se perde.
Nunca deveríamos ter medo dos nossos defeitos
Basta reconhecermos nossos defeitos e eles com certeza embelezarão a mesa de alguém.
Das nossas fraqueza, devemos tirar nossa maior força.
Com as sementes faça seu pote e o seu caminho. Se regar, mesmo com o pote rachado, a sua mandala florescerá e dará muitas flores para ornamentar sua casa.

Sétima Atividade Expressiva:
Dia 25-09-08
Atividade: Mandala das Ervas – Compreendendo o espaço vazio.

Material
Círculo
Diversas ervas medicinais
Cola
glutter
Meditação:
A Participação do Corpo no Estado de Saúde.
(Ana Maria Canzonieri Maeda).
Olhos fechados
Dê amplitude ao movimento respiratório, inspirando com profundidade e soltando o ar vagarosamente.
Libere todas as tensões do corpo e da mente, permitindo-se flutuar no cosmos.
Perceba quais são os seus desconfortos corporais, suas dores físicas.
Como isso está presente em seu cotidiano.
Quais partes do seu corpo são afetadas pelas diferentes experiências em sua vida?
Como você se relaciona com o mundo quando apresenta desconfortos físicos?
Escolha uma dor que está presente ou um desconforto mais constante. Deixe vir a sua mente.
Transforme-se nessa dor física, nesse desconforto
Perceba as dificuldades em ser essa dor ou desconforto
Perceba por que a dor física ou o desconforto lhe são úteis. O que você pode ganhar com isso
Quando e como a dor ou o desconforto aparece?
Para que  o medo?
Isso tudo que você está percebendo é você, e você é maravilhoso, pode apenas não estar sabendo lidar com a sua vida
Sinta que você tem capacidade para transformar todas as coisas que lhe sejam incômodas, que tudo depende da sua forma de ver as coisas  e de agir sobre elas em relação a sua vida.
Imagine uma erva medicinal  qualquer, deixe vir a sua mente, peça que ele lhe ajude a transformar o que está ruim em algo bom, fale que você quer se livrar de todos os sofrimentos e se permita ser ajudado.
Transforme a situação de sofrimento em algo prazeroso com a ajuda dessa erva que escolheu.
Execute todos os pedidos, crie uma nova cena, reorganizando mentalmente.
Agradeça, sabendo que pode chamá-la novamente sempre que quiser.
Reorganize o sentir corporal, sinta-se confortável, sem sofrimento físico, esteja em paz, em equilíbrio.
Volte lentamente a assumir o corpo, sentindo a mente tranqüila, abrindo os olhos, lentamente volte para o aqui e agora, espreguice-se, mova o corpo, levante-se.
Sinta uma nova autoridade sobre seu corpo, um assumir-se a si mesmo.
Entre em contato com a dor, com o problema, coma dificuldade.
É difícil, mas encoraje-se e se reorganize. Se realmente for muito difícil, crie situação simples de saída, volte lentamente ao aqui e agora, acalme-se, abrace-se e sinta que você tem a você.

Atividades práticas que favorecem a diminuição do fluxo contínuo de pensamentos, levando ao descanso da mente, e assim, proporcionando maior clareza no pensar.
É o encontro da própria essência interior, contribuindo para um relacionamento de PAZ com os outros, consigo mesmo, e com as forças da natureza no Universo.


“É como se existisse um bom médico, sábio e bem versado nas artes medicinais, inteligente e habilidoso na cura de uma infinidade de doenças. Este homem também tem muitos filhos, talvez dez, vinte ou mesmo cem. Então, solicitado pela clientela distante, ele viaja para um longínquo país estrangeiro. Neste ínterim, as crianças tomam algum veneno, que lhes faz rolar no chão em delírio”.
 “Apenas então seu pai retorna para casa. Em razão de terem tomado veneno, alguns dos filhos perderam os sentidos, enquanto outros não. Vendo seu pai à distância, ficaram todos muito felizes. Eles curvaram-se para ele, ajoelharam e depois lhe informaram: ‘Seja bem-vindo em paz e segurança. Em razão de nossa tolice, tomamos algum veneno por engano. Rogamos que nos recupere, cure-nos, e devolva-nos nossas vidas’”.
 “Vendo seus filhos em tal agonia, o pai consultou suas receitas médicas e então procurou por finas ervas, boas na cor, no aroma e no sabor. Ele então as moeu, peneirou-as, misturou-as e deu aquele composto para seus filhos tomarem. E disse-lhes: ‘Este é um excelente remédio de boa cor, aroma e sabor. Tomem-no. Sua agonia será aliviada, e não sofrerão mais tormento’. Alguns entre as crianças não haviam perdido seu sentido. Vendo aquele fino remédio com sua boa cor e aroma, imediatamente tomaram-no e sua doença foi curada completamente”.
“Embora os outros que haviam perdido os seus sentidos tenham se alegrado com a chegada do seu pai, tendo indagado sobre o seu bem-estar e procurado a cura para a sua enfermidade, recusaram-se a tomar o remédio. Qual a razão? O veneno havia penetrado-lhes tão profundamente que eles tiveram a perda dos seus sentidos, e assim diziam que o remédio de boa cor e aroma não era bom
“O pai então pensou: ‘quão lamentáveis são estas crianças! O veneno confundiu seus pensamentos. Embora tenham se alegrado em ver-me e me solicitado que os recuperasse e curasse, ainda assim recusam um remédio tão bom como este. Devo agora utilizar-me de um meio hábil para induzi-los a tomar este remédio’. Imediatamente ele disse: ‘Saibam que já estou velho e fraco, e minha morte está próxima. Deixarei aqui este bom remédio para seu benefício. Não tenham preocupações de que ele não os curará’. Tendo instruído-lhes dessa maneira, ele então retornou para aquele longínquo país estrangeiro e de lá enviou um mensageiro para anunciar: ‘Seu pai morreu’”.
 “Quando as crianças ouviram que seu pai havia morrido, seus corações encheram-se de dor, e eles pensaram: ‘se nosso pai estivesse aqui, ele seria compassivo, sentiria piedade de nós, e teríamos um salvador e protetor. Agora ele abandonou-nos ao morrer num outro país, deixando-nos órfãos, e sem ninguém em quem confiar’. Constantemente sofrendo, suas mentes então despertaram. Eles compreenderam que aquele remédio possuía boa cor, aroma e sabor. Tomaram-no imediatamente, e sua doença por envenenamento foi completamente curada. O pai, ouvindo que seus filhos tinham sido completamente curados, então retornou e todos eles viram-no
“Bons homens, o que pensam, poderíamos dizer que este bom médico cometeu a ofensa do falso testemunho”?
 “Não, Honrado pelo Mundo”.
Naqueles filhos que se encontravam fora de si, surgiu o obstáculo da dúvida. Esse remédio é a fé na verdade subjacente aos ensinos deste Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa. O Buda lhe confere atributos físicos como cor, fragrância e sabor apenas como um meio hábil para explicar a excelência do remédio.
Semelhante fato ocorre com as pessoas que procuram os verdadeiros ensinos do Buda, os encontram neste Sutra, mas continuam atribuladas com as questões mundanas. Enquanto isto ocorre, o Buda permanece oculto. Isto significa que o único Buda que uma pessoa pode “ver” é aquele que reside no espaço vazio sob si mesma, em seu próprio âmago. Neste sentido, “desejar ver o Buda” significa desejar “tornar-se um receptáculo da Lei” (Corpo de Dharma) ou desejar “vir a ser Buda” (o Bodhisattva). Este é o verdadeiro e único portal do Grande Veículo, da Via recíproca que, em uma direção, faz penetrar a sabedoria do Buda e, na direção recíproca, representa o advento do Buda neste mundo
Características principais

Suas folhas verdes são freqüentemente utilizadas na culinária, mas suas raízes, flores, sementes, caules e algumas outras partes, são de bastante utilizadas pela medicina complementar por suas características medicinais.

De forma geral, podemos entender que as ervas possuem diferentes tipos de aplicações. Estas diferenças podem ser observadas entre as ervas medicinais e aquelas específicas à culinária (também conhecidas como ervas aromáticas).

No caso das ervas medicinais, estas podem ser utilizadas de forma mais abrangente, podendo ser aproveitadas muitas de suas partes.

Exemplos de ervas conhecidas (nome popular e nome científico)
- Arnica (Arnica montana L) 
- Erva-cidreira (Melissa officinalis L) 
- Erva-cidreira-de-arbusto (Lippia alba (Mill) N E Br) 
- Erva-de-santa-maria (Chenopodium ambrosioides L) 
- Erva-de-são-joão (Hypericum perforatum L) 
- Erva-mate (Ilex paraguariensis A. St.-Hil.) 
- Confrei (Symphytum officinale L) 
- Sálvia (Salvia officinalis L) 

Oitava Atividade Expressiva:
Atividade: Fechamento- Repetir a primeira atividade - Mandala Construa seu jardim dentro do labirinto.

CONTATOS

Tels.: 3816-1137 • 3816-3780 • 3814-9396 • 9-9999-0506
wilma.nubiato@yahoo.com.br

COMO CHEGAR

Rua Paulistânia, 593 - Sumarezinho - São Paulo

MENSAGENS

Preencha o formulário abaixo e envie-nos sua mensagem

Psicovia Terapia do Ser - 2016 - Todos os direitos reservados. -

Desenvolvimento